sexta-feira, 30 de abril de 2010

IN MEMORIAM JOSÉ VITORINO DE PINA MARTINS


"O verdadeiro bibliófilo é aquele que deseja possuir livros para com eles dominar a logosfera e pelo respeito que eles merecem tanto no plano da cultura como no da própria beleza, raridade da espécie e da elegância das próprias encadernações – factores, estes, de autêntica estesia"

[João Vicente de Pinto Marques, aliás pseud. de José Vitorino de Pina Martins, in "Para o Perfil de um Bibliófilo", Catálogo da Biblioteca R. de G. (admirável e terno texto de Pina Martins, de leitura necessária), Leilão da Azevedo & Burnay, Lisboa, Maio de 1984]

José Vitorino de Pina Martins foi um dos mais brilhantes estudiosos da História do Livro, um erudito da História do Humanismo e do Renascimento, um fulgurante investigador e bibliófilo notável. O seu saber admirável, autêntico, iluminado, marcou exuberantemente a cultura portuguesa. A sua obra literária e científica é sublime, mesmo desconcertante. O seu legado de bibliófilo de excepção, perturbante pela sua imensa erudição e de raríssimo entusiasmo sobre os alfarrábios, deixou-nos estudos extraordinários e um acervo bibliográfico sem igual. A sua opulenta biblioteca pessoal – decerto a mais valiosa dos nossos tempos -, adquirida há anos pelo grupo Espírito Santo, é disso testemunha. Até sempre doutor Pina Martins. Um abraço fraterno!

Sobre a biografia e a bibliografia (muito copiosa) de José Vitorino de Pina Martins consultar a entrada da Wikipédia (que está conforme o texto de Manuel Cadafaz de Matos, publicado nos "129 Trabalhos Científicos de um Grande Investigador José Vitorino de Pina Martins", Catálogo de Exposição Bibliográfica, B. N., Lisboa, Março de 1998, pp. 7-12). Como curiosidade, observa-se em textos (sob pseudónimo, como o que atrás referimos, mas outros mais sugerem ter saído da mesma pena, e curiosamente aparecidos em Catálogos) uma inquietação em torno da simbologia, uma curiosa escrita de teor, que se pode apelidar, "esóterica" ("secreto amador de obras raras" ?), o que não será alheio o profundo conhecimento que tinha das obras de Camões, Bernardim Ribeiro, D. Francisco Manuel de Melo, Dante e do grande Padre António Vieira. Por último, Pina Martins escreve, ainda, poesia, sob o nome de Duarte de Montalegre.

Outros Locais: Pina Martins (Diário de Coimbra)/ Obituário: Pina Martins faleceu hoje em Lisboa (Correio da Beira Serra) / J. V. de Pina Martins em Convívio com os Clássicos (Aires A. Nascimento) / Palavras de afecto, com memória (Aires A. Nascimento) / Giovanni Pico della Mirandola: (1463-1494)

CRUELDADE!


"crudelem medicum intemperans aeger facit"

Anda por aí um arrazoado colectivo & pouco higiénico sobre uma presuntiva conspiração – como é óbvio, "revolucionária" – de uns inçados especuladores capitalistas que, na sua gula d’ofício, folgam por levar o nosso piedoso país à bancarrota. Pelo que se diz no balneário paroquial, a bordoada última da (outrora) benemérita Standart & Poor’s, ao avaliar (com a devida vénia à sra. Lurdes Rodrigues) o "estado de negação" do risco da dívida, mandou-nos para a galeria do junk e (pasme-se) fez subir o CDS (i.e., os credits default swaps). Mais, consta que tais infames empresas de rating nos trazem pela trela. A ferocidade é, salvo melhor opinião, de assinalar.

A lista de mazelas que repentinamente ilustrou a situação é conhecida. A disenteria dos argumentos da veneranda classe dos economistas & demais incumbentes da coisa pública, em torno da "turbulência", "nervosismo" e "credibilidade" que acossa a paróquia, é formidável. Ó inclemência!

É certo que o embalsamado Vieira da Silva desapareceu e o sr. Teixeira dos Santos deambula por todo o lado, mas não havia razão para, nesse divertimento de estar o país a arder pelas patifarias a soldo de excitados capitalistas, ver surgir o raminho filosofante dos Campos e Cunha, Eduardo Catroga, Braga de Macedo (petit-maître ajuramentado), o Bagão Félix, Pina Moura (o arreda-deficits) ou, mesmo, esse novo poeta-economista, Nicolau Santos (na falta dos Silva Lopes & Cia). É uma crueldade o que fez, a estes patriotas, o cacete de infames capitalistas d’além-mar. Abaixo a especulação, grita o Valter Lemos, em bom economês.

É certo que o ex-administrador do Oásis, o dr. Cavaco, adverte que não vai perorar; é verdade que o casto Paulo Portas capricha no "seu" CDS, vertendo lágrimas viçosas anti-capitalistas; está provado que os clones Sócrates & Passos Coelho se sentaram (matreiramente) no dorso da besta do PEC, qual repolho d’amor indígena, requerendo medidas urgentes à canalha; está até conforme as doutas e sábias demonizações anti-capitalistas dos associados da CIP, sendo que o sr. Van Zeller, a pedido de várias famílias, legitimou até o engenho revolucionário que vem decerto por aí; foi bonito ver o sr. Mendonça, das Obras a publicar, anunciar, no seu génio de distinto académico, aeroportos e TGV’s, em pura emanação divina.

Tudo isso é justo, deslumbra, é até erótico de se seguir, mas cremos que não havia nexexidade! A paróquia já deu sobejas provas que se afunda sozinha, com ou sem mercenários especuladores. Aliás, o dr. Cavaco Silva está onde está para a provar que "plutôt mourir que changer". Apertem os punhos!

domingo, 25 de abril de 2010

25 DE ABRIL




"Ó Portugal, se fosses só três sílabas,
linda vista para o mar,
Minho verde, Algarve de cal,
jerico rapando o espinhaço da terra
...
Ó Portugal, se fosses só três sílabas
de plástico, que era mais barato!
...
Portugal: questão que eu tenho comigo mesmo,
golpe até ao osso, fome sem entretém,
perdigueiro marrado e sem narizes, sem perdizes,
rocim engraxado,
feira cabisbaixa,
meu remorso,
meu remorso de todos nós..." [Alexandre O’Neill]

sexta-feira, 23 de abril de 2010

DIA MUNDIAL DO LIVRO


"Quem não lê, não quer saber; quem não quer saber, quer errar" [P. A. Vieira]

"Na leitura, a amizade é subitamente reconduzida à sua pureza primordial. Com os livros, nada de amabilidades. Se passarmos a noite com esses amigos, é porque assim verdadeiramente nos apetece. A eles, pelo menos, só a contragosto é que muitas vezes os deixamos". [Marcel Proust]

"Que outros se gabem das paginas que têm escrito; a mim orgulham-me as que tenho lido. Não terei sido um filólogo, não terei inquirido sobre declinações, os modos, a laboriosa mudança das letras [...] mas ao longo dos meus anos tenho professado a paixão da linguagem" [Jorge Luís Borges]

"Temos o direito de exigir aos poetas que não levem com eles para o túmulo os segredos do seu ofício" [Mayakovsky]

"Pode-se avaliar a beleza de um livro pelo vigor dos safanões que ele nos deu e pelo tempo que levamos depois a recompor-nos" [G. Flaubert]

"É preciso olhar os livros por cima do ombro do autor" [Paul Valéry]

"A leitura não é a mesma coisa aos vinte anos que aos sessenta. O jovem lê tudo. O ancião não lê senão o que lê. O jovem lê tudo e de tudo aproveita pouco. O ancião lê pouco e do pouco aproveita tudo [...] Dizia um filósofo que o importante é saber não o que se há-de ler, mas sim o que ‘não’ há que ser lido" [Azorín]

"Nunca nos entregaremos suficientemente ao trabalho apaixonante que consiste em aproximar os textos". [Marguerite Yourcenar]

"Divido todos os leitores em duas categorias: os que lêem para lembrar e os que lêem para esquecer" [William L. Phelps]

"Uma das melhores maneiras se recriar o pensamento de um homem: reconstituir a sua biblioteca". [Marguerite Yourcenar]

"Há o hábito de pensar que se entra numa biblioteca para procurar um livro. Não é verdade. Sim, por aí se começa, mas o que na realidade se busca é a aventura" [Umberto Eco]

"Fundar bibliotecas era ainda construir celeiros públicos, acumular reservas contra um inverno do espírito que, por certos indícios, vejo que infelizmente se aproxima" [Marguerite Yourcenar]

"O coleccionador sente que o seu capital está seguro, que deixa uma herança mais certa que propriedades urbanas ou papéis de crédito. Se isso não é ainda a maré de rosas para os escritores de hoje, é um consolo: o consolo de que terão a velar-lhes pelos tempos fora, e a calá-los da traça, a mão fina e cuidadosa do bibliófilo" [Aquilino Ribeiro]

"A História do Livro é, a seu modo, uma tentativa de recuperação deste mundo complexo onde o mai amplo saber convive em boa paz com as lacunas do quod nihil scitur. Tarefa aliciante para os que saberão sempre muito pouco". [Artur Anselmo]

"Quantos ledores, tantas as sentenças" [Sá de Miranda]

sexta-feira, 16 de abril de 2010

REGRESSO À PARÓQUIA!


"É nas taças que se entorna o tempo" [Guimarães Rosa]

Este viçoso estabelecimento, discreto nas reimpressões e libérrimo para a correcção das "miudezas da vida", andou folgado & em trabalhos d’arrumação e aprumo. Na verdade, como bem nos disse Max Jacob:"tudo o que existe está situado". E assim foi, porque as "obras son amores" de calendário e não há, de facto, o risco de morrer de tédio. Deixámos as antiqualhas, a maledicência e ferros curtos para outros, e, é verdade, não frequentámos os actos. Reaprendemos as leituras d’ocasião, as marginálias, os recortes, marcámos jornais e revistas, aplicamo-nos no excesso dos textos malditos, curámos instruções e fomos estranhamente ociosos no recreio. Ordenámos o espírito.

Com proba lucidez formámos cadernos, pastas cartonadas, bordámos papel, raspámos livros, cosemos folhas & papéis, alceámos velhos cadernos, consolidámos a livralhada e papel velho. Subimos estantes, viajámos na livraria (qual António Francisco Barata!) e ordenámos o caos.

Lá por fora, o tumor da bancarrota não nos fez usar a erva das "sezões". A paróquia do sr. Sócrates & Amigos é uma "febre" insana ou lugar "mal frequentado", que nem a colherada do BCE ou a crónica do FMI (que por aí vem, de mansinho) nos tira do sério. O corpo há muito se habituou a tão danosa gente. O choro folhetinesco sobre a economia, o deficit, a corrupção em trânsito do país, a falta de carácter dos governantes, a decadência das instituições nesta "fermosa estrivaria", as epístolas cúmplices do dr.Cavaco ou o gorjeio das oposições, são assunto para jornaleiros & indígenas protegidos e proveitosos para essa curiosa cáfila de economistas que se espalham por todo o lado, primorosos a enriquecer de teorias (nunca verificadas) a mioleira do gentio (que treme de medo ao ouvir o iluminado dr. Cantigas Esteves ou o evangelista Silva Lopes) e o seu próprio bolso. Nada de espanto!

E, com a bazófia e logro dessa estranha gente, fica reparada a mansidão indígena, para que a "vidinha" continue. Para nós, que não temos obra a fazer nem cabedal a cobiçar, lembramo-nos, sempre, do que disse Lincoln Ralphs: "Os nossos pais talvez não estivessem seguros sobre o que o futuro poderia ser, mas raramente punham em dúvida que viesse a haver futuro". Ámen!