sábado, 26 de setembro de 2009



JE SUIS PERDUE

por Gigi Gaston - video de Jean-Luc Godard

sexta-feira, 25 de setembro de 2009



Anúncio completamente grátis

V. Excia encomendou-os para a noute Domingueira!? Vejamos. V. Excia quer graciosamente repetir esse embaraço quando toda a prudência, depois de se lhes observar a face e conhecidos os gestos, o fazem livremente reflectir? V. Excia que cultiva a arte da democracia & liberdade e que fecha os olhos de vergonha quando a visão se turva envolta naquela gente sem dávida & sem luz, quer ainda encomendar? Ter-se-á V. Excia, que não tem espírito servil e tem palavra & carácter, dado conta que depois de amanhã é Domingo?

Boa noute!

TOP DO MERCADO POLÍTICO

Para o mais completo TOP dessa prosa disparatada, desse charivari mal-humorado e com atropelos de alienação; mas também aos que em exarados afagos de cidadania foram grandes e com aprumo literário; & mesmo aos outros, avessos às patrulhas ideológicas, e que nem uma palavra sequer ouvimos sobre esta pocilga eleitoral; aqui, graciosamente, V. deixamos o nosso TOP Eleitoral:

Melhor Argumento Eleitoral – Cavaco Silva
Melhor Blog de Direita – Blasfémias
Melhor Blog de Esquerda – Cinco Dias
Melhor Blogger – Luís Januário
Melhor Blogger apoiante do PS – Medeiros Ferreira
Melhor Blogger apoiante do PSD – João Gonçalves
Melhor Blogger votante no BE – José Neves
Melhor Blogger votante da CDU – Carlos Vidal
Melhor Campanha – PS
Melhor Colunista – Manuel António Pina
Melhor Comentador TV – Manuel Villaverde Cabral
Melhor Director de Jornal - não atribuído
Melhor Jornal Diário – Público
Melhor Semanário - Expresso
Melhor TV – RTP(N)
Melhor Twitter – José Manuel Fernandes

Pior Argumento Eleitoral – Manuela Ferreira Leite
Pior Blog de Direita – Simplex
Pior Blog de Esquerda – Simplex
Pior Blogger – João Paulo Pedrosa
Pior Campanha – PSD
Pior Colunista – José António Saraiva
Pior Comentador TV – Emídio Rangel
Pior Director de Jornal – João Marcelino
Pior Jornal Diário – Diário de Notícias
Pior Semanário - Sol
Pior TV – SIC Notícias
Pior Twitter – António Nogueira Leite

O MERCADO POLÍTICO NA BLOGOSFERA

O mercado político eleitoral, nesta paróquia de infantes indignados, teve nestas eleições uma curiosa actuação em versão de "free-rider". Não só entre os jornaleiros (em especial direktores e mirrados colunistas) mas principalmente via essa pitoresca blogosfera oficiosa. O que é curioso, nessa empoeirada zarzuela, é nunca tantos clientes dos bens públicos se esconderam ("dos beiços ao cachaço") dessa obscura "maleita" de viver à conta do Estado, ao mesmo tempo que em mavioso ritmo pregavam contra a sua enormidade. Por isso mesmo, nunca tantos controladores (patrulhadores) da agenda eleitoral deram tantos e calamitosos pinotes a denunciar o "grávido" Estado e ao mesmo tempo que colhem dele os seus benefícios e privilégios pessoais. Eis a actividade afadigada de "rent-seeking" em todo o seu esplendor.

A acção dos grupos de interesses ofereceu-nos, para a posteridade, atrevidos inéditos e reclamos vaidosos, quanto histéricos. Bramindo quase sempre conselhos políticos enternecidos (quanto dramáticos) ao que presumem ser o "gado eleitoral", estiveram os do clube Simplex, que como se sabe têm privilégios no "bastardo" mercado keynesiano e estão matriculados na ensopada pia universitária. De modo geral, tais beatos vultos procuram apenas “maximizar o tamanho dos seus orçamentos” e lugares na administração do Estado, de onde nunca saíram. Tais criaturas tiram vantagem do seu grupo de interesses, fixam a agenda política, desviam (distorcendo) a informação, anestesiam a canalha.

A narrativa ideológica dessa gente (dos jornais aos blogs) foi, portanto, um sacerdócio laborioso, acasalado em recordações pueris, metáforas deslocadas e conceitos provincianos. Desviando (distorcendo) a informação e a agenda política, reincidiram na publicidade enganosa – a sua "Public Choice" –, martelaram ideias lunáticas (note-se a suposta questão das nacionalizações, ou do regresso ao Salazarismo), fizeram remoques ao seu próprio passado político. Foram ridículos nos artigalhos, grotescos nas postas, geniais na incoerência económica e política. Ardilosos!

[continuação]

quinta-feira, 24 de setembro de 2009


In-Libris – MAIS LIVROS DE SETEMBRO 2009

A In-Libris (Porto) apresenta um novíssimo e curioso Catálogo de livros – "Saberes da Terra" – com peças muito estimadas sobre Agricultura, Botânica, Silvicultura, Etnografia, Antropologia, Culinária, História Regional, Arte Popular, Artesanato, Linguística, Medicina Tradicional, etc.

Registe-se um já raro livro das Edições Afrodite [Nova Recolha de Provérbios e outros lugares comuns portugueses, Lisboa, 1974]; o útil & curiosíssimo "Lavrador Moderno ou o Novo Tratado de Agricultura e Jardinagem" [Lisboa, 1854]; a peça de colecção "Álbum de Costumes Portuguezes" [Edição luxuosa de David Corazzi, 1888]; o estimado e raro "Diccionario Portuguez das Plantas e Arbustos, Matas, Arvaores, Animaes quadrupedes, e reptis, Aves, Peixes, Mariscos, Insectos, Gomas, Metaes, Pedras, Terras, Mineraes, &c. que a Divina Omnipotencia creou no globo terraqueo para utilidade dos viventes" [de José Monteiro de Carvalho, em 1817]; o "Guia do Vinicultor" [de António Xavier Pereira Coutinho, 1889]; o notável "Tratado d’Agricultura Theorico-Pratica" [do Dr. João António Dalla-Bella, de 1805]; a reputada obra escrita por Francisco da Fonseca Henriquez [ou o “Dr. Mirandela”] intitulada "Ancora Medicinal para Conservar a vida com saúde" [1721]; o curioso livro de Santiago Garcia de Mendonza ["A Agua. Compilação dos principaes elementos de Geologia para o descobrimento dos mananciaes aquáticos", 1866]; o interessante "Maravilhas da Creação ou História e Descripção Illustrada dos Animaes comprehendendo Mamiferos, Aves, Reptis e Peixes ... [por M. Pedro Posser, de 1879]; a curiosa e premiada obra de João da Motta Prego [“Quinta do Diabo (Avicultura)"]; a 1ª e invulgar edição de Teixeira de Aragão "Diabruras, Santidades e Prophecias" [Lisboa, 1894].

A consultar on line.

terça-feira, 22 de setembro de 2009


IRRESPONSABILIDADES

"Nu, como o discurso de um académico" [Alfred de Musset]

Como era de esperar, a paróquia transformou-se nesta "ingente mercearia" que o encarregado-geral, o dr. Cavaco Silva, caseira & irresponsavelmente faz vivificar. O admirável leader, Cavaco Silva, por amor da colectividade da direita "mais estúpida da Europa", tem uma coterie de incendiários & abstrusos sujeitos que o cortejam emotivamente, ad usum Patroni.

A agremiação cavaquista, onde pontificam amanuenses criaturas, literatos analfabetos, espíritos desorientados e outras tantas individualidades originais, ainda não compreendeu, que para lá dessas minúcias de intimidade liberal e trabalho cénico de direita, o dr. Cavaco foi (é) o coveiro dessa mesma direita e, em especial, do PSD. Os factos, simplesmente, o demonstram.

Os males são conhecidos. Perante o pior governo (o desastre económico e social, é evidente) destes últimos 35 anos – sempre angelical no cárcere autoritário e pesporrente na propaganda governamental –, o Presidente da República, roído decerto pela voluptuosidade dos seus tiques arrogantes, foi-lhe de uma fidelidade humilhante (outros dirão, esclarecida ou de estado), e desde o início do seu mandato foi grandioso e inesgotável de elogios e prebendas a Sócrates. Onde alguns esperavam ambiciosos contraditórios ou enternecidos gestos de amor democrático e de simples exercício de cidadania (veja-se o código laboral ou o caso paradigmático da educação e dos professores), saiu-lhes um Presidente estimulante de carinho socrático, macilento, escandalosamente apoiante do governo: isto é, um excelente director-geral do reyno. Pior não era possível!

É certo que muitos dos seus pitorescos apoiantes, no meio desse engulho, apostavam que o sábio Cavaco, neste seu primeiro (e suspeita-se, único) mandato, tenderia a dar lastro às medidas económicas e sociais da governação (não a vitimizando), para num momento posterior (fim do mandato ou no seguinte) repor o ideário “perdido” de uma outra direita dos interesses. É certo que a derrocada económica e social, a crise financeira, o desastre nas relações convencionais de cidadania, o negócio obscuro das corporações, a imolação da ex-direcção do PSD, a confrontação directa (e inesperada para Cavaco) com o governo, fez antecipar a (previsível) ruptura. Porém, o bisonho Cavaco – que é de um tacticismo exasperante e pouco dotado para a estratégia política –, rodeado de altíssimos amadores e irresponsáveis conselheiros, não só não honrou a instituição Presidência da República, como por recato ou omissão teve o condão de se auto-imolar, ao mesmo tempo que liquidou (de vez) a candidatura eleitoral de Ferreira Leite. Hic Cavaco, hic salta.

O paroxismo deste caso das “escutas” (ou "inventona de Agosto") engendrou tamanha trapalhada, que, desde a arraia-miúda ao mais prócere dos comentadeiros, a indigestão política e a intensidade da "coisa" deixou o “corpo do rei” em fragmentos que serão difíceis de reunir. O dr. Cavaco, em excesso de irresponsabilidade, perdeu a legitimidade política. Porque espaço político já o tinha perdido há muito. A piedosa lenda sobre Cavaco tornou-se uma tragédia e numa farsa. É a vida!

A “INGENTE MERCEARIA”

Não sem surpresa, quando regressados da nossa tournée (ou giro de boudoir), os desagravos inspiradores da liça eleitoral estavam no seu esplendor. A prosa estragada de D. Manuela era impiedosa, mas vulgar. O sr. Sócrates especulava em solenidade depravada sobre as atrocidades económicas e sociais dos anos da barbárie a.S. (o sr. Sócrates nunca governou!). O dr. Portas berrava saloiamente, em feiras e mercados, o seu conhecido repertório reacionário. O B.E. era injuriado por criaturas analfabetas e já sem esperanças de casar. O camarada Jerónimo vira o homem da luta, cantarolando os amanhãs que cantam. Os jornaleiros e paineleiros locais esmiuçavam a oposição (o grupo Sócratico, nunca existiu!). O D.N., com unhas para dar e vender, era um coro de bufaria, de ir às lágrimas. A laracha simplória e a deliciosa comédia eleitoral sobre as socrancrices "escutas" atingia o seu zénite, com o silêncio e as omissões do dr. Cavaco. E nunca um Presidente da República foi tão parco & sombrio de ideias. Na espera da tremenda "bomba atómica" (pós-eleitoral) que o sábio Cavaco, absurdamente, ameaça sob enorme chiadeira nos locais do costume, os paroquianos de direita adivinham já estóicas lutas. A "ingente mercearia" treme de emoção.

Entretanto o país caminha triunfalmente para a falência, o pé adeante na ruína que está já aí, e não há incidente espalhafatoso que fulmine toda essa mundana gente. Ah! E voltaram os Gatos, com a mais-valia milagreira do RAP. Lá me avisou a minha olímpica vizinha. E – digo eu – está em marcha dois leilões de livrarias, um dos quais será certamente inolvidável. Por último, uma estimada homenagem ao grande Luiz Pacheco terá lugar, oportunamente, na Biblioteca Nacional. Mais não é preciso.

Vale!

terça-feira, 8 de setembro de 2009


ALMANAQUE REPUBLICANO

"Fazemos saber, em canto de reimpressão, o nosso antigo e aceite Édito com que abrimos e instalámos o Almanaque Republicano. Esta confraria de Homens Livres tem vindo a publicar memórias e testemunhos bio-bibliográficos em homenagem & invocação da Grande Alma Republicana. E asseguramos: “aqui se escreverão novas histórias”. Tal como o vate Camões disse e nós, em humílimo préstimo, pretendemos regularizar.

Por estarmos (quase) a entrar nas celebrações do Centenário da República renovamos tamanha viagem “aos homens de novo nascidos”. Até porque o futuro será sempre, para nós, a duração iluminada do nosso passado.

Valete Frates!" [ler tudo AQUI]

Actualizações: Efemérides de Setembro / Biografia de João Fiel Stockler / In Memoriam Hermínio Palma Inácio [incompleto] / Biografia de Francisco Gonçalves Velhinho Correia / Comissão Militar Revolucionária do 5 de Outubro de 1910 / Comissão Municipal Republicana do Porto [22 de Junho de 1904].

Boas leituras.

In-Libris – LIVROS DE SETEMBRO 2009

A In-Libris (Porto) apresenta um Catálogo de livros estimados de temática variada, com destaque para um curioso conjunto manuscrito de receitas culinárias, peças valiosas pessoanas, obras sobre Agricultura, Arte, Fotografia, História, Literatura e Poesia.

Algumas referências: Lote de Receitas Culinárias [ms. – caligrafia do início de século XX, algumas redigidas em francês] / Tratado das Significaçoens das Plantas ..., pelo Pe. Isidoro da Barreyra, 1698 [ed. Fac-similada, 2005] / Vinificação Moderna, por Pedro Bravo & Duarte de Oliveira, 1913 / Diccionario da Antiga Linguagem Portugueza, de Brunswick, 1910 [curiosa e inolvidável obra] / Vieira-Pregador, por Luiz Gonzaga Cabral, 1901, II vols / Tratado d’Agricultura Theorico-Pratica, por João António Dalla-Bella, 1805 / Tratado Novo e Curioso do Café, do Chá e do Chocolate, de Philippe Sylvestre Dufour, [1941, 4ª ed.] / curiosas peças de literatura infantil [Colecção Quá-Quá] / A Caça no Império Português, por Henrique Galvão, Freitas Cruz & António Montês, 1943-45, II vols / A Divina Arte Negra e o Livro Português, por José Pacheco, 1888 / Sentido que a Vida Faz. Estudos para Óscar Lopes, 1997 / História da Igreja, pelo Pe. Miguel de Oliveira, 1942 / Obras de Alberto Pimentel, Almada Negreiros, Álvaro Guerra, Ana de Castro Osório, António Ferro, António Osório, António Sérgio, Bernardim Ribeiro, Cardoso Martha, Eugénio de Andrade, Eugénio de Castro, Fernando Pessoa, Fialho de Almeida, Francisco Bugalho, Hélder Macedo, Herberto Helder, João José Cochofel, João Miguel Fernandes Jorge, João Penha, Jorge de Sena, José Carlos Gonzalez, José Carlos Vasconcelos, Manuel Alberto Valente, Melo e Castro, Oliveira Martins, Pedro Veiga [Petrus], Sidónio Muralha, Somerset Maugham [Creatures of Circumstance, 1947, 1ª ed.].

A consultar on line.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009


DEBATES ELEITORAIS & COMENTADORES: O RANÇO

Não sei o que é o homem. Só sei o seu preço” [Brecht]

Os debates eleitorais se fossem feitos num país civilizado e comentados por criaturas intelectualmente genuínas, e não (como é o caso indígena) por sopradores ideologicamente ridículos ou maníacos ignorantes, teriam dignidade responsável e estima acrescida. Porém, cá pela paróquia espanejam-se nos jornais e, principalmente, alapam-se nas TV’s um curioso raminho de criaturas barulhentas (uma estrebaria quase se assemelha a um lugar de êxtase) e que recitam, todos e de igual modo (lembrando a velha Mocidade Portuguesa), os intelectivos complementos dos seus triunfantes repertórios partidários.

Os factos, as argumentações e os episódios ocorridos entre os candidatos eleitorais, passam a ser para esses prodigiosos comentadores, de imediato, um lugar de desabrida arena partidária e um grave reduto de comunhão geral de ignorância e de iliteracia. Os comentadores que temos são quase sempre ignorantes e nada prudentes, pouco estudiosos e muito vaidosos, indigentes e nada sensatos. Sem nunca transportar o cidadão para a matéria e o desafio que o orador propôs, referindo o cuidado conceptual exposto e as impressões ou erros que o contraditório esgrimiu, os nossos dobrados comentadores-políticos travam de imediato a (sua) dura peleja contra o presumido adversário ideológico, como se fossem eles sábios e talentosos dirigentes partidários. Tais especiosos agitadores, que na maioria das vezes nem sabem do que estão a falar, diriam sempre idênticos superlativos, mesmo se o debate nunca tivesse existido. A cassete, essa, está sempre lá.

Veja-se, sobre o assunto, o prosaísmo dessa laudatória criatura, de nome João Vieira Pereira (Expresso, p. 8), que, qual vendedor de banha da cobra, afirma, em comentário ao debate Sócrates-Portas:"... este era porventura o mais difícil debate que Sócrates tinha pela frente, daqui em diante terá alguns passeios no parque com os restantes candidatos, inclusive com Manuel Ferreira Leite" [sic]. Escreve esta genialidade num jornal de referência. Bem-humorado e beneficente anda o rapaz, Henrique Monteiro.

Porém, o máximo exibicionismo dessa fancaria televisiva teve (ontem) lugar após o (apenas) melhor e mais esclarecedor debate, até à data, patrocinado por Louçã e Ferreira Leite. Em todas as TV’s (SIC-N, RTPN e TVI7), qual barraca de feira, divinamente surgiram um raminho de comentadores da boa escola da superstição liberal, quase sempre desleixados no belo argumento, que com respigadas tiradas garganteadas de remotos tempos económicos e com cabotina espuma labial, trataram o dr. Louçã com o desprezo e a idiotia que a D. Manuela não personificou.

O mundo dessas criaturas - com especial relevância para o ridículo João Duque, a bafienta Inês Serra Lopes, o mastigado Joaquim Aguiar ou aquele jovem decorativo que a RTPN nos deu a conhecer e que garante que os "custos salariais" das PME são mais determinantes para elas que os seus "custos financeiros" (o garrote financeiro das PME é para esse iluminado fruto, unicamente, da Lei Laboral) -, que nunca foram gestores de coisa alguma e nem a isso se candidataram, o mundo (económico e social) para tais sábios parou no tempo. Eis o ranço desses novos Velhos do Restelo!

Quando o sábio Joaquim Aguiar, em defesa do seu patrão Mello e sobre um pacífico assunto (pelo menos nos países civilizados) sobre a detenção pelo Estado de bens essenciais (referido por Louçã), regressa em assombro a 1975 (e cita até Melo Antunes), diz bem o atoleiro em que a saudosista e indigente intelectualidade nos meteu. E de que não há saída.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009


Sócrates VERSUS Portas: APEGAÇÕES SUAVES

"amabilis insania, et mentis gratissimus error"

Duas criaturas com egos do tamanho do mundo palestraram (ontem) na TVI. A extraordinária parelha, sem fadiga nem desvelo, limitou-se, numa escaveirada retórica, a papaguear as obras disparatadas das suas "autorizadas" vaidades. Gente sem crédito nem insónias, sem ideias nem talento, reincidiram em notícias & registos da obra passada, no meio de silencioso (e táctico) ruído. Sempre empavonados, assomadiços na sua verdade, nada acrescentaram à vacuidade das suas ideias. O fanatismo professo é total.

Neste debate entre o sr. Sócrates e o dr. Portas não houve lugar a novidades: o resoluto projecto pessoal de cada um está primeiro, o país (e a crise estrutural) vem pincelado depois. Afogados em patranhas, as criaturas, que nem intimamente se chocam, não são para levar a sério nas suas escolásticas intervenções.

Os argumentos de cada um são por demais conhecidos. Mas tão semelhantes são em soluções inertes, que não comovem ninguém. É uma grande imaginação supor agitadas diferenças entre Sócrates, o actual "chefe" reformador dos interesses da nova direita, e o dr. Portas, o aquartelado jovem do antigo e reacionário Portugal. O sr. Sócrates acantonou-se economicamente à probidade das corporações de interesses e ao lirismo da direita económica. Ninguém o derruba dos seus intuitos pessoais e de grupo. O embaraço de Portas (bem como da D. Manuela) e a procriação retrógrada dos herdeiros socráticos, assim o demonstra. Está lá tudo!

Da farraparia recolhida no debate de ontem fica-nos o seguinte: as contas públicas, a nossa colossal divida externa, o embuste sobre a actual situação da segurança social e o estado caótico e a qualidade da instrução pública – factura que as gerações vindouras irão pagar caro –, são para essa gente extravagâncias disparatadas no debate político. Tal repertório não é matéria de discussão, nesses inquilinos do poder.

Sabe-se apenas, humoristicamente, que Sócrates "dá o seu melhor", a fazer lembrar os escritos falados dessa faísca intelectual que dá pelo nome de Paulo Bento, e que os erros do ensino se "devem à democracia" (sic). Por seu lado, o dr. Portas – jovem plastificado à nascença – não estuda o suficiente (tal a sua amnésia de fantasia) para poder responder aos dislates inqualificáveis do adversário político (veja-se o caso da usual utilização bolsista do fundo da Segurança Social pelos vários governos e que o sábio Sócrates questionou) e até, em pitoresca afectação mental, se esqueceu da audaz glória de ter votado, em sede parlamentar, na Lei Penal, que agora dramatiza. Enfim, vulgares comediantes, em trapos vistosos.