terça-feira, 31 de março de 2009


NENO VASCO

"Acaba de sair a obra de pesquisa histórica, 'Minha Pátria é o Mundo Inteiro' do historiador brasileiro Alexandre Samis sobre o militante anarquista português Neno Vasco (1878-1920), um intelectual que actuou nos meios operários em Portugal e no Brasil com particular importância na imprensa sindicalista da época. Apesar da sua morte prematura destacou-se como um dos mais importantes militantes anarquista da sua época, sendo autor do livro 'A Concepção Anarquista do Sindicalismo'. Neste 90 anos de fundação da CGT e do jornal A Batalha [1919-1934] esta é uma contribuição ao conhecimento da história do anarco-sindicalismo em Portugal" [via Letra Livre]

"Minha Pátria é o Mundo Inteiro. Neno Vasco, o Anarquismo e o Sindicalismo Revolucionário em Dois Mundos", de Alexandre Samis, Lisboa, Letra Livre, 2009

PINTO MONTEIRO

O Procurador-geral da República, animando o debate político, arquivou uma vez mais assunto cuja grandeza (e gravidade) seria motivo de legítimo silêncio. Não resistindo ao vespeiro onde está metido e não sabendo ultrapassar as convulsões por que passa o sistema judiciário luso (de obra e graça do inegável Alberto Costa e seus antecessores), Pinto Monteiro satisfaz-se em esclarecimentos atribulados, num notável esforço de serenar os paroquianos. Jamais o Ministério Público foi tão adubado, como agora. As intervenções turbulentas a que se dedica, julgando alumiar o espírito do Ministério Público e restituir ordem à "casa", enfraquece a própria organização judiciária. Supremo paradoxo que em tudo sugere o sublime dizer do vate Camões:"um fraco rei faz fraca a forte gente".

O comunicado do sr. Procurador-geral da República não faz serenar os espíritos (por muito democrático que seja o patrulheiro Santos Silva), não garante a autonomia dos seus principais intérpretes e muito menos produz segurança aos cidadãos. Mais: a nova cruzada feita, diz muito sobre o estado da justiça em Portugal. Ao ameaçar com processos disciplinares magistrados e demais indivíduos, Pinto Monteiro cai numa trovoada pouco respeitosa. O caminho por que enveredou não é o melhor trilho. Até porque o que a Procuradoria-Geral da República devia esclarecer de vez, em respeito ao estado de direito e aos contribuintes, seriam as razões porque o processo Freeport esteve em banho-maria este tempo todo. E sobre isso não há nenhum tipo de comércio intelectual. Os cidadãos têm todo o direito a saber para onde vão os seus impostos e ao mesmo tempo avaliar o estado da justiça em Portugal. É essa satisfação que Pinto Monteiro não pode declinar. De todo!

domingo, 29 de março de 2009


TARCÍSIO TRINDADE

"Olha para o artista no andaime
A desenhar os frescos da gare marítima
Como se olhasse para uma igreja gótica.

- Menino, que tal lhe parece aí de baixo?

- Mestre, vou deixar a távola e a rima
E embarcar à aventura
Ser Bartolomeu em miniatura
"

[Tarcísio Trindade, "António Tavares de Carvalho em Alcântara a ver trabalhar o Almada", in "Os Meninos e as Quatro Estações", Ed. Panorama, 1960 (aliás ed. fac-sim. da Livraria Campos Trindade, 2008]

Único e curioso livro de poemas publicado por Tarcísio Vazão de Campos e Trindade, ou Tarcísio Trindade, nos tempos idos de 1960 e agora em reimpressão, em justa homenagem, pelos seus filhos. Tarcísio Trindade é um dos mais estimados livreiros-alfarrabistas do país, sendo proprietário da famosa Livraria Campos Trindade (nº44, da Rua do Alecrim, Lisboa), agora dirigida por seu filho Bernardo.

Nascido em 1931, Tarcísio Trindade frequentou a Faculdade de Direito de Lisboa, foi antiquário em Alcobaça e seu Presidente da Câmara, desde 1969 até ao 25 de Abril de 1974. Perfeito gentleman, de rara intuição e cultura, deve-se a ele a "descoberta" [na Feira do Rastro de Madrid, Espanha, segundo o próprio] do precioso incunábulo "Tratado da Confissom" [impresso em Chaves em Agosto de 1489, e que antecipa de seis anos a "entrada da tipografia de língua portuguesa no nosso país", que até então era representado pela Vita Christi, impressa em Lisboa (1495) por Valentim Fernandes], a que se seguiu a sua posterior identificação (1965) pelo então jovem assistente da Universidade de Lisboa, José V. de Pina Martins, e venda [por Tarcísio Trindade e João Pires, em 1965] ao dr. Miguel Quina, tendo depois a Biblioteca Nacional adquirido esse exemplar único da nossa história tipográfica.

Tarcísio Trindade, ao avaliar pelo que nos é dito, tinha anunciado a publicação de uma obra sobre relojoaria antiga portuguesa e inglesa e outros livros de poesia, bem como (sabemos nós), através do estudo de documentos e livros provenientes da sua valiosa biblioteca particular (onde cabe uma preciosa cisterciense), tinha manifestado a vontade de assinar um estudo sobre o Mosteiro de Alcobaça e a Ordem de Cister. Não foi, no entanto, possível tão ardente paixão. Julgamos que a próxima homenagem que lhe for feita (e que será em breve) poderá esclarecer o interesse e a valia dessa entusiástica intenção. Aguardemos.

LIVRARIA MANUEL FERREIRA – 50º ANIVERSÁRIO

Há já alguns dias que recebemos o Catálogo da Livraria Manuel Ferreira, estimado livreiro-antiquário do Porto. Culpa nossa não o ter referenciado. Manuel Ferreira tem lugar primeiro no ofício das letras. A sua dedicação e amor aos livros – de que é um culto e devoto professo – vai mais além que o mero negócio tradicional, que abraçou e nos encanta. Os seus Catálogos, renovando a ilustre tradição bibliográfica lusa, evidenciam um saber pacientemente construído e um trabalho escrupulosamente organizado. Comemorou a sua prestimosa casa o 50º aniversário (1959-2009), servindo-nos com (mais) um admirável Catálogo. Por tudo isso e como testemunho da mais sincera gratidão, parabéns e o nosso obrigado!

quinta-feira, 26 de março de 2009


LEILÃO em PARIS – MOVIMENTO SURREALISTA

Amanhã (dia 27) em Paris (Hotel Drouot, sala 22) vai à praça um importante e valioso Leilão de raros livros, revistas, desenhos, gravuras, fotografias e manuscritos de temática dadaísta e surrealista, verdadeiramente notável e difícil de reunir. Estão representados quase todos os principais autores de referência, nas suas primeiras edições.

Consultar o Catálogo, AQUI.

terça-feira, 24 de março de 2009


LAMÚRIAS & DOR DE CORNO

Com a cultura de rastos, a economia em crise e a política à medida do carácter do sr. Sócrates, o regresso do assunto "futebol" vem mesmo perfeito de oportunidade. Melhor seria impossível! A tribo do futebol – que morre de ternura clubística todas as dias e alienação moral todas as semanas – sugere-nos sempre uma donzela virgem, fazendo beicinho. Mais, sempre sem engenho e muito mostrar de dentes, tem sempre um palavrório à medida da paróquia, principalmente se o assunto mete o seu extraordinário clube. Curiosamente, para o celerado adepto, tanto faz estar à frente do clube o sr. Santos Silva ou a Madre Teresa. Para o caso tento faz! Isso explica bem a qualidade de futebol que temos. E a democracia política onde vamos jogando.

Um clássico nas lamúrias & dor de corno é a rapaziada inenarrável do clube do horto d’Alvalade. Esta semana, levados (com muita oportunidade) pelo incompetente apito de Lucílio Baptista, espalharam um monumento de asneiras, um manguito de factos ridículos, uma opereta bufa.

A oratória desta semana esqueceu, para sempre, todos os casos (e foram muitos) onde o inapto sr. Baptista (e outros) atraiçoou a arbitragem. Esta peculiar dor de corno – muito enérgica, porque o futebol revelado em campo é fracativo – fez aparecer à opinião pública a figura grotesca de Soares Franco, enquanto o pescoço do sr. Pinto da Costa saiu do cepo e o discurso saloio de Filipe Vieira era depurado. A coisa, para estes honrados paroquianos & correligionários, é simples de narrar: um árbitro "ladrão" (versão Paulo Bento) vale mais que um "ladrão" de um banqueiro. Ou de um qualquer administrador de empresa pública. Ou, até mesmo, que o copioso delírio democrático do sr. Santos Silva.

Para o doente do futebol, o sr. Baptista "não tem qualquer tipo de condições para arbitrar em Portugal", mas todas as anteriores criaturas citadas, fazem falta à pátria. Nas próximas eleições (com arbitragem desse génio do apito que é o sr. Cavaco Silva) lá estarão todos a cumprir as regras do jogo. A bem da Nação!

segunda-feira, 23 de março de 2009

domingo, 22 de março de 2009


DON LUCÍLIO BAPTISTA

Teve bem Don Lucílio Baptista em terras do Allgarve. Por um lado, confirmou que, com ele no apito, os caceteiros que se metem com o Glorioso ... levam! Por outro lado, as vicissitudes por que passaram os nobres jogadores do SLB, cansados de serem sarrafeados pela "conversa" de Derlei & Amigos, mereciam um epílogo (literário mesmo, é só ler o que vai para aí nos blogs dos Sporteens) emocionante & chorado. Nunca gargalhámos tanto, desde que o sr. Vitalino Canas apareceu como porta-voz do sr. Sócrates. Parabéns Don Lucílio!

"A los toros
A los toros
A los toros
Derlei mata moros
"

Encantador o refrão popular, ex-quisitamente cantarolado pelo gentio do sr. Pinto da Costa. Até o coloquial FJV (hoje em descanso de hooligan) foi chefe da banda. Não temos nada contra a troletada dos jogadores d’Alvalade. Mas quando um jogo de football é um desastre de bola, de táctica, de arte poética, e passa antes a ser um convite para trombadores, tipo general Derlei e essa cadeira dura que dá ao nome de Pedro Silva, faz falta (à malta) um Don Lucílio. Ôba ... se faz!

Quanto aos jogadores do nosso Glorioso, pois, para além de pensarem que o esférico é quadrado (e com muitas flores), não temos depoimentos a fazer. Apenas dizemos que Quim, cumpriu. Era isso que lhe competia fazer. O mais não era obrigado!

Boa noute!

sábado, 21 de março de 2009


RENÉ CHAR

"Pleurer longtemps solitaire mène à quelque chose"

"En poésie, devenir c'est réconcilier. Le poète ne dit pas la vérité, il la vit; et la vivant, il devient mensonger. Paradoxe des muses, justesse du poème"

"A asa do teu suspiro põe penugem nas folhas. O trago
Do meu amor fecha o teu fruto, bebe-o.

Existo na graça do teu rosto que as minhas trevas cobrem
de alegria.

Como é belo o teu grito que o teu silêncio me dá!
" [d'AQUI]

TRANSPARÊNCIA

"nem pela voz da sombra da memória
nem diante das piteiras e das ilhas
nem sobre os quebra-gelos das vertentes
se deterá um momento o teu olhar
que humedece todos os lugares.
e hás-de seguir assim; os teus bisturis
afiarão as torres e os cumes,
as águas do oceano e as esquinas.
E fincadas tão fundo em tais espelhos
que há-de manar-te neve dos costados"

[Pedro Garcia Cabrera, Transparência Fugada 22, 1934]

CUSPIR O DIA da POESIA

"Juro
não tem auto-crítica
que me tire
as saudades
de uns tiros"

[Alex Polari, 1978]


FADOS LITERÁRIOS


Fados Literarios, de Alexandre O'Neill - por Luís Gaspar

Boa noute!

sexta-feira, 20 de março de 2009


In-Libris – Livros de Março 2009

A In-Libris (Porto) apresenta um lote de livros esgotados e alguns raros de temática variada (monografias, bibliografia, história, literatura, ...)

Referências: Authentic Memoirs Concerning the Portuguese Inquisition, de Archibald Bower, 1761 / Brasil-Holandes, Editora Index. Rio de Janeiro. 1995. 5 vols / Almeida (monografia), por José Vilhena de Carvalho, 1973 / A Granja de Todos os Tempos, de António Paes de Sande e Castro, 1973 / Cancioneiro de Lisboa, de João de Castro Osório, 1956, III vols / Os Judeus em Portugal, de Mendes dos Remédios (ed. fac.), II vols / Os Vales Submarinos Portugueses, de Carlos Freire de Andrade, 1937 / Bibliotheca Lusitana, de Diogo Barbosa Machado, IV vols / Nova Recolha de Provérbios e Outros Lugares Comuns Portugueses, de Fernando Ribeiro de Mello, Afrodite, 1974 / História da República Portuguesa, por Raul Rego, V vols / Obras de Al Berto, Alberto Monsaraz, Alberto de Serpa, Almada Negreiros, Alves Redol, Américo Durão, Ana Hatherly, Antero de Quental, António Botto, António Ferro, António Sérgio, Camões, Cardoso Pires, Carlos de Oliveira, Eduardo Dias, Fernando Pessoa, Ferreira de Castro, Francisco Rodrigues Lobo, Guerra Junqueiro, João Chagas, João Penha, Joaquim Namorado, Jorge de Sena, José Régio, José Rodrigues Miguéis, Luis de Sttau Monteiro, Maria Judite de Carvalho, Natália Correia, Natércia Freire, Papiano Carlos, Pedro Homem de Melo, Ruben A., Ruy Cinatti, Silva Gaio, Teixeira de Pascoaes, Tomás Ribeiro, Tomaz da Fonseca / Revista PORTUCALE, Porto, 1928-66, XXIII vols+4 fasc. (imagem no alto) / Revista PRESENÇA (fac. Em III vols) / Revista Renovação, 1925-26, XXIV numrs / História da Cultura em Portugal, de José António Saraiva, 1950-62, III vols.

A consultar on line.

O TRIUNFO de EDUARDA MAIO

A metamorfose do Estado do sr. Sócrates e da sua Imprensa teve hoje (e aqui) o seu vocabulário mercantil, agora inçado via serviço público da RTP. O inconcebível "anúncio" de "promoção da Antena 1" é uma ária bufa, resfolegando bem à labita de um Santos Silva ou empacotado à medida do piedoso Arons de Carvalho. Não por acaso, no vocabular anúncio entra a voz ronronante de Eduarda Maio, face conhecida do programa "Juiz Decide" e biógrafa romântica do "Menino d’Oiro".

Retratando muito bem o espírito da actual União Nacional, a virtuosa senhora jornalista (?) Eduarda Maio – paga com dinheiro público – observa um horror exibicionista às greves & outras tradições (presumidamente) "comunistas". Não bastava a ar grave & patético do sr. Sócrates ou o autorizado gorjeio do aparecido Correia de Campos (cavalgando argumentos de mau gosto, hoje, na TVI24) contra manifestações e demais reparos públicos, constitucionalmente legislados, como tinha de surgir essa extraordinária senhora patrocinando essa assertiva consumação numa estação pública.

Não há, aqui, nenhuma inconsciência da administração da Antena 1, pois as "ideias criativas" foram aprovadas em sede própria. Dispensa-se qualquer roupagem explicativa, desses senhores. Afinal, o que isto traduz, sem surpresa de maior, é a garantia total dos serviçais do sr. Sócrates em propagandearem his master voice. E de brincarem vergonhosamente com a miséria de muitos.

quarta-feira, 18 de março de 2009


CADERNO DE FILOSOFIA EXTRAVAGANTE

No próximo dia 21 (sábado), pelas 15 horas, na Biblioteca Municipal de Sesimbra, será apresentado o primeiro número dos Cadernos de Filosofia Extravagante.

Colaboram, entre outros, António Telmo, António Carlos Carvalho, Pedro Sinde, Elísio Gala, Pedro Martins, Luis Paixão. [ler toda a colaboração, AQUI]

"A apresentação será feita por três dos colaboradores desta publicação não-periódica da Serra d'Ossa: Luís Paixão, Isabel Xavier e Rodrigo Sobral Cunha.

No dia seguinte, domingo, haverá nova sessão de apresentação, desta vez em Lisboa, na Galeria Matos Ferreira. Terá início às 18 horas, e contará com a participação de António Telmo, Pedro Martins e Renato Epifânio." [ler mais, AQUI]

ALBERTO COSTA

Alberto Costa, então moçoilo da Faculdade de Direito de Lisboa, num texto publicado na revista Movimento (nº1, s.d., edição da secção cultural da AAFDL) e, curiosamente dedicado a Jaime Gama, intitulado "Revolução na Revolução", evidentemente a propósito da saída do livro de [Régis] Debray (1967), em vaidade expandida cataloga as mazelas da "gramática de luta" política de antanho. Os rebentos do foquismo insurreccional (de atestado Castrista) exigiam, pela figura viciosa do praticismo espontaneísta, a atenção do jovem Alberto, então fiel do vocábulo "partido da classe operária". Num texto perfeito de rigor conceptual, o autor rima as regras da táctica e estratégia e está seguro nos escolhos da teoria e da prática, numa "sintaxe revolucionária" exemplar. Bons tempos os do Alberto, ou não fosse ele um provado lamechas teórico.

Esta peregrinação "literária", que para muitos nada dirá mas que para outros fará enxugar algumas lágrimas, diz muito sobre este nosso tempo de pura azia pragmática. Envolto nesta quadra de roupagem liberal, o bom do ilustre paroquiante nunca mais lerá exercícios tão espirituosos. O ex-camarada Costa (Alberto) fechou-se por dentro, implacável, sem teoria ou prática que possa ganhar o céu. Gama (Jaime) está, por sua vez, semi-vivo no seu aparente trabalho de servente da nova Assembleia Nacional. A "gramática de luta" d’hoje tem o surro ideológico do fatito de Augusto Santos Silva (ex-professo pichador de paredes da Invicta) e o gratuito gozo político do artista amestrado José Lello.

A volúpia que estes novos capatazes desfrutam nos intelectuais indígenas, agora vibrantes no seu abrigo universitário (tope-se a plantação feita no ISCTE), é qualidade exclusiva da nova civilização. O ofício dos Silva’s & Lello’s é uma sabedoria pragmática. A humanidade A.S. (antes de Sócrates) findou. Alberto Costa não respira mais. Nós por aqui distraídos!

Inventário de Livros Raros e Desconhecidos - Memória da Escola Portuguesa (do séc. XVIII ao séc. XX)

"Este livro revela-nos o valioso espólio bibliográfico e arquivístico, pouco conhecido ou mesmo ignorado, existente na Secção de Reservados da Escola Superior de Educação de Lisboa. O espólio, que aqui é enumerado, nasceu da fusão dos acervos de três instituições pedagógicas com vasta tradição na Educação e no Ensino em Portugal: a Escola Normal Primária de Lisboa, a Escola do Magistério Primário e, em menor escala, o Instituto António Aurélio da Costa Ferreira. Organizado e catalogado pelo autor, este património, que o presente livro nos dá a conhecer, é constituído por fontes manuscritas, impressas, obras de autores portugueses e estrangeiros, principalmente francesas, datadas do século XVIII ao século XX. Entre as preciosidades reveladas figura o Dicionário Universal de Educação e Ensino, de 1886, traduzido por Camilo Castelo Branco. Com a publicação deste trabalho, os investigadores vão poder reconstituir situações e acontecimentos, conhecer personalidades e compreender momentos relevantes do percurso educativo, pedagógico e cultural português. Um livro que se assume como um contributo para a História da Educação de Portugal" [ler, AQUI]

Inventário de Livros Raros e Desconhecidos - Memória da Escola Portuguesa (do séc. XVIII ao séc. XX), de José Eduardo Moreirinhas Pinheiro, Colibri

domingo, 15 de março de 2009


À NOUS LA LIBERTÉ

[Voice over Singer]: Liberty is the happy man's due / He enjoys love and skies of blue / But then there are some / Who no worse crimes have done / It's the sad story we tell / From a prison cell

Guard: Not at work? Don't you know that...
Factory person: ...work is mandatory. Because work means liberty.

René Clair [1898 - m. 15 de Março 1981]


H.P. LOVECRAFT [m. 15 Março 1937]

"The world is indeed comic, but the joke is on mankind" [H. P. Lovecraft]

LOCAIS: H. P. Lovecraft (1890-1937) / H. P. Lovecraft Archive / The HP Lovecraft Historical Society / The Complete works of H. P. Lovecraft / The H.P. Lovecraft Film Festival / O Mestre do Indizível / An H.P. Lovecraft Anthology‎ (digitalizado)

sexta-feira, 13 de março de 2009


4 ANOS DE INCOMPETÊNCIA, OUTROS TANTOS DE PREPOTÊNCIA

"... o terrorismo mais eficaz é sempre o do Estado: os grupos matam simbolicamente, o Estado estatisticamente" [Alberto Morávia, 1978]

O governo esquizofrénico do sr. Sócrates ladrou alto durante quatro anos. A sua governança, mais que a (urgente) exaltação dos cidadãos em prol do esforço colectivo e autonomia, tornou-se um modelo de ilusionismo político, de irracionalidade estatística e leviandade autoritária. Da pesada herança recebida, o sr. Sócrates (e amigos) acumulou outras mais, ao mesmo tempo que exercitou uma colossal mentira, em espectáculos absolutamente deprimentes.

Ao esforço e dedicação, perda de direitos sociais e restrições cívicas por que os cidadãos passaram todos estes anos, o sr. Sócrates lançou mão de um activismo fossilizado (acompanhe-se as intervenções autoritárias do inenarrável Santos Silva), dissimulado em putativas "reformas", curiosamente da mesma natureza que as tentadas (e nunca permitidas pelo antigo partido socialista) por Durão & Santana. A alucinação do défice (outrora sebento, pelas mãos de Ferreira Leite), a natureza de classe (ou as corporações de interesses) que representa o seu governo e a compleição despótica do seu governo, são marcas espinhosas que perdurarão.

O sr. Sócrates mais que governar o país, "domesticou" (José Gil) a sociedade. E com ele pronunciou a transfiguração do outrora partido socialista, agora transformado em correia de transmissão do grupo de interesses do sr. Sócrates. O Sócrates way of life é um arrazoado ideológico saído do curral do Estado Novo corporativo e onde, reluzentemente, se integram alguns prosistas do anti-fascismo, de momento em trânsito para o "vil metal". Note-se os vitupérios e o desprezo, da parte dos guardiães do templo do sr. Sócrates e sempre com a cumplicidades de conhecidos jornaleiros acofiados, contra a desobediência civil ("direito político fundamental" ou "condição de liberdade") que a dado passo se instalou entre nós e a polémica que então emergiu. Leia-se. O espírito de quartel está todo ali!

Pouco dado ao uso (ou aborrecimento) de explicar qualquer tipo de pensamento político ou ideológico sobre as medidas tomadas, nestes infaustos quatro anos de terror, o sr. Sócrates caiu no modismo herdado via Giddens (conhecido traficante da 3ª via). Mas, sem a gentileza do sábio "mestre", nunca aprendeu as suas regras, só os seus excessos. A questão do papel e peso do Estado, a reforma na Justiça, na Educação e na Saúde, nunca foram pensadas como parte integrante de um qualquer modelo desenvolvimentista, que se conheça. Apenas resultou num total fracasso, que a situação comatosa da justiça, da educação e da saúde confirma. A operacionalização das putativas reformas foram sempre erráticas, ou quanto muito à la carte. Ninguém as entendeu, mesmo se num primeiro momento obtiveram copiosos aplausos de todo o bloco central e um excelente apreço nos media. Por isso, ao fim destes quatro anos de decomposição do Estado Social, o país está exangue, de rastos e sem qualquer remédio. Mas não é o sr. Sócrates o derrotado. Somos todos nós. Vergonhosamente!

JOÃO MESQUITA

Faleceu ontem de manhã, em Lisboa, João Mesquita. Um competente e estimado jornalista, que tantos serviços prestou à sua classe. Um generoso e combativo cidadão. Até sempre, João!

"... Corria o ano de 1971 e é matriculado no Liceu Camões, para fazer o quinto ano (...) fundador do núcleo do Camões do Movimento Associativo do Ensino Secundário de Lisboa (MAESL)..." [ler, AQUI]

"Usava então o cabelo pelo meio das costas (até ao dia 16 de Dezembro de 1973, em que eu [José Manuel Fernandes], ele e mais uns 160 estudantes fomos presos por uma noite ..." [ler, AQUI]

[entre eles o Bernardo (P.A.V.), a Elsa e a Maria da Luz (R. D. Leonor), o João e o Luís (D. Dinis), a Helena (D. Pedro V). Alguns dos (16 dos 146 ou 160?) estudantes foram levados para Caxias. Deu origem a greves, RGA's, ocupações - caso no P.A.V., do ginásio - e expulsões]

"Nascido em Coimbra em 3 de Junho de 1957, João Mesquita foi um empenhado activista nas causas em que acreditou desde a sua juventude, tendo iniciado a profissão em Março de 1979 no jornal Voz do Povo. Trabalhou, depois, no vespertino Notícias da Tarde (1982), onde se destacou como repórter parlamentar, transitando para o Jornal de Notícias (1985) e, posteriormente (1988), para o Semanário, de onde saiu para integrar a Redacção fundadora do Público (1989), tendo permanecido neste jornal até 1993. Trabalhou, depois, no diário As Beiras (até 1994), no semanário Independente e em A Capital, de onde saiu em Março de 2002. Como freelance, manteve colaborações com várias publicações, nomeadamente o semanário Expresso" [ler, AQUI]

Até sempre, João!

[foto, tirada d'AQUI, com a devida vénia]

terça-feira, 10 de março de 2009



84, Charing Cross Road

"The life that I have is all that I have - and the life that I have is yours"

Serão agradável, via canal Hollywood. Miss Hanff disse um dia: "If I live to be very old, all my memories of the glory days will grow vague and confused, till I won't be certain any of it really happened. But the books will be there, on my shelves and in my head - the one enduring reality I can be certain of till the day I die."

Lá fora – entretanto – os indígenas eram acometidos por piedosas paisagens. Ninguém escolhe, com lucidez, a sua própria noite.

sábado, 7 de março de 2009


LETREIRO LICENCIOSO NECESSÁRIO AOS SRS. DEPUTADOS

A regressada Assembleia Nacional tem urgência do uso escorreito da colocação da palavra, do furto da grandeza do vocábulo, do eco da oratória. O acolhimento, na tertúlia parlamentar, que a legenda do insigne deputado Eduardo Martins impiedosamente verberou ao ouvido do sr. Candal (filho) fez - segundo dizem - honras de improvisação. O espectáculo, indiscutivelmente feminino, que a verborreia discursiva do sr. Candal compõe, merece não só uma elocução aperfeiçoada mas exige também uma fonética subsidiária. Em verdade (naquele local) não há oradores negligentes, mas sim devassidão política. O sr. Candal (filho) atrapalha-se nos exercícios práticos de lisonja ao seu patrono. Compreende-se! Mas por isso mesmo deve continuar a esforçar-se para restaurar as letras pátrias. Assunto que o sr. Eduardo Martins - distinto promotor do purismo e concisão da linguagem – solidamente e harmoniosamente observa.

Portanto, para que ao deboche político se junte o dom pessoal no uso do castiço vocabular, os srs. deputados devem ser puros na linguagem e devassos na ideologia. Em bom português, o fraseador político terá de ter qualidades e vícios de estilo que a libertinagem do trabalho não confere. Estamos convencidos que a locução "eu só faço o natural se queres variedades vai ao teatro" [cf. Eduardo Nobre] não tem fundamento e é intolerável.

Por isso, para fazer bom uso da vernaculidade e fugir à banalidade, para deputados estreantes ou com ócio, aqui vos deixamos um reputado letreiro licencioso. Bom trabalho!

Pénis / Pila / Picha - abono de família, apenso, assobio, banana, barambaz, barrote, berimbau, bilharda [corruptela decerto da "bilharda: f. Jogo de rapazes, que consiste em fazer saltar com um pau comprido outro mais pequeno", cf. mestre Cândido Figueiredo], cacete [na acepção de "O rapaz recebeu o cacete e seguiu", cf. Poesia Popular Brasileira], caralho

[usado por Plínio Marcos – curioso dramaturgo falecido em S. Paulo em 1999 – na peça/novela policial "O assassinato do anão do caralho grande", 1996; ou com o mesmo sentido que deriva o poema de Joaquim Pessoa "Ó caralho! Ó caralho! / Isto de a gente sorrir / com os dentes cariados / esta coisa de gritar / sem ter nada na goela /..."; equivalente ao "o enfermeiro que me ajudava repetia Caralho caralho caralho com pronúncia do Norte", saído da pena de António Lobo Antunes, in Cu de Judas; loc. copiosas vezes utilizada na obra "O Meu Pipi" e escusadíssimo quando diz:"Que porra de esquizofrenia é essa, caralho?"],

careca, carocho, chicote-da-barriga, coiso, encomenda, farfanho, flauta-lisa, gaita, gregório, lalau, mandrião, mangalho [loc. pop. que Jorge de Sena usa em Os Grão-Capitães:"puxar por um mangalho"], marsapo, mascoto, mingalho, pechota [diz-se no Norte], pica, picha, piegas, pincel, piroca, pau-barbado, pau-de-leite, pendureza, pissa

[termo registado, ainda, na exuberante obra de Pierre Louys, Manual de Civilidade para Meninas, onde se regista;"Não suspendais pissa postiça nenhuma à cabeceira do vosso leito. Tais instrumentos colocam-se por debaixo do travesseiro", p. 9; do modo cordial, ainda Louys assegura que "cativam-se os homens assim: pondo-lhes um grãozinho de sal na ponta da pissa e chupando-a, depois, até o sal se derreter", p. 30; é erro – diz Louys -, confundir o termo com Teseu; e em bom português não se deve dizer "O que mais gostava de ser era Metelo", cf. Louys, p.19],

porra [de uso esforçado, como filosoficamente Guerra Junqueiro nos serviu n’A Torre de Babel ou a Porra do Soriano, "A porra do Soriano, é um infinito assunto! / Se ela está em Lisboa ou em Coimbra, pergunto? / Onde é que ela começa? / Onde é que ela termina"], puxador, quilé, romão-cego, sardão, solino, surdo, tinoco [não confundir com Tinouco Vieira O Xantho, pseud. José A. X. Coutinho, que escreveu a insigne obra, "Freio métrico para os novatos de Coimbra em oito oitavas", 1749, cf. Dic. Pseudónimos de Albino Lapa], tangalho, trincalho, verga, vergalho (ou finório, Alberto Bessa), zezinho, faro (cf. Artur Bívar), galinha (cf. Alberto Bessa), camarão pequeno (cf. Cândido de Figueiredo)

[retirado do Dicionário Expressões Populares Portuguesas, de Guilherme Augusto Simões, P&R, 1984]

domingo, 1 de março de 2009


VITAL MOREIRA, FUTEBOL & APAGÕES

Vital Moreira é profissionalmente correcto, culturalmente estimado, pacificamente democrata, mas politicamente imprudente. Ao aceitar ser cabeça de lista pelo partido do sr. Sócrates ao Parlamento Europeu, além de entrar (definitivamente) no inner circle dos seus duvidosos amigos, não faz mais que dar "cobertura científica ao reaccionarismo" [cf. Vital Moreira, Vértice, 1979, nº416] e aos "arrochos" dessa gente. Decididamente Vital Moreira "perdeu a cabeça" [ibidem] com o sr. Sócrates. Coisa já previsível ao longo dos seus desbragados escritos na Causa Nossa e pelos jornais. Nunca nenhum independente (que o seja) foi tão longe em defesa do chefe e do seu grupo de interesses.

Decerto que o "carácter compromissório" [ibidem] de Vital Moreira é diferente do catecismo de um Santos Silva ou das diatribes do aio vigilante Lello. Mas a campanha psicótica injuriosa, difamatória e a inqualificável contra os educadores – os médicos, ou a função pública em geral – e a instrução pública (que os seus textos de raiva ostentam) apresenta-o, desde logo, como um ignorante em matéria educativa. Assunto, aliás, que totalmente desconhece e não pratica. Vital Moreira, na sua especulação socrática, não entendeu ainda que mais que um ministério da educação se precisa é (aqui e na Europa) de um ministério de instrução. Coisas, absolutamente diferentes!

Curiosamente (ou não), a questão da instrução e do ensino tem atravessado o debate académico e político por toda essa Europa (vide França e Alemanha), tendo assumido um lugar central e urgente, dado a falência da instituição educativa e do modelo de ensino neoliberal - modelo esse que Lurdes Rodrigues e o próprio Vital pela paróquia defendem – e a urgência de medidas de requalificação profissional dos seus cidadãos. No Parlamento Europeu, em que trincheira ideológica Vital Moreira se colocará?

Por outro lado, a cantilena das "reformas em curso" do governo (que, de facto, são urgentes, mas ninguém vê) com que tem blindado o seu próprio discurso, mais que o seu opinioso protestatório a favor da governação, é, isso sim, o branqueamento de verdadeiras e boas reformas. De facto, como Vital Moreira um dia escreveu, andam por aí um raminho de "juristas do Estado-de-Direito" [Vértice, 1974, nº369] que se armam, quando a contestação sobe de tom, em "campeões do Estado-de-Direito" [ibidem]. Vital Moreira, em todos os assuntos da fazenda, comporta-se nesse registo.

Finalmente – já o dissemos - Vital Moreira é academicamente competente e tecnicamente insuspeito. Postulados não desprezíveis num Parlamento. Mas o seu propósito de gorjear no grupo de amigos do sr. Sócrates, não lhe vai trazer aplausos ou fidelidades. Pelo contrário, perde-se um académico e não se ganha um político. Não por sinal, os excursionistas de Espinho, pouco dispostos ao debate político, depois do futebol visto durante o decorrer do Congresso, foram virtuosos no apagão salvífico. E das trevas nunca virá luz. Como se sabe.

In-Libris – Mais livros de Fevereiro

A In-Libris (Porto) apresenta um novo lote de (50 livros) usados e antigos de temática variada - poesia, literatura, arte, artes gráficas, sociologia, etnografia, história,etc.

A consultar on line.