segunda-feira, 26 de outubro de 2009


MANOLETINAS DE SALÃO - ALEXANDRE O'NEILL

"No fundo, não passamos de uns vaidosos, cheios de tiques e tremeliques, e não aguentamos passar à hora da verdade, mantendo donaire e galhardia. Quando sentimos o verdadeiro medo, o verdadeiro medo e o seu vento, abandonamos a postura, largamos o capote e corremos a buscar refúgio e um copo de água ao primeiro burladero que se nos antolhe nesta corrida da vidinha. Sempre foi, é e será assim. É bom? É mau? É. Vem tudo isto ao jeito de conversa fiada, mas nem por isso menos alinhavada, que o que eu quero é lembrar-vos que o medo desdobra um vento muito mais alevantado que ele. O medo. Considerai o que é o medo, aquele que faz das nossas mais indizíveis entranhas rodilha, que põe a mãe a fugir do filho e o pai da avó. Considerai as voltas e contravoltas em que ele nos mete no seu gosto de se burlar da gente, antes de nos vitimar. Considerai tudo isso e o mais o que houver a considerar. E perguntai: o que é na realidade o medo, essa avantesma que enrola e aperta os seus dedos em torno da nossa garganta? Nada que se possa sopesar. É o imaginado antes do vivido, é o sonhado antes do acontecido. O medo, depois de nos pôr a fugir, paralisa-nos. É essa a vitória do medo: criar paraplégicos trementes. E de paraplégicos trementes é feita boa parte de nós. Nos transportes públicos, nas repartições, que vemos nós todos os dias? Paraplégicos trementes a entreabençoarem-se por entre resmas de papel selado, os seus burladeros. Manoletinas de salão, fazemos na perfeição. Quando passamos para a arena, pernas p'ra que vos queremos? Será melhor não sermos tão enfáticos, tão opiniosos. Todos temos medo? Claro. Até o infligimos. Agora há uns que sabem que o medo desdobra um vento bastante mais alevantado que ele. Vamos deixar de ter medo?" [clicar na foto]

Alexandre O'Neill, in "Manoletinas de salão" - Escrita por medida, J.L., 5 de Março de 1985 [sublinhados, nossos]

OS INCUMBENTES DO SR. SÓCRATES

Hoje, a tropa tarefeira do sr. Sócrates vai ao boticário do dr. Cavaco assinar a presunção ministerial. 15-ministros-15, cartão de serviçal no bolso e uma afectuosa ambição pessoal, todos de pulsos políticos algemados mas sob fiança dos Marcelinos indígenas, irão cerimoniosamente alegrar a vitrine da antiga "Real Barraca", ali na Ajuda. O público, desde o correligionário falhado a outros exquisitos sujeitos (que nunca faltam na ocasião), abrilhanta a putativa festa. Os emproados incumbentes vão ao expediente. E, com apetite noticioso, o país viscoso das Tv’s, jornais & blogs, com eles.

Acontece que tais incumbentes estão no papel de gestores das presuntivas cambalhotas estratégicas do grupo de interesses do sr. Sócrates: não farão a "política que pensam", mas "que são". Os notáveis assinantes são meros décor. O que antes diziam sobre o "meneio correcto" da coisa pública será para esquecer. Não haverá arroubamentos. Jamé! Os episódios que iremos assistir, decerto bem urdidos e postos a correr por jornaleiros estridentes, são para inebriar a galeria de nativos. Estes, sonolentos à crise económica e derrancados à iminente bancarrota, irão saudar em delírio (mesmo que frouxo) a curiosa genuflexão do (manso) governo aos interesses e ao fomento do país real e correrão com a "nauseabunda" oposição. Sócrates regressará depois, em ombros e sobre o seu enxertado governo, para anos de felicidade e esplendor. O chamariz está já lançado. Assim o dizem.

Mas é possível que a insolência da "habilidosa" estratégica não resulte. Primeiro, a económica é o que é. Não arreda por convenientes ou piedosas "mentiras". A demanda dessa mistificação exige uma macia e pressurosa acalmia económica e financeira, mas que estes anos todos de indecorosa governação impede. Não podem mascarar a balbúrdia que aí vem. Segundo, a pitoresca assunção que os incumbentes do sr. Sócrates são vigorosos artistas e autorizados peritos, mesmo que com pele de lacaios, é um exercício intelectivo esforçado e demasiado ufano. Os verdadeiros técnicos não se bordam dessa maneira. Aquilo é apenas um atoleiro de assanhados burocratas, inconvertíveis a qualquer realidade. Terceiro, para que a trapaça resulte, mesmo ajudada com a toleima dos apoiantes do sr. Portas, seria preciso que a oposição se pusesse a jeito e a caminho do abismo. Ora não nos parece que esse apocalipse, essa lesa-política de desespero, venha a ter lugar e siga o programa de festas do grupo de interesses do sr. Sócrates. E assim terá de ser.

Carpe diem.

sábado, 24 de outubro de 2009


LEILÃO DA BIBLIOTECA DE PAULO MONTEIRO LEVY

Leilão da Biblioteca de Paulo Monteiro Levy - Dias 26 a 29 de Outubro 2009, pela Leiloeira Renascimento (Rua Agostinho Lourenço - ao Areeiro -, 20 C, Lisboa).

Regista-se um conjunto estimado de livros sobre: Constitucionalismo e Historia de Portugal, uma Pombalina, Escravatura, livros de Numismática, uma invulgar e rara Maçonica, lote curioso de Imprensa periódica do Século XIX/XX, livros sobre a Inquisição, Judaísmo, Jesuítas, Historia da Medicina, Literatura e Banda Desenhada.

Paulo Monteiro Levy, foi um distinto médico e operador, com consultório em Lisboa. Homem de pensamento livre e grande cultura, formou esta sua biblioteca com base em temas que abrangem as mais diversas áreas do conhecimento (...)

Nas suas andanças por este mundo das livrarias e leilões, e graças ao seu gosto pelo diálogo, granjeou muitas e duradouras amizades entre livreiros e coleccionadores. Pessoalmente mantive um longo e fraterno relacionamento com o Dr. Paulo Levy, foram mais de três décadas. Para alem dos livros convivemos em tertúlias e alguns outros areópagos ao longo de todos estes anos. Tenho a certeza que apesar da diferença de idades ele me considerava um seu irmão mais novo, tal como eu o considerei e considero um irmão mais velho (...)
" [José Vicente, in Catálogo da Biblioteca]

Da Biblioteca de Paulo Monteiro Levy salienta-se uma invulgar Maçonica, a todos os títulos notável e muito rara. O Dr. Monteiro Levy, médico e livre-pensador, foi um distinto obreiro de uma conhecida Loja de Lisboa, tendo atingido mesmo altos postos. A sua Maçonica percorre algumas das obras bibliográficas de referência à temática maçonica, portuguesa ou universal, sendo que é muito raro aparecer no mercado um lote tão copioso de espécies desta área tão restrita. [publ. tb. in Almanaque Republicano]

ver a BIBLIOGRAFIA MAÇONICA presente na Biblioteca Monteiro Levy, in Almanaque Republicano

ver todo o Catálogo, AQUI.

domingo, 18 de outubro de 2009



Qu'es mi vida, preguntais

[canção de Johannes Cornago, versão de Johannes Ockeghem (1420-1496)]

MORADAS FILOSOFAIS - A ARTE REAL

Dias 24 e 25 de Outubro - Colóquio Internacional "MORADAS FILOSOFAIS. Princípios e Métodos da Arte Real", sob patrocínio da Fundação Cultursintra.

Aos "amantes incondicionais da Arte, que dedicam as suas vidas ao estudo e divulgação das mais notáveis mansões e jardins europeus, regidos por Hermes", se dedica este Ciclo em torno da Filosofia Hermética, Simbolismo e Mansões Filosofais.

Do Programa do Ciclo registe-se o seguinte:

Dia 24 (Sábado): uma visita guiada à Quinta da Regaleira; a inauguração do "Laboratório Alquímico" no seu Palácio; e várias sessões, entre elas: uma que será proferida por António de Macedo ("Mansões Herméticas e Geometria Sagrada - do Tabernáculo no deserto ao 'Número' da Ordem de Cristo", uma outra por dirigida por Manuel Gandra ("Emblemática das Mansões Filosofais I") e a que Ferdinando Rizzardo nos falará sobre "La Case dell'Achimista a Valdenogher".

Dia 25 (Domingo): a 2ª parte da "Emblemática das Mansões Filosofais" (Manuel Gandra); uma nova intervenção de Ferdinando Rizzardo ("Ermetismo a Venezia e Libreria Marciana") e a exposição por João Cruz Alves sobre "Lima de Freitas e a Topologia do Imaginal". No fim haverá um jantar-convívio na Quinta da Regaleira.

consultar e acompanhar o evento, via Fundação Cultursintra.

sábado, 17 de outubro de 2009


NOTÍCIAS DA FRENTE

"É preciso folhear os maus livros, esquadrinhar os bons" [Jules Renard]

O sábio Feliciano de Castilho dizia: "Naquelas velharias andávamos tão embevecidos (...) que para nós não havia passeio, nem visita, nem função, que nos pagasse o gosto que desfrutávamos naquele nosso ler à ventura, sem piloto nem bússola”. Como Castilho, nós por cá (é sabido) temos essa canseira de serem os trabalhos do mês idênticos de todos os outros. Ámen!

- no próximo mês de Novembro, precisamente no dia 26, ou de S. Pedro Alexandrino (S. Conrado, que nos desculpe), ele mesmo um herege de juízo encomiástico, haverá lugar na caprichosa Biblioteca Nacional de Lisboa uma merecida Exposição, Homenagem e Invocação pública ao grande Luiz Pacheco. A entrada do sublime editor & escriba na casa-mãe da cultura – momento em que conspícuos escritorzecos, literatos & prósperos comentadores indígenas, por fastio de vida, irão cair em curiosa salmoira provinciana – será ornamentada com uma memorável pachecada, uma brochura copiosa e opulenta, um In Memoriam de talento de bien faire. Eis o grande "conversador", o facundo libertino, a idolátrica e o seu esplendor, presentes nesse dia bem-aventurado de Novembro. Até lá, o que "interessa é acordar vivo".

- livros & outros documentos em papel estão à Venda na caprichosa Livraria Luís Burnay (Calçada do Combro, 43-47, Lisboa), acabado que está a elaboração do seu 43º Boletim Bibliográfico, referente ao mês de Outubro. Decorado com 642 peças magníficas, que percorrem algumas das melhores peças bibliográficas lusas, o seu Boletim é essencial ao amador de livros e valioso para assinalados bibliófilos. Consultar o Boletim, AQUI.

- o nosso amigo Carlos Bobone da Livraria Bizantina (Rua da Misericórdia, nº147, Lisboa), autorizado livreiro e interessante monárquico, lançou sobre a canalha da Província o seu Catálogo 77º. O dr. Bobone, em cumprimento do dever municipalista, e por ser livreiro mor do reyno de Lisboa, deveria constituir serviço distinto aos amadores de livros da vetusta Província. Isto porque, quando o real correio por cá preside (quando preside!), e enquanto o cliente percorre o cardápio, já as peças postas em Catálogo foram vendidas pelas vozes autorizadas e céleres de cidadãos de Lisboa. Portanto, o dr. Bobone junta uma vasta livraria que lança em papel, remete-o para os seus paroquianos, mas o bom cidadão de Lisboa esgota-lhe a livralhada, mesmo antes do cobiçado Catalogo cair nas nossas mãos. Deste modo, para que não fiquemos em estado de orfandade, evitando assim que montemos um qualquer sublime Jardim ou Barraca à sua porta, seria mister enviar para a Província, dias antes, o rol dos lotes para venda. Por discrição ao Príncipe e amor-dos-homens!

- para arrematação, está à Venda uma estimada colecção de livros postos em Catálogo (mês de Outubro) pelo Livreiro-Antiquário José Vicente, da Livraria Olisipo (Largo Trindade Coelho, 7, Lisboa). O conjunto percorre temas tão distintos como Administração Pública, Arte, Colonial, Descobrimentos, História, Literatura, Memorialismo, Monografias, e outras instrutivas áreas. Consultar o Catálogo, AQUI.

- é já nos próximos dias 26 a 29 de Outubro, que a Leiloeira Renascimento irá colocar à praça pública o invulgar e valioso Leilão da Biblioteca do Dr. Paulo Monteiro Levy, conforme assinalamos. Este opulento Leilão apresenta uma invulgar Maçónica, com mais de 300 peças (muito) raras e de difícil circulação. Do seu inventário, com 1959 lotes, chama-se especial atenção para as temáticas muito estimadas sobre Inquisição, Judaísmo, Jesuítas, uma curiosa Pombalina, Constitucionalismo, rara Imprensa Periódica do sec. XIX/XX, rica Banda Desenhada, Numismática. Voltaremos a este Leilão, dado as importantes peças bibliográficas que faziam parte da Livraria de Paulo Monteiro Levy, médico, livre-pensador e conhecido (e importante) maçon. O Catálogo, elaborado por José Vicente, está já online e pode (deve) ser consultado pela sua especial importância.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009


MÃOZINHAS!

É a velha história das "mãozinhas". Ou melhor, ter ou não ter. No bridge, curioso jogo perfeito, o sábio jogador, inebriado pelo carteio, busca as "mãozinhas" miraculosas. A estatística é para tais artistas, assunto sagrado e memorável. O que lhes interessa é, afinal, o prémio do jogo – honestíssimo e reparador. Mas o jogador não deve ser impetuoso. Audaz, talvez. Iluminado, decerto. Nunca fogoso nas vozes ou carteio. As "mãozinhas" são quase sempre cumpridoras.

Ora acontece que estes nossos dias-ligados-a-dias têm sido obscuros e inconsistentes. Estranhos! E não se fala aqui desse palavreado que é vertido nas caçoulas perfumadas dos jornais ou do que por aí é vibrantemente (re)dito, aliás muito bem joeirado pela turba dos Marcelinos, sobre a etérea governação do próximo governo do sr. engenheiro. É que entre o idiotismo do grupo do sr. Sócrates e o folhetinismo sobre a D. Manuela, a nossa educação política carece de sentimento e de decoro.

Tal como no carteio do bridge se trabalha para fazer as "passagens" de mão, também o sr. Sócrates se encontra viciado desse espírito assombroso. Festejar as "mãozinhas", não delapidar o pecúlio do grupo de interesses, fazer as passagens certas (à esquerda ou à direita) será o espectáculo vulgar com que o sr. Sócrates se banqueteará. Os Marcelinos não irão faltar nessa saloiice de ameaçar com a trova de novas eleições e a vinhaça (já velha) de maioria absoluta. Porém não basta tal carteio deslumbrado. É que, e antes do mais, é preciso ter jogo para jogar e ir a jogo. No bridge, como na palestra política, o bluff é puro disparate.

Toda esta nossa récita, meio descarrilada e pouco agaloada, serve para informar os ledores deste estabelecimento que nos honraram com sublimes emails a propósito de não termos vindo diariamente a despacho, que estamos na mais asfixiante reclusão. Acontece (cá está!) que estamos sem todas as "mãozinhas". A nossa impetuosidade de candidato a motard garganteou uma caricatural queda, no que resultou um desprevenido mês de braço ao peito. Já se vê o incomodo disto tudo: um mês sem bridge, sem boticadas e de muito mau humor. Por enquanto "estou a embeber-me dos óleos santos da paciência", como diria Camilo (o nosso médico e consultor de alma). Mas estamos por aqui, aqui e ali. E, apenas para os neófitos, acolá.

Boa noute!

sábado, 10 de outubro de 2009


Tomás da Fonseca (1877-1968) via ANTÍGONA

- Na Cova dos Leões – Fátima. Cartas ao Cardeal Cerejeira [c/ pref. Reis Torgal]

"Este livro é porventura um dos mais emblemáticos textos «subversivos» impressos em Portugal durante o salazarismo. Foi escrito por um republicano racionalista e livre-pensador abjurado pela Igreja Católica e pelo regime autoritário e «catolaico» do Estado Novo. Depois, a democracia nascida da revolução de 25 de Abril de 1974 acabou também por o ostracizar. Estas serão, de resto, razões suficientes para que alguns títulos da sua prolífica obra logrem ser redescobertos e reeditados pela Antígona numa altura em que se aproxima o centenário da proclamação da Primeira República em Portugal (1910-2010)"

- O Santo Condestável. Alegações do Cardeal Diabo [c/ pref. João Macdonald]

"Este texto reproduz uma conferência de Tomás da Fonseca, proferida na Universidade Livre de Coimbra, em 1932. Decorridos setenta e sete anos sobre a publicação de O Santo Condestável – Alegações do Cardeal Diabo, a orquestra reorganizou-se para a celebração da canonização de Nuno Álvares Pereira, que a Igreja e os seus cúmplices levaram a cabo neste ano de 2009. Seria, portanto, indelicadeza da Antígona não se associar aos festejos desta nova forma de consubstanciação; por isso, considerámos oportuna a reedição deste livro.
José Tomás da Fonseca nasceu no dia 10 de Março de 1877. Foi um homem de impressionante produção literária, tendo publicado ao longo da vida cerca de quarenta títulos. Colocou-se permanentemente na linha da frente do arriscado confronto político.
"

Publicação pela Antígona - Editores Refractários.

[idem no Almanaque Republicano]

segunda-feira, 5 de outubro de 2009


FIGUEIRA DA FOZ - COMEMORAÇÕES DO CENTENÁRIO DA REPÚBLICA

"A Figueira da Foz é uma cidade, reconhecidamente, com fortes tradições liberais e republicanas. Esse espírito puro (e idealista) acompanhou os (…)

Uma plêiade notável de homens e mulheres foram os obreiros dessas fortes convicções liberais, republicanas e democráticas. Pessoas e colectividades, a imprensa local, grupos e cidadãos, com entusiasmo e desassombro, trabalharam em prol do bem comum e da emancipação do povo figueirense. O espírito e alma republicana, sob o lema liberdade, igualdade e fraternidade, fazem parte, exaltantemente, do álbum das memórias figueirenses. Por isso, esse ideário republicano tem de ser evocado. Deve ser reivindicado. Tem de ser honrado.

No ciclo das comemorações do Centenário da República, que agora decorre, é tempo de reclamar a ideia da República e exaltar a sua herança. O legado republicano é uma missão que exige uma recordação condigna da sua própria grandeza. Por isso, correspondendo ao apelo da Comissão Nacional das Comemorações do Centenário da República, um grupo de cidadãos da Figueira da Foz, republicanos e democratas, em harmonia com os objectivos gerais das Comemorações, visa constituir uma Comissão Cívica da Figueira da Foz para as Comemorações do Centenário da República.

Essa Comissão Cívica terá como objectivo dinamizar - com as instituições, colectividades, associações e cidadãos que adiram a este projecto - um conjunto de iniciativas culturais diversificadas a nível concelhio, em ordem a contribuir para homenagear pessoas e instituições, contribuir para uma maior mobilização e participação da sociedade civil nas comemorações do Centenário, dando assim uma maior visibilidade dos objectivos pretendidos pela Comissão Nacional, especialmente junto das gerações mais jovens.

Este blog ou espaço conversável será, doravante, a pedra inicial que desvela essa pretensão e pretende animar este reencontro antiquíssimo com a nossa história local. Assim, convidamo-lo a aderir a essa futura Comissão Cívica, a divulgar este nosso apelo e a participar por uma República melhor.

Saúde e Fraternidade" [ler AQUI]

in Blog "100 Anos da República Figueira da Foz"