sexta-feira, 31 de outubro de 2003

EZRA POUND [1885-1972]

  [Morre em Veneza, 1 de Novembro de 1972]
 
Oh! geração dos afectados consumados
e consumadamente deslocados,
Tenho visto pescadores em piqueniques ao sol,
Tenho-os visto, com suas famílias mal-amanhadas,
Tenho visto seus sorrisos transbordantes de dentes
e escutado seus risos desengraçados.
E eu sou mais feliz que vós,
E eles eram mais felizes do que eu;
E os peixes nadam no lago
e não possuem nem o que vestir 

[Ezra Pound, Saudação]

EM LOUVOR DO PROF. MARCELO


[Em Louvor do Prof. Marcelo] – "Quando em Lisboa já toda a gente dorme e até os noctívagos mais foliões e retardatários tomaram o caminho da cama, algures, num bairro qualquer da cidade, numa rua uma casa portuguesa, uma luz está alerta. Alguém ali trabalha ainda, trabalha e vela, atento e esforçado, com os olhos a arder, vencendo o sono a poder de profaminas e café, estorcendo o intelecto, arruinando a saúde, o cabelo a encanecer-lhe gravemente (...)

E que faz ele? Lê; lê e lê catadupas de livro que lhe chegam diariamente às mãos, com dedicatórias nobres, estimulantes, ou aquele antipático carimbo 'Homenagem do Editor'; livros que vai abrindo; incapaz de dominar o caudal de espessa prosa ou a grácil espuma da versalhada que lhe despejam em cima. Lê, mas não só isso. Depois de ler diariamente bons centos de paginas (...) inda tem tempo para formar opinião delas, seja poesia (clássica ou novíssima), ficção filosofia ou colecção de policiais e, quase, miraculosamente, sobejam-lhe algumas horas para escrever essa dita opinião que é para os leitores, na quinta-feira, saberem e escusarem de ler os livros de que gostou. A pensar nos leitores, na sua cultura, no seu porvir, a esforçar-se por todos, o bom e querido ..."

[Luiz Pacheco, O Salema Sucateiro, in Textos de Guerrilha, 1ª série, 1979]

[Salazar e Armindo Monteiro] – "Uma vez (há muitos anos felizmente) estava o Salazar descansado a palestrar com a senhora Maria sobre assuntos de Moral e Religião (e, também, certas praticas sexuais, mas em voz baixinha), quando apareceu lá em casa um intriguista qualquer, talvez o Bissaya Barreto, e disse:

- Ó Tóino, sabes que há por aí um tipo que percebe muito de Finanças?
- Ah, sim?...
- Ó Tóino, olha que é muito inteligente, quinté sabe inglês, e ambicioso que se farta.
- Ah, sim!?...
Nessa noite, o Totocas não dormiu nada e às 5 ouviu o canto do galo, que lá em casa tanto servia de despertador como para canja. Desceu à secretária, com as duas ceroulas que usava sempre e já trazia do seminário, para proteger o pirilau, e nunca as tirava. Despachou assim:

Armindo Monteiro, Embaixador em Londres, já!

(a) António Oliveira Salazar”

[Luiz Pacheco, Tratem-no por Luisito, in Textos de Guerrilha, 2ª série, 1981]

FIGURAS PITORESCAS



"Quando eu, rua, per vós vou
Todolos traques que dou
São suspiros de saudade!
" [Gil Vicente]

O Especialista – Eis o talentoso profissional da análise politica. As suas sabatinas nos telejornais, de muito atrevimento, são avidamente soletradas pelos indígenas, que vêm nele um enxerga democracia de muita estimação. Oh clemência! Quando investe à desfilada sobre a coisa pública, esbanjando nonchalance, o terror invade as quatro assoalhadas de um qualquer professo ministro, secretario, guarda-nocturno ou, mesmo, um simples Tribunal. O seu pensamento íntimo está prenhe de descomposturas aos prevaricadores. Que o diga Madame Catalina. Como "em cada português esconde-se ou tresanda um inquisidor" [Pacheco, o Luiz], o especialista é sempre um facundo crítico de qualquer coisa, e o bom e nobre cidadão não se inibe de participar, porque muito matutou no que o especialista pensou.

O Psi - Analisa as misérias do Ego, observa cenas infantis patogénicas, descreve histerias de defesa e perversões outras. Viciado em pulsões de autoconservação, profundo conhecedor da inveja do pénis, o especialista frequenta por vezes o Tribunal, a TV e os jornais. Quando entrevistado o especialista boceja de tédio. Têm a monomania, o Psi, de se recomendarem uns aos outros em rituais ruidosos. Por vezes não trazem o canudo, o que não os impede de serem muito felizes. E darem muitas consultas.

O Xico Esperto – Ouve com atenção o Mister pregar antes, durante e após os jogos. Já bichanou que estava zangado com o mundo, a cidade e a relva. Está na moda, o que o faz dar reprimendas aos colegas, adversários de preferência. É tratado com toda a ternura filial pelo Mister-Pregador, que capricha em sua defesa, mesmo fora da sacristia dos balneários. O Xico Esperto alarda certezas. Eis a última atribulação do Xico Esperto, contada pelo próprio: «O processo disciplinar é injusto, pois não se tratou de uma agressão. Com a expulsão, limitei-me a dar-lhe a chuteira porque já não iria precisar dela, mas a minha intenção nunca foi a de agredir». Disse!

O Pregador – Com pose de passar à posteridade, o Pregador recita as melhores produções do seu reportório, em constantes conferências de imprensa e entrevistas a desoras, que aprendeu na estranja enquanto emigrante. Quando fustigado, confessa que gosta. É masoquista assumido. Por vezes diverte o público com palhaçadas, sempre com ar expressivo, queixando-se deste "mundo vil e suado" que não o sabe merecer, o que não o impede de bramir o bastão cultural futebolês. Aqui, choram as desvalidas peixeiras da Ribeira, enquanto conhecidos desordeiros tecem as mais belas florações ao talento do Mister. Este abalizado teórico é um Mouro de trabalho, entre o riso e o tédio do País. Bem-haja!

Blog d’arromba – O arreabátapageviews está de volta. Zelador da sanidade intelectual da praça, pretende correr a pau e tecla os mendigos da blogosfera. Traz consigo um homem-a-dias, para entrevistas de circunstância, que lhe distribui os prospectos, enquanto se apresta a vender, agora, os últimos figurinos de literatura liberal ao povo cão. Servente de uma "escrita [que] é um exercício onde" comunica "algo de muito profundo", o regressado apóstolo tacteia, ainda, o campus da lide literária em prosa de pé quebrada, encontrando-se, por ora, a medir a dureza da posição de escriba virtual. Sentimentalão nas suas croniquetas escrituradas, atrevido nos seus cariciosos borrões, vai ser um florilégio encantador para debutantes de literatura para ociosos. Assim se espera. Para que haja sempre um intelectual insuspeito por detrás de cada blog. É dar-lhe para a frente, Dom Coutinho!

quarta-feira, 29 de outubro de 2003

O PASTELEIRO

"Em 1590 o pasteleiro Diogo Delgado estabelecia-se em Coimbra, depois de ter aprendido a arte em Lisboa e ter prestado aí as sãs provas práticas e teóricas perante os dois juízes do ofício Mateus Rodrigues e António Alvares, tendo o escritor respectivo redigido a acta, por onde ficámos sabendo como decorrera o exame:

«Foram requeridos os juízes do oficio dos pasteleiros por parte de Diogo Delgado, dizendo que se queria examinar, os quais juízes, Mateus Roiz e António Alvares, determinam de se ajuntarem em casa de mim escrivão para ser feita a dita examinação, os quais juízes comigo escrivão fomos juntos em 26 dias do mês do Outubro de 1689 e logo foi examinado de prática e de pasteis e empadas e de todas as obras conteudas no regimento e acostumadas e lhe foi lido o regimento para que usasse do seu oficio conforme a consciência e qualidades dele. Feito em Lisboa, ano de nascimento de nosso senhor Jesus Cristo de 1589 anos ...»

(...) O pasteleiro abriu a sua tenda, isto é, a sua pastelaria e dispoz-se a acatar o regimento, que devia ser semelhante ao de Lisboa e se encontra publicado pelo Prof. Vergílio Correia. Diogo Delgado tinha de apresentar no seu estabelecimento pasteis de cinco, dez, vinte e cincoenta reis; empadas no tempo do pescado; pasteis reais; pasteis de frangão e de pombinho. Havia de saber quais os adubos e temperos para o Verão, quais para o Inverno, e como se temperava o carneiro, a vaca ou o pôrco. Nada de falsificar os pasteis com bode, cabra ou pòrca e muito menos com carne que não fosse fresca ou de animal que se não usasse. Nada de vender pasteis de véspera, nem ter vendedeiras ambulantes, nem dar de comer na tenda a escravos cativos, e ainda menos de beber. O regimento proibia os ofícios a mouros, mesmos forros, porque não eram fieis e verdadeiros como exigia a profissão. As mulheres podiam ser pasteleiras. As infrações ao regimento eram severamente punidas com multas e cadeia ou mesmo com a suspensão do ofício se houvesse reincidência. (...)

Até Dezembro de 1604 os pasteleiros de Coimbra estavam encorporados na Bandeira dos marchantes, carniceiros, tripeiros e vendeiros, uma das 12 da Casa dos 24 e com eles figuravam na Procissão do Corpus Cristi ou outras em que eram obrigados a colaborar as Bandeiras dos mesteres (...) Mas naquele ano subiu-lhes o brio à cabeça e acharam que lhes não ficava bem acamaradar com os antigos companheiros (...) e forma requerer à Câmara que os deligasse dos colegas e os anexasse aos ... Adivinhem a quem! Pois aos luveiros ... E foram atendidos."

[A. Da Rocha Brito, in Gazeta de Coimbra, 1944 ? - gravura de William Hogarth]

terça-feira, 28 de outubro de 2003

BOLETIM Nº 9 DA LIVRARIA OLISIPO (OUTUBRO 2003)



Saiu há dias, um Boletim Bibliográfico da Livraria Olisipo (Largo Trindade Coelho, Lisboa) com 106 peças de excelente qualidade, muitas raras ou, mesmo, muito raras, e que faz a felicidade do amador de livros, passe o preçário elevado.

Algumas referências: Relaçam Svmaria da Vida do Illustrisimo, et Reverendíssimo Senhor Dom Theotonio de Bragãca ..., por Nicolao Agostinho, 1614 (rara) / Árvore. Folhas de Poesia (Revista sob direcção de Ramos Rosa, José Terra, Luís Amaro e Raul de Carvalho, c/ colaboração de Manuel da Fonseca, Sophia, Cesariny, Cabral do Nascimento, Vergílio Ferreira), 4 num, 1951-53 / Arte Portuguesa. As Artes Decorativas, de João Barreira, Ed. Excelsior, 2 vols / Lucta de Gigantes, por Camilo Castelo Branco, Typ. Commercio, 1865 (raro) / La Creacion. Historia Natural, 1880 (a 1883), 9 vols / Memoria Genealogica e Bibliographica sobre Martinhos Falcões, Porto, 1904 (raro) / ... Mais e Mais ... versos de Saul Dias (desenhos de Júlio), Presença, 1932 / Mudança, de Vergílio Ferreira, Portugália, 1949 / Genealogias da «Casa da Tapada», fundada pelo insigne poeta Sá de Miranda e da «Casa de Castro» dos Machados antigos senhores de entre Homem e Cavado, Famalicão, 1923 (Muito raro, tiragem de 50 expls) / Relação do Castello e Serra de Cintra e do que há que ver em toda ella, de Francisco de Almeida Jordam, Coimbra, 1874, 2ª ed., rara / Música, por Júlio e José Régio, Presença, 1931 / Cintra Pinturesca ou memoria descriptiva das Villas de Cintra e Collares e seus arredores, pelo Visconde de Juromenha, 1905 / Historia da Arte em Portugal, por Aarão de Lacerda e tal, Porto, 1942-56, 3 vols / Uma Mão Cheia de Nada Outra de Coisa Nenhuma, por Irene Lisboa, Portugália (1ª ed.) / Livro dos Brazões de Armas de Portugal, sob direcção de A. de Gusmão Navarro, desenhos de Cardoso Martha, 1930 (raro) / O Pórtico e a Nave (Conferências), de Joaquim Manso e ilustrações de Almada, Ática, 1943 / As Setes Partidas do Mundo, por Fernando Namora, Coimbra, 1938 (1º livro do autor) / Leitos e Camilhas Portuguesas, de Silva Nascimento, 1950 / Deseja-se Mulher, por Almada Negreiros, 1959 / Desenhos Animados. Realidade Imaginada. Escrito expressamente a convite da Empresa do Cinema Tivoli para a apresentação do filme de Walt Disney "Branca de Neve e os Sete Anões", Almada Negreiros, Ática, 1938 (1ª ed.) / O Nome de Guerra, de Almada Negreiros, Romance, 1ª ed. / Clepsydra. Poemas de Camilo Pessanha, Ed. Lusitânia, 1920 (1ª ed., rara) / A Chaga do Lado, por José Régio, 1954 / Terra do Pecado, por José Saramago, Minerva, 1948 (1ª ed., rara) / Estampas Coimbrãs, por Carneiro da Silva, 2 vols / O Trage Popular em Portugal nos séculos XVI e XVII, por Alberto Sousa / Arte Românica em Portugal, texto de Joaquim de Vasconcelos, Porto, 1918 (estimado e valioso)

PASSA POR MIM NA CATEDRAL ...



"Todo o sentimento poderoso provoca em nós a ideia do vazio" [Artaud]

Passa por mim na Catedral, disse meu pai. Assim fiz, nunca se deve contrariar os progenitores. Nem a saudade. Muito menos, os investimentos do nosso imaginário. E fazia sentido, que os "homens não têm com o mito uma relação de verdade, mas de uso" [Barthes dixit]. O luto estava longo. O seu caminho, desde a noite negra que o dito Presidente do Benfica vendeu o clube a um partido político, tinha sido feito. Passar a espera, quedar-me na margem, eis o sortilégio cometido. Depois? Depois, entrou-se na Catedral, devagar, entre o mundo dos homens. Na memória o esquecimento incapaz. Já assim tinha sido, in illo tempore, de mão dada com o meu pai. "Le centre du monde est partout et chez nous" [Eluard].

A nova Luz, o "grande perturbador" ou a sua metáfora. "Eu" torno-me "tu", e todos manos, por isso não podes entender. Compreende-se. Para vós, o futebol sempre foi "decoração", "ópio do povo", mito maior das "massas", alienação. Outros referem, que reproduz o mundo do trabalho, et pour cause ... Porém, "o futebol tem uma alma" [Peter Handke]. E, assim, talvez o "homem necessite do mito e do símbolo" [Gert Hortleder, in Humboldt, nº 29], que os tempos estão "perigosos" e as palavras metem medo. Os intelectuais, em todas as versões, sempre ficaram à sua margem, numa estranha lamentação, mortos por não terem "corpo", nesta "cultura foot", muito "light". Outros (Cardoso Pires, Mário Zambujal, Lobo Antunes, Assis Pacheco, Drummond de Andrade, Nelson Rodrigues, João Cabral de Melo Neto, Lins do Rego, Ubaldo Ribeiro, Vinicius de Moraes, Oswald de Andrade, Philippe Soupault, Camus, Eco, Valdano, ...) deram-lhe a devida importância, numa paixão que alguns, hoje, contestam face a uma (real, diga-se) era da futebolização da sociedade, de facto, preocupante. "Tudo que sei sobre a moral e as obrigações do homem, devo ao futebol" - dizia Camus - terá, hoje, algum sentido?

Aparte isso, a Catedral estava bela. Como sempre.

sexta-feira, 24 de outubro de 2003

BLOGALIZAÇÃO


 
"Eu nunca aderi às comunidades práticas de pregar com pregos
as partes mais vulneráveis da matéria
" [M. Cesariny]

Blogalização! - diz a Maria, com voz doce.
- Oh não, agora que um Outono desvairado de chuvas e ventos se insinua, surpreendi tiques de vernissage.
- Questão de marketing patriótico, disse ele, sussurrando.
- Dizias tu, que ali na Avenida Manning, à direita de quem sobe a Dundas vindo de Bellwoods Park, está uma alma sensível, um mestre poeta que consegue tanger as mais delicadas sensações com esse «barro» que são as letras. Afinal, "a ternura é húmida" [Raul Brandão]
- Olha, hoje ao esfregar o corpo banhado, saiu-me o Verão da epiderme e arrastei-me para o trabalho com a ligeira ressaca da praxe e imenso sono - continuava ele. "Lisbon is a bum's nightmare: you can only survive it by getting drunk" [M.V.Costa].
- Dizem que não haverá nunca um espaço que nos seja comum e isto porque parece que há cada vez menos amor pelas palavras. É que o "destino é como a guitarra, quem tem unhas toca, quem não tem é tocado" [MVC]
- Eu não. Estou feliz porque desconfio que terei um grande natal. Eu é que sou o Pipi. Have you ever been cheated?
- Praqueja, olha que o "timbre de honra é morar limpo no espanto eu pessoalmente morto" [Nemésio]. "I try to be as progressive as I can possibly be, as long as I don't have to try too hard".
- Porém, todos os sinais estão por aí, dispersos. "Toda a vulva é fechada como a expansão da noite" [MVC]
Era Outono, o cheiro a mar, o cheiro a rio, a cidade à beira mar, paisagem meritória, digna de figurar em qualquer colecção de postais ilustrados, passa em revista parte do seu repertório num piano tocado com ambivalente delicadeza.
- Também o Alberto o mete nos píncaros, gritou o homem, anda a desbravar Nelson Rodrigues. Que inveja!
- Eu já suspeitava que dali só podia vir a mais sólida clarividência. O homem não só tem conhecimento do que fala como não paro de me espantar com a forma como, dia a dia, hora a hora, minuto a minuto, jorram os discursos que mais munições dão aos populistas.
- Ora adeus, "a revolução é o permanente retrocesso do sim ao seu princípio, deslumbrado" [MVC]. E, com tanta confusão mediática, alguns de nós poderiam ser levados a dar toda a atenção ao acessório e cagar-se para o essencial.
- Trogloditas ou cavernícolas, eis o que são. E, vendo bem, é muito mais proveitoso ouvir o Santana Lopes: "Ó Rodrigo, esta semana estou perplexo. E estou perplexo com quê? Estou perplexo com esta flatulência que me atacou depois do almoço.". Eis, dois "pesos-pesados" da área da mercearia fina.
- Mas a maior parte das vezes mistura 5 mentiras, duas suposições e três ilações erradas, leva tudo ao shaker e apresenta-nos uma verdade irrefutável Bestialidades, Ginástica dos maxilares, «amiguinhos» do costume. Não ponho lá os pés.
- Mas isso não é um resultado ... tão brilhante como o Benfica com o La Lumiére da semana passada, mas foi o que se conseguiu arranjar. A música até pode ser boa, mas o homem, definitivamente, não é nada cool.
- É a blogalização, repete a Maria, com "o ouvido tenso de rumor numa flor de pedra" [A. Ramos Rosa]

quarta-feira, 22 de outubro de 2003

MOMENTUS POLITIKUS


 
Momentus Politikus

[Nota da Presidência] – O senhor Presidente da República falou hoje ao País. Não é pacífica a leitura da comunicação. Argumentam alguns, que Sampaio se está a acautelar contra "tempestades" que aí vêm (Luís Delgado dixit, Mata-Mouros segue atrás. Curiosamente Mata-Mouros na posta pós-comunicação (20.10h) considera que Sampaio "não disse nada de novo, de interessante ou de relevante". Enfim a noite fê-lo reflectir melhor). Ora, estão no seu direito. Aliás será o corolário lógico, o passo seguinte, do infame ataque ao Estado de Direito que, já hoje, se verifica e que alguns tentam esconder, desviando atenções para uma putativa politização do caso Casa Pia. De repente, fazendo tábua rasa de todos os pecadilhos deste processo (porquê será?), fazendo um branqueamento total sobre as fugas de informação havidas e de quem delas é refém, descobriram os nossos preocupados "analistas", que as pressões feitas a figuras institucionais (e dá-se de barato que existiram, para que não se pense coisa diferente) desvela mentes tortuosas e uma conduta ilegítima e, suspeita-se, absolutamente criminosa. Não pondo em causa tal protestatório, apenas se regista que a "coisa" se começa a compor, vislumbrando-se, assim, os reais objectivos políticos desta insana intentona. Mais, lentamente, começa-se a visualizar as doutas cabeças que podem estar por detrás desta manobra diversionista. A TVI sempre atenta, Santana esclarecedor em demasia onde outros, prudentemente, não se fazem ouvir ... diz muita coisa sobre os dias que vão cair sobre as nossas cabeças. Quanto ao discurso de Sampaio, aguarde-se as reacções e ... as próximas deixas jornalísticas. A novela segue dentro de momentos.

[Manuela Moura Guedes, brinde TVI] "Um diabo extraiu-lhe um alfinete da língua, no sítio de onde sai a saliva, e depois um segundo, e a seguir outro e mais outro ainda. Havia alfinetes de todos os tamanhos e feitios, alfinetes de oiro e outro dos vulgares. «Era um maledicente variado», disse o diabo" [Max Jacob]

[Jornais e coisas tais, oferta CM e 24h] "Queira o céu que o leitor, tornado audaz e momentaneamente feroz à semelhança do que se lê, encontre, sem se desorientar, o seu caminho abrupto e selvagem através dos lodaçais desolados desta páginas sombrias e cheias de veneno; pois que, a não ser que utilize na sua leitura uma lógica rigorosa e uma tensão de espírito pelo menos igual à sua desconfiança, as emanações mortais deste livro irão embebedar-lhe a alma, como a água ao açúcar. Não convém que toda a gente leia as páginas que se seguem; só alguns hão-de saborear sem perigo este fruto amargo. Por consequência, ó alma tímida, antes de penetrares mais longe em tais domínios inexplorados, dirige os teus passos para trás e não para a frente ..." [Lautréamont]

[Havia um Procurador, estórias para crentes] "... Primeiro julguei que era qualquer zunzum nos ouvidos como o que às vezes dá a quem se embebeda; vendo melhor, achei que era um barulho parecidíssimo com o que sai de uma pipa vazia quando se lhe dão por cima umas pauladas: era isto e por aqui me teria ficado se, pelo meio, não tivesse também ouvido sílabas e até palavras. Como , por temperamento, não sou nervoso e como os tais copos de laffitte que tinha estado a bebericar não me davam entusiasmo suficiente para me mexer de onde estava, não me impressionei ... Limitei-me só a olhar à volta da sala a ver se via o intruso, mas sem ter alma de ver fosse o que fosse ..." [Edgar Allan Poe]

"As coisas são simples.
Claro claro - disse o segundo -
porque não podiam ser doutro modo.
Mordes o pão
a faca brilha
o sol entra pela janela
gritam na rua
a vendedeira de fruta o pescador o amola-tesouras
cada um com sua voz
o terceiro com o silêncio.
Eu escuto" [Giánnis Ritsos]

[Ao Escuta, pela contribuição para a teoria do sinal]

terça-feira, 21 de outubro de 2003

XADREZ

















No seu grave recanto, os jogadores
Deslocam os peões. O tabuleiro
Tem-nos até à alva no altaneiro
Âmbito em que se odeiam duas cores.

Dentro irradiam mágicos rigores
As formas: torre homérica, ligeiro
Cavalo, alta rainha, rei postreiro,
Oblíquo bispo e peões agressores.

Quando os jogadores se houverem ido,
Quando o tempo os tiver já consumido,
Nem por isso terá cessado o rito.

A leste se ateou uma tal guerra
Que hoje se propaga a toda a terra
Como o outro, este jogo é infinito.

[Jorge Luís Borges, in Poemas Escolhidos, Dom Quixote, Cadernos de Poesias, 1971]

LIVRO DE XADREZ: HISTÓRIA E BIBLIOGRAFIA



" «É um pensamento que não conduz a parte alguma, uma matemática que nada estabelece, uma arte que não lega qualquer obra, uma arquitectura sem matéria; e, apesar disso, o xadrez provou ser mais duradouro, à sua maneira, que os livros ou qualquer outro tipo de monumento. Este jogo singular pertence a todos os povos e a todas as épocas, e ninguém sabe dizer que divindade presenteou a Terra com ele para matar o tédio, aguçar o espírito e estimular a alma». São palavras de Stefan Zweig e que nos colocam perante um problema ainda não resolvido, e que porventura o não será nunca: o da origem do xadrez.

Tudo leva a crer que a sua origem milenar está associado à magia e a práticas invocatórias. O teósofo H. S. Olcott, referindo-se aos habitantes da Atlântida, o hipotético continente perdido, refere que eles preenchiam os seus ócios manipulando uns pequenos símbolos com funções diferenciadas, os quais ocupavam um lugar cabalístico com oito faculdades, que percorriam segundo determinadas normas. Júlio Ganzo, um grande escritor espanhol de temas escaquísticos, quer ver nesta passagem a alusão a um autêntico jogo de xadrez, naturalmente adaptado ao ocultismo ambiental da época. Seja como for, a crença mais generalizada é que o jogo-ciência tem a sua origem na Índia, num jogo (chaturanga) praticado com 32 peças sobre um tabuleiro de 64 casas e em que participam simultaneamente quatro jogadores, cada um dispondo de um rajá, um elefante, um cavalo, um barco e quatro peões (...)

Ainda que em numerosas obras da Antiguidade encontremos referências aos diversos jogos precursões do moderno xadrez, só com a Alta Idade Média nos aparecem aqueles a que poderemos chamar os primeiros livros dedicados a este jogo: «Libat Alshatraj» («Livro de Xadrez»), de Al'Adli, por volta de 800; «Coisas Elegantes acerca do Xadrez», de Abrasi, em 850; «Livro de Xadrez: Primeiro Trabalho e Segundo Trabalho», de Alculi, em 905. Devemo-los aos Árabes, que terão aprendido a jogar com os Persas (por sua vez iniciados pelos Indianos) e exerceram posteriormente a sua influência na Península Ibérica.

(...) o xadrez foi introduzido entre nós pelos árabes, sabe-se que durante a 1ª e a 2ª dinastia ele era aqui muito prezado. Ao acaso das crónicas, descobrimos que D. Martim Sanches (filho do Rei D. Sancho I) jogava o acedreche com a Rainha D. Mécia. Garcia de Resende revela-nos que D. João II o praticava em viagem. D. Manuel I mandou de presente ao Preste João uma tapeçaria em que figuravam dois homens e duas mulheres jogando xadrez.

Não é impunemente que alguns historiadores referem uma época em que «os maiores jogadores de xadrez eram portugueses e espanhóis, por ser a Ibérica a terra clássica desse recreio». E foi justamente na Península Ibérica que se iniciou, em finais do século XV, a transformação estrutural do xadrez que o levou à forma por que nós hoje o jogamos. A pedra de toque dessa transformação foi um livro publicado em 1497 em Salamanca: «Repetición de amores e arte de axedres com CL juegos de partido», de Juan Lucena. Em 1512, um português, o boticário Damião, edita em Roma o «Libro da Imparare giocare a Sachi». (...) por volta de meados do século XVI, assistimos à instauração do roque tal como o praticamos na actualidade e à publicação do «Libro de la invención liberal y arte del juego del Axedrez», de Ruy-López de Segura, considerado o criador da teoria do xadrez ... “

[O Livro de Xadrez, in Notícias do Livro, nº 1, Editorial de Notícias, Novembro de 1978. Director Maximino Gonçalves]

segunda-feira, 20 de outubro de 2003

MERCEARIA FERREIRA LEITE OU "E TUDO O DEFICIT LEVOU"


No tempo em que se estudava economia política, tudo era simples: os modelos macroeconómicos (ou modelos de equilíbrio geral) existiam, confirmavam-se ou não, mas eram "reais" porque, tão só, simplesmente existiam. Era sublime o opinioso protestatório dum monetarista, de uma qualquer geração, contra a cartilha keynesiana. Ou as batalhas intermináveis entre os neo-keynesianos e neoclássicos, com neo-marxistas e sraffianos sempre atentos e participativos. Como era doce a confusão em torno da "teoria monetária" ou sobre a "teoria do ciclo económico".

Hoje, subitamente, estamos em tempos de desconstrução teorética. Numa mundialização e globalização que tudo alterou, com a chegada ao debate de gente de várias matrizes - de economistas a escritores, de poetas a agricultores, jornalistas e bloguistas - a politica económica torna-se numa incontornável narrativa, de fracassos e êxitos que a (des)legitimam, com uma pluralidade de jogos de linguagem, onde por vezes o narrador - como nos diz Lyotard - é ele mesmo o herói da narrativa. Coisa estranha essa, mas só assim se entende o que dizia Ferreira Leite na oposição ["Não se pode aceitar a venda de património, mesmo que essa opção seja correcta sob todos os pontos de vista, se a receita que daí advém se destinar ao pagamento de despesas correntes. Se o Governo o fizesse seria uma enorme irresponsabilidade, por que sabia que estava a obter receita que não mais se repetia para poder fazer despesas que se repetirão todos os anos"] e o que faz e pratica agora, como ministra. Ou de como se governa na Mercearia Ferreira Leite com esse extraordinário slogan (do gaélico "Scluagh-chairm") do deficit, que é muito mais um grito de guerra provinciano que uma medida de politica orçamental (que lhe perdoe o prof. Cavaco).

Que modelo usa Ferreira Leite na mercearia económica? Para além da utilização da esferográfica, para o deve e haver, mais nada. Suspeita-se que, por patriotismo, nunca se pensou em tal, muito embora seja dito por um naipe de curiosos economistas - caso desse assombroso Nogueira Leite, do esforçado Carrapatoso, ou desse inolvidável Carp, de boa memoria - que existe sim senhor, que eles sozinhos ou em grupo excursionista já lhe puseram os olhos em cima e, num acto de pura modéstia, até nos disseram que se trata de um modelo assente nas exportações, que arrastaria a economia portuguesa para patamares invejáveis de crescimento e bem estar. Daí que na Mercearia Ferreira Leite, fiel à máxima fiat iustitia pereat mundus (em honra do deficit), se encontrem sentados, um ror de economistas e jornalistas em amena cavaqueira esperando a retoma, enquanto lá fora, nos passeios, os indígenas comentam que "e tudo o deficit levou". Serão imprudentes, por acaso?


Até quando Ferro Rodrigues?

O país está excelente. O governo desgoverna à sua maneira, em meritória acção pedagógica, enquanto a oposição desapareceu de vez. Minto, ficou o jovem Louçã, e ainda bem, senão seria prudente fechar o país e assinar de cruz essa Constituição Europeia de que muito se fala (parece que o prof. Barreto fez mea culpa sobre o assunto, mas não se entende bem o porquê da excitação). E, mesmo assim, ainda é de pensar duas vezes no assunto. Ferro Rodrigues está agrilhoado, de vez, aos desenvolvimentos do caso Casa Pia e nada pode fazer, dado a pressão mediática. O PS, por arrasto, desaparece da cena politica e é inútil lutar contra isso. Está tudo dependente desse sinistro caso, dado até as ultimas intervenções histriónicas havidas em sede do Parlamento. Portanto, nem o Ferro Rodrigues pode sair, nem ninguém estará interessado a herdar esse seu fa(r)do. Não conseguindo passar à opinião pública a teoria da urdidura politica (o que pode provar, afinal, que as cunhas politicas rosa não funcionam), deixando-se envolver em registos afectivos imprudentes, numa estratégia sinuosa que ninguém entendeu, Ferro Rodrigues e o PS estão condenados a restar na espera. A não ser que, num esforço colectivo, se procure dar uma resposta firme e credível, utilizando métodos democráticos e legais, ao lento degenerar da situação politica. Até porque a crise económica e social existente, aliada à crise de desconfiança face às instituições (Tribunais, Parlamento, Partidos, etc.) que se manifesta em força, está a levar os cidadãos deste país a uma "depressão" que tudo contamina. Não se pode esperar muito mais, porque as suspeitas matam qualquer conversa/debate público ou privado. E o exercício da cidadania vai se consumindo na fogueira do tempo presente. O que é perigoso e fatal.

domingo, 19 de outubro de 2003

JOAQUIM MARTINS DE CARVALHO


Joaquim Martins de Carvalho [1822-1898]

Morre em Coimbra - 18 de Outubro de 1898

Joaquim Martins de Carvalho nasceu em Coimbra, frequentou aulas de latim nos jesuítas, fez parte do movimento da "Maria da Fonte" (1846), tendo por isso sido preso e levado de Coimbra para a Figueira da Foz e daí, num barco, para o Limoeiro em Lisboa. Foi um notável jornalista, talvez o mais admirável do seu tempo, colaborou no Liberal do Mondego, Observador (de que, posteriormente, foi proprietário) e principalmente nesse incontornável jornal, O Conimbricense [nº 1, 24 de Janeiro de 1854, ao nº 6230, de 31 de Agosto de 1907]. "Não tendo ele sido verdadeiramente um escritor, na acepção estilística do termo, foi um jornalista ardoroso e intemerato, arrostando tão corajosamente os perigos como afrontava sobranceiramente chufas e arruaças, em luta permanente contra tudo e contra todos pelo Progresso, pela Ordem e pela Verdade." [José Pinto Loureiro, in Índice Ideográfico de O Conimbricense, Coimbra, 1953]

"... A collecção do Conimbricense, escripto da primeira columma à última por Martins de Carvalho, é um repositório interessante da nossa historia pátria, em que o fallecido jornalista era aprofundadíssimo e excavador extremado de factos históricos ..." [Portugal Moderno, Rio de Janeiro, 1901]

"É preciosa a collecção do Conimbricense. Mais vasto repositório de história não é possível encontrar-se em nenhum jornal politico dos muitos que se tem publicado no paiz. É um arquivo inestimável de factos e documentos valiosíssimos, uma bússola indispensável a todos os cavouqueiros da história pátria. Quando mais não seja a história contemporânea de Portugal não pode fazer-se com segurança sem a consulta previa da collecção do Conimbricense ..." [Marques Gomes, in O Conimbricense e a História Contemporânea. Publicação comemorativa do 50º aniversario do nosso mesmo jornal, Aveiro, 1897]

De facto, como se pode ler pelo Índice Ideográfico de O Conimbricense (sob direcção de Pinto Loureiro), a vastidão e a importância dos assuntos publicados no jornal ao longo dos anos, faz dele uma fonte inultrapassável sobre os acontecimentos económicos, políticos, sociais e literários de finais do século XIX. São curiosas e estimadas as referências sobre Garrett, Arqueologia, Lutas Académicas, Bibliografia e Bibliofilia, Jornalismo, Cabralismo, Costumes, Duelos, Tauromaquia, Teatro, Tipografia, Viticultura, Eleições, Epistografia, Évora, Manuel Fernandes Tomás, Freire de Andrade, Guerra Peninsular, Herculano, Iberismo, Índia Portuguesa, Lisboa, Macau, José Agostinho de Macedo, Mosteiros, Mutualismo, Operariado, Marquês de Pombal, etc .

Absolutamente notável as inúmeras e preciosas referências que se dispõe sobre Coimbra, Inquisição, Ordens Religiosas, Invasões Francesas, Lutas Liberais, Miguelismo, Jesuítas, Maçonaria e Carbonária, Sociedades Secretas (como S. Miguel da Ala). Diga-se, que o próprio Martins de Carvalho pertenceu à Carbonária Lusitana de Coimbra (1848), ao que se julga fundada pelo Padre António Maria da Costa e dissolvida em 1850, e que foi diferente da denominada Carbonária Portuguesa (1896/7 ?), de origem académica, do maçon (Loja Montanha) Luz de Almeida, Machado de Santos, etc., que aparece mais tarde, e que não se pode confundir com a denominada Carbonária Lusitana, de pendor anarquista - daí ser conhecida pela Carbonária dos Anarquistas - muito sigilosa, a que pertenceram os anarquistas José do Vale, Ribeiro de Azevedo, entre outros [vidé a Carbonária em Portugal, por António Ventura, Museu Republica e Resistência, 1999].

Ao longo da sua vida, Joaquim Martins de Carvalho, fundou ou pertenceu a inúmeras Sociedades: fez parte da Loja Maçónica de Coimbra, Pátria e Caridade (1852-53), fundou a Sociedade de Instrução dos Operários (1851), o Montepio Conimbricense, Associação Comercial de Coimbra, Sociedade Protectora dos Animais, Sociedade de Geografia, Associação dos Arqueólogos Portugueses, Voz do Operário, etc. Refira-se que a sua livraria era extraordinária, com um conjunto raríssimo de jornais, revistas e publicações várias, sendo que o seu leilão foi um dos acontecimentos mais excepcionais entre os bibliófilos portugueses.

Algumas Obras: Apontamentos para a Historia Contemporânea, Imp. da Univ., 1868 / Novos apontamentos para a História contemporânea os assassinos da Beira, Imp. Univ., 1890 / A Nossa Aliada! Artigos publicados pelo redactor do Conimbricense, Porto, 1883 / Homenagem a Joaquim Martins de Carvalho, Typ. Operaria, 1889 / O Retrato de Venus. Edição Comemorativa do nascimentos de Garrett, Coimbra, 1899 / Os assassinos da Beira, Coimbra, 1922 / Catálogo da ... livraria que pertenceu ... a Joaquim Martins de Carvalho e ... Francisco Augusto Martins de Carvalho, Imp. da Univ., 1923 / Apontamentos aos "apontamentos para a história contemporânea", Coimbra, 1966.

sexta-feira, 17 de outubro de 2003

[A HORA]

 
[A Hora]

"A Hora, a derradeira hora do tempo, aquela onde não há literalmente nem rei nem lei, nem paz nem guerra, nem se sabe o que é mal nem o que é bem, não está, como finisterra, longe. A manhã levou já o seu zénite, e a tarde há-de trazer o seu nadir. Tudo o que nos resta é esperar pelo nevoeiro, esse tempo emblemático e alheio onde se acaba o tempo e se diluem as coisas, como síntese adequada que é de tudo o que existe. Ocultámo-nos no sol e revelar-nos-emos na sombra

Neste trânsito para a consumação final dos séculos, uma única coisa interessa reter : a morte de Portugal. Existir é ser finito, morrer é devir infinito. A morte é que prolonga sem limites a vida. Hoje, depois do mar perdido e do Império desfeito, a morte de Portugal é aquilo que falta na verdade cumprir. Façamos fé. Depois dela nada no mundo será, pela primeira vez, como dantes"

[António Cândido Franco, in Panfleto Contra Portugal, Ed. Arauto & Jorge Cabrita, 1989]

O PARACLETIANISMO E O QUINTO IMPÉRIO


[O Paracletianismo e o Quinto Império]

"O Paracletianismo, doutrina filosófica formada a partir da interpretação dos textos bíblicos, no ponto em que se anuncia a vinda do Espírito Santo, o assistente congregador de uma nova era, a quinta, segundo a letra do Livro de Daniel (II, 44 e VII, 9), representa-se actualmente em Portugal pela voz profética de Raul Leal (...) É na Águia e no Orpheu que se adivinham os prenúncios desse renovo de forças genuinamente portuguesas, embora só mais tarde se realizem literariamente as contribuições para a gradação messiânica de um entendimento de historia pátria como fulcro de atenção temporal da nova idade. Os exemplos de Fernando Pessoa, na Mensagem, de Ferreira Gomes, no Quinto Império, de Duarte de Viveiros, na Obra Poética (...), e Raul Leal, no Anthéchrist et la Gloire du Saint Espirit, para lembrar apenas alguns dos nomes mais proeminentes, voltados para o messianismo português, são a prova flagrante do cuidado posto na reabilitação de ideias entre nós não envelhecidas.

(...) Fundamentalmente , a base do Sebastianismo de Pessoa era a interpretação medieval do texto bíblico, a ideia do translatio imperial que é a primeira evidencia da filosofia politica do Quinto Império. E, na comunhão unitária da translatio com as revelações da astrologia, do exemplarismo, das profecias sebásticas, está, com exactidão, o porquê da superioridade universalista da obra de Raul Leal ou Fernando Pessoa sobre incipientes balbucios de patriotismo, que formam a literatura sebástica dos séculos XVII, XVIII, XIX e XX.

Ora, partindo da verificação desta estrutura mental, aceitando, com premissas do Paracletianismo, tais dados filosóficos, explicar-se-à a filiação do Messianismo português (...) realce de uma verdadeira plêiade de construtores do Quinto Império, assim escalonada cronologicamente em Portugal: Bandarra, D. João de Castro, Padre António Vieira, D. Francisco Manuel de Melo, António Pereira de Figueiredo, Oliveira Martins, Sampaio Bruno, Fernando Pessoa, Ferreira Gomes e Duarte Viveiros - selecção que, recentemente, em estudo antológico sobre o Quinto Império, me pareceu a mais acertada, entre os autores não vivos.

O caso especifico de Raul Leal, sedutora amostra de compreensão do Paracletianismo, tem, sobre todos os outros escritores portugueses, a superioridade original da sua não filiação directa, imediata, no tradicionalismo sebástico - o que o aproxima, naturalmente, da obra quinto-imperial de alguns autores estrangeiros, como Papini ou Bloy. Recorde-se, a propósito, a extraordinária aceitação que as ideias de Império futuro, de translatio imperial, de Paracletianismo, de Império ideal, obra de alquimia, de Unidade, tiveram em autores como S. Agostinho, S. Bernardo, Joaquim de Flora, S. Boaventura, Raimundo Lúlio, Dante, Margílio Ficino, Pico delle Mirandola, Paracelso, Nostradamus, Bobeme, Goethe, Kleist, etc. ..."

[Artur Anselmo, in Diário da Manhã, 12/11/1960]

quinta-feira, 16 de outubro de 2003

BARBEIROS E SANGRADORES


 
[Barbeiros e Sangradores]

"In illo tempore, naqueles tempos quem sangrava os humanos era o barbeiro-sangrador, mas tinha de registar na câmara a sua carta e esta só a podia obter em Lisboa depois de examinado e aprovado pelo cirurgião-mór. Falta ao barbeiro sangrador ainda uma condição importante, conhecer bem e sujeitar-se inteiramente ao Regimento da sua arte.

O de Coimbra sumiu-se, mas existe o de Lisboa, publicado com outros pelo professor Virgílio Correia. Segundo nele se lê, todo o barbeiro sangrador tem de possuir no seu arsenal ... cirúrgico duas lancêtas estreitas para os meses de Verão e duas largas para os de Inverno; um espinho de lanceta; um sarjador para sarjar e sarrafar, sem ponta; uns pós restrictivos para estancar «qualquer fluxo de sangue»; duas ventosas muito pequenas para o pescoço, duas meãs, duas grandes e uma muito grande composta para barriga. Sobretudo, que não sangre sem indicação médica, mesmo que o doente o peça.

Abusou-se da sangria; Gil Vicente meteu-a a ridículo e mais tarde Molière troçou-a a bom troçar. Sangrava-se para se curar, sangrava-se para se prevenir a doença e até se sangrava para se manter a saúde: sangrar-se em saúde é daí que vem. Era o delírio vermelho (...) a nossa Câmara entendeu, honra lhe seja, que devia pôr um freio aos desmandos, obrigando sob pesada multa os barbeiros a só sangrarem sob autorização clínica e a recolherem o sangue não em malgas, mas em tijelinhas, para não excederem «as onças prescritas pelo medico.»

«Nesta câmara (6 de Março de 1574) se praticou que era grande prejuízo para a saúde, os barbeiros e sangradores, que sangram, tomarem o sangue dos doentes e das pessoas que se querem sangrar, em malgas grandes, com o que podem mal saber a quantidade das onças, que os médicos mandam tirar, pelo que acordaram e mandaram que nenhuma pessoa que sangrar, sangre senão por conselho do medico e será obrigado a trazer tijelinhas em que o tire e não em malgas grandes, nem outras vazilhas, sob pena de quem o contrario fizer, pagar 2.000 rs., a metade para esta cidade e a outra para quem os acusar. Pêro Cabral» (...)

Resta-nos saber como era redigida a carta de barbeiro sangrador. Ei-la:

«Gaspar da Costa cirurgião mor del rei nosso senhor etc faço saber a todos los correjedores autoridades juízes justiças oficiais e pessoas a que esta minha carta for mostrada e o conhecimento dela com direito pertencer que eu dou logar e licença a Francisco Rodrigues morador em a cidade de Coimbra filho de Francisco Rodrigues que ele possa sangrar sarrafar tirar dentes lançar ventosas por todos estes reinos e senhorios porquanto o examinei e achei auto e suficiente para usar do que dito é e portanto requeiro às ditas justiças da parte do dito senhor que por o dito Francisco Rodrigues asi usar do que dito é o não prendam nem mandem prender nem lhe consintam ser feito nenhum desaguisado nem em razão antes livremente o deixem usar do dito oficio de sangrador como dito é e assim o dito Francisco Rodrigues não sangrará pessoa alguma sem mandato do mestre sob pena de dous marcos de prata. Antº Borges; pg 50 rs. A qual foi apresentada em Câmara aos oficiais dela aos 16 de Julho de 1574»

[A. Da Rocha Brito, in Gazeta de Coimbra, 30/03/1944 ?]

OSCAR WILDE [1854-1900]



Oscar Wilde [1854-1900]

n. 16 de Outubro de 1854

"... Una de las principales causas del carácter singularmente vulgar de casi toda la literatura contemporánea es, indudablemente la decadencia de la mentira, considerada como arte, como ciencia y como placer social. Los antiguos historiadores nos presentaban ficciones deliciosas en formas de hechos; el novelista moderno nos presenta hechos estúpidos a guisa de ficciones (...) Sería difícil calcular la extensión de los daños causados a la literatura por ese falso ideal de nuestra época. Las gentes hablan con ligereza del "mentiroso nato" igual que del "poeta nato". Pero en ambos casos se equivocan. La mentira y la poesía son artes - artes que, como observó Platón, no dejan de tener relaciones mutuas -, y que requieren el más atento estudio, el fervor más desinteresado. Poseen, en efecto, su técnica, igual que las artes más materiales de la pintura y de la escritura tienen sus secretos sutiles de forma y de color, sus manipulaciones, sus métodos estudiados. Así como se conoce al poeta por su bella musicalidad, de igual modo se reconoce al mentiroso en ricas articulaciones rítmicas, y en ningún caso la inspiración fortuita del momento podría bastar. En esto, como en todo, la práctica debe preceder a la perfección ..."

[Oscar Wilde, in The Decay of Lying]

quarta-feira, 15 de outubro de 2003

CATÁLOGO 62 DA LIVRARIA BIZANTINA, OUTUBRO 2003


Acaba de sair o novíssimo catalogo (nº 62) da Livraria Bizantina, agora em novas instalações (antiga Loja das Colecções), apresentando 474 peças há muito esgotadas e a um preço convidativo, o que é de salientar nos dias que correm.

Algumas referências: Sidónio na Lenda, por António de Albuquerque, 1922 / A Sombra de Maquiavel e a Ética Tradicional Portuguesa, Martim de Albuquerque, 1974 / Tempos Antigos e Tempos Medievais da Vila de Soza, de José António de Almeida, 1949 / Compendio de Chorographia de Portugal, por José de Sousa Amado, 1864 / Historia dos Methodos de Ensino da Linguagem em Portugal desde Castilho, pelo Abade d'Arcozelo, 1886 / O Integralismo Lusitano, de Leão Ramos Ascensão / Legitimidade da exaltação do muito alto, e muito poderosos Rei, o Senhor D. Miguel Primeiro, ao Throno de Portugal ..., por Filippe Neri Soares de Avelar, 1828 / Memoria Histórica sobre a Fundação da Sé de Évora e suas Antiguidades, pelo A. Francisco Barata, 1903 / Monografia de Salvaterra do Extremo, de J. D. Bagão, 1945 / Historia geral dos Adágios Portugueses, de Ladislau Batalha, 1924 / O Século e o Clero, por João Bonança, 1900 / Historia da Literatura Portuguesa, de Theofilo Braga, 1909 / Os Nativos na Economia Africana, de Marcello Caetano, 1954 / Camilo Contra-Revolucionário, por Fernando Campos, 1925 / Joaquim Martins de Carvalho - Apontamentos Biográficos, por Alberto Martins de Carvalho, 1924 / Primeiro Ensaio sobre a Historia Litteraria de Portugal ... desde a sua mais Remota origem até ao presente Tempo, de Francisco Freire de Carvalho, 1845 / Manual do Viajante em Portugal, de Mendonça da Costa, 1924 / Discursos e Poesias Fúnebres ... Recitados a 27 de Novembro de 1822 em ... na Morte de Manoel Fernandes Thomaz, Primeiro Regenerador da Pátria, Lisboa, 1823 / Guesto Ansures - Quadros da Vida Neo-Gothica, Seguido de Apontamentos Archeologicos, pelo Visconde de Figanière, 1883 / Os Grandes Males, de Thomaz da Fonseca, 1903 / Memoria Acerca da Livraria dos Herdeiros do Bispo do Porto, D. João de Magalhães e Avelar, vendida ao Estado, por Thomaz Izidoro da Silva Freire, Lisboa, 1846 / Théosophisme, de René Guénon, Paris, 1921 / Primeiro Esboço duma Biblioteca Musical Portuguesa, por Bertino Daciano R. S. Guimarães, 1947 / Viagem à Serra da Estrela - Guia do Excursionista, do Alpinista e do Tuberculoso, de António do Prado Souza, 1908 / Dez Sonetos, de Gomes Leal, 1913 / Locuções e Modos de Dizer usados na província da Beira Alta, de José da Fonseca Lebre, 1924 / As Doutrinas Económicas de Karl Marx, por A. A. Pires de Lima, 1900 / Doceira Brazileira, ou Nova Guia Manual para se fazerem todas as qualidades de doces, por Constança Oliva Lima, Rio de Janeiro, 1899 / Loja de Óculos Políticos. Fantazia Moral ou Invectiva, pela qual o cortezão pode comprar e escolher os de melhor gosto, Lisboa, 1819 / Biographia do Padre José Agostinho de Macedo, por Joaquim Lopes Carreira de Mello, Porto, 1854 / Memorias sobre as colónias de Portugal situadas na Costa Occidental d'Africa, mandada ao Governo pelo ... António de Saldanha da Gama em 1814, Pariz, 1839 / A Casa Loulé e as suas Alianças, por Dom Filipe Folque de Mendonça, 1995 / A Vida Sexual, por Egas Moniz, s/d / Estudos Eborenses - Loios, por Gabriel Pereira, 1886 / D. Cristóbal Colom, ou Syman Palha - Na Historia e na Cabala, por Pestana Júnior, 1928 / Nacionalidade Portuguesa de Cristovam Colombo, de Patrocínio Ribeiro, 1927 / Tomar e a sua Judiaria, por Santos Simões, 1943 / A Troca e o seu Mecanismo, de Marnoco e Sousa, 1904 / A Saudade Portuguesa, de Carolina Michaelis de Vasconcelos, 1914 / Estudo Ethnographico a propósito da ornamentação dos jugos e cangas dos bois nas províncias portuguezas do Douro e Minho, por J. Leite de Vasconcelos, 1881 / Origem e Evolução Histórica de Beja, de Abel Viana, 1944 / O Spiritismo - Ilha Encoberta e Sebastianismo, pelo Padre Conceição Vieira, 1884.

MANUEL DA FONSECA [1911-1993]


 
Manuel da Fonseca [1911-1993]

n. 15 de Outubro de 1911

Nasce em Santiago de Cacém, onde faz a instrução primária e depois de passar por Setúbal vai para Lisboa, onde frequenta o Liceu Camões, matriculando-se mais tarde em Belas Artes, que abandona. Foi "caixeiro-viajante de papéis químicos", trabalhou numa drogaria, foi boxeur e outras mais coisas, colaborou em jornais e revistas literárias, como O Diabo, Altitude, O Pensamento, Afinidades, Árvore, Vértice, Sol Nascente, Seara Nova, jornal Republica, Diário Popular, O Diário, fez parte do Novo Cancioneiro, integrou o chamado movimento neo-realista. "Poeta, romancista, contista e cronista, toda a sua obra é atravessada pelo Alentejo e o seu povo." Morre a 11 de Março de 1993.

"... Estreita, asselvajada ou espelhando luaceiros de ternura e sorrisos, a minha área desbravo-a eu, à conversa, diante de raros amigos, como quem, lá de quando em quando, se entretém a desfazer mistérios ..." [Manuel da Fonseca]

Algumas Obras: Rosa dos Ventos (poemas), Imprensa Baroeth, Lisboa, 1940 / Planície (poemas), Portugália, 1942 / Aldeia Nova (contos), Portugália, 1942 / Cerromaior (romance), Editorial Inquérito, 1943 /O Fogo e as Cinzas (contos), 1951/ A noite, o dia, um rio, Porto, 1956 / Seara de Vento (romance), Atlântida, 1958 / Poemas Completos, 1958 /Um Anjo no Trapézio (novela e contos), Prelo, 1968 / Mataram a Tuna?, Itau, 1971 / Tempo de Solidão (contos),1973 / Antologia Poética, Diabril, 1976 / Crónicas Algarvias (crónicas), 1986 / À Lareira, nos fundos da casa onde o retorta tem o café, Caminho, 2000 / O vagabundo na cidade, Caminho, 2001.

terça-feira, 14 de outubro de 2003

[PRECISAMOS DE TI, COHN-BENDIT]




" Porque somos alimentados e dessedentados pela mão todo-poderosa do Estado e fazemos exactamente aquilo que nos mandam.

- Dizem-nos que o governo sabe o que melhor nos convém; as grandes corporações sabem o que melhor nos convém; a BBC, a TV e a Imprensa sabem o que nos convém ouvir; as agências de publicidade sabem aquilo que devemos comprar; os professores sabem aquilo que nos convém aprender; a lei e a ordem são boas para nós porque excluem todo aquele que nos disser que talvez nós próprios saibamos aquilo que nos convém.

- Em retribuição de sermos tão bem tratados, pagamos impostos ao governo para este comprar aviões ruidosos com que os homens de certos organismos nos ensurdecem; pagamos para a BBC, TV e a Imprensa, e concedemos a nossa confiança; pagamos aos publicitários mas estes não precisam da nossa confiança porque não há outra coisa a comprar senão os seus produtos; pagamos para os nossos professores fingindo que eles são todos profundos e sábios; pagamos para a lei e a ordem com dinheiro e obediência, e concordamos em chamar-te «irresponsável». (...)

- Pensamos que devemos as nossas vidas à sociedade e esquecemo-nos de que somos sociedade.
- Tornamo-nos esquecidos com o bem-estar; cegos com o orgulho paroquial; infantis com a obediência; petulantes com a desobediência; ansiosos por uma pensão; ensinados a ser ignorantes. Não gostamos de factos (...)

- Não acreditamos na nossa imprensa mas compramo-la.
- Queremos o que tu queres, mas apoiamos o outro lado.
- Chamamos à violência policial e à violência do Estado ... «violência estudantil», e desculpamo-nos com ela.

- Nós estamos muito, muito assustados".

[Grupo Surrealista em Inglaterra: Ian Breakwell, Alan Burns, Rupert Cracknell, Sophie Kemp, John Lyle, Conroy Maddox, George melly, Peter Rider, John Rudlin, Kem Smith – Maio de 1968, in Textos de Afirmação e de Combate do Movimento Surrealista Mundial, Mário Cesariny, P&R, 1977]

MAS EM QUE PAÍS VIVEMOS!?



No estado actual das "coisas" parece que vivemos num país de loucos. Quando descemos "ao rés-do-chão da actualidade quotidiana" surge-nos um verdadeiro inferno - repleto de maledicências, vil desejos, esgares manhosos - posto a arder por personagens mesquinhas, dissimuladas, insondáveis.

Vivemos na mais amarga das confusões. A "tinta da civilização" estalou de vez. O entretimento destes dias é absolutamente obsceno. Em vão procuramos levantarmos, mas o charco é fundo demais. Não o sabíamos. E desesperamos.

A fala: Portas que soletra a Barroso, que diz a Ferro, que cochicha a Costa, que pede reserva a Pedroso, que insinua do Procurador, que conta ao jornalista, que arremessa Ana Gomes, que intriga Guilherme Silva, que fala do Ministério Público, que tem à perna o CSM, que processa disciplinarmente Conceição, que é ouvida em horário nobre, que faz correr Marques Mendes, que disserta Santana, que vem Namora, que se segue Dulce, que manchete TVI, que confirma o pedo-psiquiatra, que se senta na TV, que considera a Ordem, que discursa o Presidente da República, que comenta o comentarista, que fala o povo ...

Ora bem, "do que não se pode falar - escrevia Wittgenstein - é melhor calar-se". Acreditemos que sim!

segunda-feira, 13 de outubro de 2003

A FIGUEIRA ESTÁ NA MODA



O presidente da Câmara da Figueira da Foz, semanas atrás, indignou-se com a opinião pública figueirense por esta questionar o negócio camarário da venda do terreno da Ponte Galante. Não foi primoroso nem cortês, muito menos fidalgo, quando ameaçou com o tribunal quem ousasse por em dúvida esse extraordinário negócio (conforme salientámos). Ninguém entendeu tais desmandos aos nativos figueirenses. Acontece que neste sábado passado, o jornal O Publico no seu suplemento local, refere que a "PJ investiga negócio entre o grupo Amorim e a Câmara da Figueira". Ao que parece, o Procurador-Geral da Republica considerou pertinente a queixa anónima (que o jornal teve acesso), bem como os documentos em anexo, enviada para Lisboa. A denúncia, pelos vistos, foi considerada procedente e está em investigação. Ainda bem. Deste modo ficará esclarecida a questão que tem ocupado boa parte das conversas das gentes da Figueira (vidé O Palhinhas e o Amicus Ficaria). A ser verdade, poderá ficar mais tranquilo o engenheiro Duarte Silva. E os cidadãos figueirenses agradecem, certamente.

Título de Fim-de-Semana - Expresso: "Portas convoca mancebos". Estamos a ver o rebanho, muito arrumadinho em camionetas, zarpar para a Câmara Municipal de Lisboa, que o Dia da Defesa Nacional oblige! Mais, gostámos de saber que um dos grandes objectivos é "sensibilizar os jovens para a temática". Ou que há almoços grátis (que dirá César das Neves!?). Enfim, em defesa tudo comunica. Inolvidável.

Curtas: "Provem que há corrupção", pergunta, docemente, Luís Guilherme, esse diletante da Comissão de Arbitragem da Liga. António Costa estremeceu, enquanto Martins dos Santos e Lucílio Baptista confessaram não tomar cimbalinos antes dos jogos * A História não absolverá Hermano Saraiva, dizemos nós e o nosso camarada Fumaças confirma. E porquê? Pois o doutor José Hermano Saraiva abichou uma garrafa de Royal Salute 50 Years Old (inf. Expresso) e ainda não nos convidou para a castigar como seria nosso desejo. Tal heresia em torno da rara garrafa de Chivas (255 exemplares) com uma "encadernação" sublime (porcelana azul e o rótulo esculpido em ouro e prata) leva-nos às lágrimas. Quem arranja uma cunha? Pode-se saber!? * Está admiravelmente vivo e recomenda-se: Robert Wyatt e Cuckooland. Nada a fazer, o homem é incorrigível. Nós também!

domingo, 12 de outubro de 2003

LINGUAGEM DOS DEUSES - LINGUAGEM DOS HOMENS



"Tive sempre uma repugnância quasi psychica pelas coisas secretas – intrigas, diplomacia, sociedade secretas, occultismo. Sobretudo me incomodaram sempre estas duas ultimas coisas – a pretensão, que teem certos homens, de que, por entendimentos com Deuses ou Mestres ou Demiurgos, sabem - lá entre elles, exclusos todos nós outros – os grandes segredos que são os caboucos do mundo.

Não posso crer que isso seja assim. Posso crer que alguem o julgue assim. Porque não estará essa gente toda doida, ou illudida? Por serem varios? Mas ha allucinações collectivas.

O que sobretudo me impressiona, nesses mestres e sabedores do invisível é que, quando escrevem para nos contar ou suggerir os seus mysterios, escrevem todos mal. Offende-me o entendimento que um homem seja capaz de dominar o Diabo e não seja capaz de dominar a língua portugueza. Porque há o commercio com os demónios de ser mais fácil para o commercio com a grammatica? Quem, atravez de longos exercícios de attenção ou de vontade, consegue, conforme diz, ter visões astraes, porque não póde, com menor dispendio de uma coisa e de outra, ter a visão da syntaxe? (...) Porque ha de gastar-se toda a energia da alma no estudo da linguagem dos Deuses, e não ha de sobrar um reles bocado, com que se estuda a côr e o rhytmo da linguagem dos homens?"

[Fernando Pessoa, O Livro do Desassossego]

13 DE OUTUBRO DE 1307 - TEMPLÁRIOS SÃO PRESOS EM FRANÇA



13 de Outubro de 1307 - Templários são presos em França

"... Apesar de ainda na véspera o grão-mestre acompanhar o Rei [Filipe O Belo] às exéquias de uma cunhada deste, a notícia da prisão estala como uma bomba a 13 de Outubro de 1307, em que os Templários são presos nas suas comendadorias. Desde então, o Rei promove, através de Nogaret [Guillaume de Nogaret, professor de direito em Montpellier, e Chanceler do Reino] e dos inquisidores dominicanos, a divulgação de acusações contra a Ordem, como heresia, idolatria, sodomia e blasfémia, acompanhadas de um sistema de delações e torturas que pretensamente as confirmavam, descrevendo sacrilégios, ritos iniciáticos ..."

[Jorge de Matos, A Coroa Francesa e o Processo Templário, in jornal «V Império», nº 4, Maio 1991]

"... A Ordem, não consegue escapar ao processo que irá ser montado pelo rei francês. O inquérito por ele levantado, irá durar 7 anos, culminados com a morte de Jacques de Molay, o último Grão-Mestre da Ordem. Condenado à morte pelo fogo, em praça publica, a 18 de Março de 1314 (…) Clemente V, tinha sido o Papa que dois anos antes, mais precisamente a 3 de Abril de 1312, pela Bula Vox in Excelso, submetida ao Concílio de Viena, extinguira a Ordem do Templo, sem se pronunciar, no fim do inquérito, sobre a sua condenação canónica, por certo, devido às irregularidades do processo. O Processo iniciara-se a 13 de Outubro de 1307, em que era determinado a «todas» as Casas da Ordem, em França e no resto da Europa, fossem alvo de um inquérito semelhante e todos os seus bens imediatamente confiscados e que revertessem para as respectivas Coroas europeias ..."

No entanto, o processo dos Templários não vingará em terras portuguesas (...) D. Dinis, unido por forte laços de amizade com o Mestre Templário em Portugal, acedeu elaborar um inquérito, tal como o Papa o ordenara. Mas o inquérito leva o tempo sufuciente, para proporcionar a fuga dos templários para terras do Norte de Africa. Os seus bens passam temporariamente para a Coroa, enquanto D. Dinis se reúne com Fernando IV de Castela e Jaime II de Aragão. Nesse «Concílio», os templários portugueses e espanhóis são declarados inocentes ... [D. Dinis] prepara uma embaixada a Avinhão, encarregada de expor ao Papa João XXII (que em 1316 tinha sucedido a Clemente V) as razões da necessidade portuguesa na criação de uma nova «ordem», uma «santa milícia» ... É assim, que a Ordem do Templo extinta em 1312, por Clemente V, ver-se-á recriada na nova Ordem, por sugestão do rei D. Dinis em 1319, passando a denominar-se Ordem da Milícia de Jesus Cristo ou Ordem de Cristo ..."

[Teresa Mesquitela, A Mística das Descobertas (Portugal Profundo e Encoberto), Tomar, 1989]


"... O que é que permitiu que, em Portugal, a Ordem da Milícia do Templo continuasse a existir coberta pela Ordem da Milícia de Cristo? Este facto é simples: Portugal é a Ordem do Templo até D. Manuel I e desde a sua origem ..." [António Telmo, Historia Secreta de Portugal, Vega, 1977]

"... O silêncio de René Guénon sobre tudo quanto se passou em Portugal, depois da destruição na Europa da Ordem da Milícia do Templo, tem surpreendido e perturbado os raros investigadores que verificaram a relação directa existente entre o que ele escreveu no Rei do Mundo e os descobrimentos marítimos portugueses ... [idem]

"Todos os symbolos e ritos dirigem-se, não á intelligencia discursiva e racional, mas á intelligencia analogica. Por isso não ha absurdo em se dizer que, ainda que se quizesse revelar claramente o occulto, se não poderia revelar, por não haver para elle palavras com que se diga. O symbolo é naturalmente a linguagem das verdades superiores à nossa intelligencia, sendo a palavras naturalmente a linguagem d’aquellas que a nossa intelligencia abrange, pois existe para as abranger" [Fernando Pessoa, in Fernando Pessoa e a Filosofia Hermética (Yvette Centeno), Presença, 1985]

"Em todas as ordens definidas, mas com fundamento occulto, ha a ordem externa e a ordem interna. Assim os Templarios, na data da sua extinção violenta, era Chefe Externo (Grão Mestre) o cavalleiro francez Jacques de Molay, e era Mestre Interno (Mestre do Templo) o cavalleiro escocez Robert de Heredom" [idem]

sexta-feira, 10 de outubro de 2003

JOSÉ ANASTÁCIO DA CUNHA



" ... A livraria do grande geómetra e poeta [José Anastácio da Cunha] foi então arrolada. Na sua estante de pinho, avaliada em 480 réis, alinhavam-se as suas obras de estudo e consulta, obras de matemáticos como Newton, Bessut, Hembert, Shervin, Muller, Lalande, Delacaille, Butler, etc. e obras de literatura que certamente mais interessam a maioria dos leitores. Ei-las: Calepino, avaliado em 2:500 réis; Dicionário Português e Latino, de Pedro José da Fonseca, avaliado em 2:000 réis; as obras do Padre António Vieira, em quinze volumes, avaliadas em 8:000 réis; a Vida do Príncipe D. Theodoro avaliada em 200 réis; as obras de Camões em um volume avaliado em 370 réis; as obras de Homero, O pastor peregrino de Francisco Rodrigues Lobo, avaliada em 720 réis; Teatro de Voltaire; Historia de Portugal, por mr. De La Clede; as obras de Cícero, Virgílio, Ovidio e Tácito; poemas de Milton; Epistolas, de Plínio; Fabulas de Fedro; obras de Rabelais e Molière; Vida de Dom Quixote; Tragedias de Séneca; obras de Suetonio e de Luiz de Gongora; finalmente a Crónica de D. Sancho II, avaliada em 120 réis. Conjuntamente com a livraria que revolveram, lá forma também buscar a sua papelada e dessa apreenderam varas cartas apensas ao processo, algumas das quais de dizeres misteriosos (...)"

[" ... Papeis apreendidos a José Anastácio da Cunha, in Episódios Dramáticos da Inquisição Portuguesa, Vol. II, de António Baião.

José Anastácio da Cunha era poeta e matemático da Universidade de Coimbra, foi denunciado à Inquisição em 17 de Janeiro de 1778 por um tenente de artilharia do Porto. Confessou em auto que lia Voltaire, era partidário do tolerantismo, lia livros proibidos, comia carne "em dias defesos", etc., tendo sido condenado a três anos de reclusão, tendo-lhe sido perdoado o desterro de quatro anos em Évora.

Refira-se que, relativamente aos citados "dizeres misteriosos" salientado por António Baião, é possível que Anastácio da Cunha tenha sido maçon, tendo ocorrido a sua iniciação enquanto esteve aquartelado em Valença do Minho (conforme sugere Raul Rego) ou talvez em Almeida. Ora a carta que é apresentada por António Baião nos Episódios, torna-se importante porque os tais “dizeres misteriosos” não eram mais que “escrita maçónica”, conforme alguns autores. Sobre este caso da filiação maçónica de Anastácio da Cunha com base na recolha de A. Baião, consulte-se o texto de João Pedro Ferro]

ANTÓNIO BAIÃO [1878-1961]


 
António Baião [1878-1961]

O Dr. António Baião (António Eduardo Simões Baião) nasceu em Alqueidão de S. Amaro (Ferreira do Zêzere), a 10 de Outubro de 1878 e morre a 21 de Maio de 1961. Foi bacharel em Direito, historiador e director do Arquivo da Torre do Tombo, bibliófilo, um notável historiógrafo da Inquisição em Portugal, Goa e Brasil, colaborou em jornais e revistas (Archivo Histórico Portuguêz, O Instituto, Boletim da Academia das Ciências, Arquivo de História e Bibliografia, História e Memoria da Academia, Serões).

Algumas Obras: Affonso de Albuquerque, Lisboa, 1013 /Algumas provanças da Torre do Tombo no século XVI, Coimbra, 1916 / A Devassa de 1628 à Inquisição de Coimbra, Coimbra, Imp. da Univ., 1923 (separata) / O Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Lisboa, 1929 / Documentos inéditos sobre João de Barrros ... sobre a família do historiador e seus continuadores ..., Coimbra, Imp. Univ., 1917 (separata) / Elogio Histórico de A. Braacamp Freire, Coimbra, Imp. Univ., 1925 (separata) / Episódios Dramáticos da Inquisição Portuguesa, Porto, Renascença, III vols / Estudos sobre a Inquisição Portuguesa, Coimbra, Imp. Univ., II opúsculos (tiragem de 58 expls) / Herculano, Proprietário de Val de Lobos, s/l, s/d / História Quinhentista (inédita) do Segundo Cerco de Dio, Coimbra, Imp. Univ., 1925 / Homenagem a Camilo no céu centenário, Coimbra, 1925 / A Inquisição de Goa (1569-1630), Coimbra, Imp. da Univ., 1939-1949, II Vols / A Inquisição em Portugal e no Brazil. Subsidios para a sua historia, Lisboa, 1906 / O matemático Pedro Nunes e sua família á luz de documentos inéditos, Coimbra, Imp. Univ., 1915 / O Visconde de Santarém como Guarda-Mor da Torre do Tombo (Additamento), Coimbra, Imp. Univ., 1910 / Fontes para a história do Algarve, Lisboa, Typ. da Gazetta dos Caminhos de Ferro, 1915 / A beleza e a história do concelho de Ferreira do Zêzere : vistas de relance, Ferreira do Zêzere, 1920

quinta-feira, 9 de outubro de 2003

CATÁLOGO DA LIVRARIA ACADÉMICA



 Catálogo de Livros Seleccionados da Livraria Académica, Outubro 2003

Saiu o catálogo nº 203 do Nuno da Académica (Porto), que está disponível on line. Como sempre bem cuidado e justamente apreciado, apresenta peças notáveis que fazem o amador de livros perder a cabeça ... e a bolsa.

Alguma referências: Acordam os do Conselho, e Desembargo de Elrey Nosso Senhor & C. Vistos estes Autos que na forma de Ley e Decreto de sua Magestade ... [Documento sobre o atentado a D. José I] / Memorias Arqueológicas do Distrito de Bragança (Abade de Baçal), 1909-1947, 11 vols / Bibliografia de Textos Medievais Portugueses, Maria A. V. Cintra, 1960 / Constituição Politica do Imperio do Brasil, Lisboa, 1826 (muito rara) / Ad Alexandrvm VII Pont. Max Obelisci Aegyptiaci … , Athanase Kircher, Roma, Typ. Varessi, 1666 (muito raro) / Livro do Cinquentenário da Vida Literária de Ferreira de Castro, Lisboa, 1967 / Catalogo Razonado Biogarfico y Bibliogarfico de Los Autores Portugueses que Escribieron en Castelleno, D. Domingo Garcia Peres, Madrid, 1890 (raro) / A Maçonaria, por Fernando Pessoa (celebre opúsculo sobre o projecto lei de José Cabral), s/d (1ª ed.) / O Romance de Camilo, de Aquilino Ribeiro, Lisboa, 1957 / Os Poemas Possíveis, por José Saramago, Lisboa Portugália, 1966 (c/ dedicatória e um poema manuscrito) / Elucidário das palavras, termos e frases que em Portugal antigamente se usaram e que hoje regularmente se ignoram, por Joaquim de Santa Rosa Viterbo, Porto, 1965, II vols.

HOJE


"E hoje: Redescobrir a mágica estranheza, a singularidade das coisas evidentes" [Álvaro Siza]

O cidadão Paulo Pedroso foi libertado. Entendeu o Tribunal de Relação de Lisboa que as medidas de coacção que lhe eram impostas não se justificavam. Independentemente da existência de um processo judicial em curso e na qual Paulo Pedroso é arguido, o certo é que a legalidade processual penal foi reposta. Por vezes, havia a ideia que o direito à presunção de inocência não estava consagrado constitucionalmente (no que diz respeito aos direitos e liberdades fundamentais e garantias de defesa dos arguidos), como alguns desejariam e desejam, e que o poder judiciário era ou justiceiro ou não existia, mesmo. As massas ignorantes (algumas bem malévolas) formavam (formam) equipas de um lado e outro, de um lado contra o outro, numa manifesta demonstração que a "partidarite" (doença senil do português) está bem acima da defesa do estado democrático. Alguns foram patéticos, pelas afirmações proferidas e pela posição profissional que detêm, esquecendo que primeiro está o cumprimento dos procedimentos em matéria processual, seja em que circunstância for. Agora, tout court, aparecem em grandes arrufos perante o novo cenário. O que é espantoso.
Mesmo assim, e sabendo-se que "amanhã" o juiz de instrução pode continuar a querer ouvir o arguido (e começa tudo de novo), porque o processo não acabou, é evidente que este caso particular revela que nos seus aspectos processuais parece existir alguma inconsistência jurídica ou algum excesso de zelo. Há, de facto, alguma conflitualidade entre a "não-resposta" do TR ao recurso interposto pela defesa de Paulo Pedroso e o teor agora tomado. Que poderá e deverá ser utilizada mais tarde pela defesa em processo de reparação por danos morais e materiais, caso for reconhecida a inocência do cidadão em causa. De novo, a questão é como se pode evitar que situações destas possam ocorrer, ou dito de outra forma, o que é que está mal no sistema, se é que está?

Últimas notas: porque a referida “doença senil” da clubite partidária acometeu em força à blogosfera, sendo que alguns textos contra a corrente são de um mau gosto notável, convém arquivar para a história os excelentes contributos e esclarecimentos do Mata-Mouros que prestou abundante informação (e formação cívica, já agora) sobre tudo isto. Quanto ao clima de "festa" no regresso de Paulo Pedroso em sede do Parlamento (esperando-se que não caia na ratoeira de um regresso rápido), convém pensar que foi como deputado que de lá saiu para interrogatório e posterior detenção. Aqui, sejamos justos, o seu a seu dono.

quarta-feira, 8 de outubro de 2003

POEMA DE MÁRIO CESARINY DE VASCONCELOS



Poema do Encontro de Joachim de Flora com Emmanuel Swedenborg; e de Ambos com William Blake; e de Blake com Dante Gabriel Rossetti.

I am eu sou the immaculate a
Imaculada conception concepção.
The Virgin A Virgen of Lourdes
de Lourdes

I am eu sou the first a primeira and the last e a última
I am eu sou the honored one a venerada and the scor-
ned oane e a execrada
I am eu sou the whore a puta and the holy oane e a
santa
I am eu sou the wife a esposa and the virgin e a virgem
I am eu sou the mother a mãe and the daugther e a filha
I am eu sou the members o clã of my mother da minha mãe
I am eu sou the barren oane a estéril and many e
muitos are hers sons são os seus filhos
I am eu sou she whose wedding aquela cuja núpcia
is great é grande and I have not taken e não a-
ceitou a husband marido
I am eu sou the bride a noiva and e the bridegroom
o noivo
and it is my husband e é meu marido who begot
me quem me gerou
I am eu sou the the mother a mãe of my father
de meu pai and the sister e a irmã of my
husband de meu marido and he is e ele é
my offspning a minha descendência

A Deusa Ishtar
(mais tarde Ísis). Suméria
the Godess Ish-
tar, (later Isis), Sumeria

[Mário Cesariny de Vasconcelos, 89, in Via Latina]

terça-feira, 7 de outubro de 2003

MARTINS DA CRUZ, A DEMISSÃO E OS COMENTARISTAS



"E é tudo - excepto mais confusões" [Ludwig Wittgenstein]

Martins da Cruz demitiu-se. Não deixa qualquer saudade, nenhuma lágrima se derramará por ele. Foi, desde a primeira hora, arrogante e insolente com os seus colegas embaixadores. Senão, que dizer do afastamento do embaixador Francisco Seixas da Costa da vice-presidência da assembleia-geral das Nações Unidas, que cedo revela o carácter do ex-Ministro; e como interpretar a movimentação de mais de trinta embaixadores dos seus locais de trabalho, num tour nunca visto na diplomacia portuguesa, reflectindo mais a personalidade doentia e persecutória do ex-Ministro que as razões funcionais que a podem explicar; ou a transformação do Ministério dos Negócios Estrangeiros numa coutada visando os seus próprios interesses e do grupo que o apoia no governo (vidé a perseguição ao seu colega de partido, João Salgueiro, apenas por ele ter estado no "lado errado" da contenda entre Deus Pinheiro e Durão Barroso, e que foi verdadeiramente inaceitável); e como classificar os comentários "infelizes" e desbragados sobre altos dirigentes de países amigos a propósito da sua capacidade militar, no contexto da questão iraquiana.

De outro modo, a sua governação foi inoperante e ineficaz, bem escudada atrás dessa metáfora de "business centers", e onde a peregrina ideia de uma diplomacia económica nunca passou disso mesmo. Martins da Cruz foi isso tudo, e talvez mais como agora se sabe, mas nunca esteve verdadeiramente debaixo do "fogo" jornalístico. Estes seguem bem a máxima de Patton: "a investigação tal como a diplomacia é a arte do possível". E o possível pode não ser o necessário e o importante, entenda-se.

Por fim, neste obsceno caso das demissões de Pedro Lynce e Martins da Cruz, refira-se o estranho fenómeno do insucesso dos comentaristas. Com honrosas excepções (António José Teixeira, algum Pacheco Pereira e uma fatia do professor Marcelo) quase todos os comentaristas não o foram, no seu exacto sentido. E assim, falharam redondamente nas análises, sendo que os putativos Luís Delgado, Bettencourt Rodrigues (mais o primeiro que o segundo) nunca chegaram a compreender o que se estava a passar. Ou se compreenderam, tentaram com bastante infantilidade configurar um cenário fora da objectividade que se exige a um qualquer comentarista: bom senso político, honestidade intelectual e pragmatismo.

Quanto a Durão Barroso ... o caso segue dentro de momentos. As palavras por si proferidas de apoio a Lynce e a Cruz, a incapacidade de decisão numa situação de melindre político e, principalmente, a falta de coragem na demissão dos dois ministros, desvela que há algo de errado no reino do barrosismo. E pagará, mais tarde ou mais cedo, por isso mesmo. A paciência esgotou-se!