terça-feira, 27 de janeiro de 2009


In-Libris – Livros de Janeiro 2009

A In-Libris (Porto) apresenta um lote de 100 livros antigos e esgotados de filosofia, história, literatura, zoologia, arte, etc.

Referências: O Porto na época dos Almadas, de J. J. Ferreira Alves, 1988 / Folhas, Manifestos e Cartas [um manifesto d’A Federação Municipal Socialista do Porto, 1916; uma folha "Viva a Republica", 1910; uma folha "Crimes da Quadrilha Sidonista", 1919; outra folha, "Conjuras Reacionarias", 1910 / outra, ainda, de Norton de Matos, Á Nação”, 1948; uma "Carta Aberta ao Senhor Presidente da Comissão Provincial da União Nacional", s.d., assinada por Almeida Santos, Carlos Adrião Rodrigues, Henrique Soares de Melo e José Santa Rita; outra Carta do Senhor Bispo do Porto D. António ao Presidente do Conselho, 1958; outra Carta ao Snr. Cardeal Patriarca, por José Manuel de Deus, 1932; outra, ainda, de Cunha Leal a Paulo Cunha, 1965; outra de Cunha Leal ao Dr. Castro Fernandes, 1965] / Realidade Branca, de Raul Carvalho, 1968 / livros de Augusto Gil, Álvaro Lapa, Alexandre O’Neill, Antero de Quental, Melo e Castro, Eugénio de Castro, José Gomes Ferreira, João Cabral de Melo Neto, José Régio, Políbio Gomes dos Santos, José Rodrigues Miguéis, Ovídio, José Cardoso Pires, Alves Redol, Jorge de Sena, Mário Domingues, Fernando Luso Soares, Carlos Sombrio, Fernão Botto-Machado / uma edição rara da União Nacional "O que foi a democracia dos Partidos" / o Programa para a Democratização da Republica, 1961 / a Sessão de 30 de Novembro de 1946 do MUD / a Administração da Dictadura Clerical-Militarista, de Anselmo Vieira, 1929 /

A consultar on line.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009


58º Centenário da Real República da Pra-kys-tão

Foram muitos os amigos que ao longo do tempo nos deixaram testemunhos vibrantes, despretensiosas anotações ou dizeres sinceros, na sua passagem pela República, em eventos especiais, visitação ou por simples recordação. Bravos companheiros de viagem que o destino desirmanou mas que nunca foram esquecidos. E como poderiam? Sem a amizade e a veneração com que nos souberam honrar, a gesta da nossa Casa restaria sempre mais desventurada, menos saudosa. Daí que por obediência a uma memória que se quer luminosa, e que o tempo não apagou, AQUI deixamos algumas dessas eloquências, para que conste e possa ser vida. [ler AQUI]

Fundação: 27 de Janeiro de 1951

sábado, 24 de janeiro de 2009


José Sócrates e o caso Freeport

A caricatura política posta a correr pelo actual primeiro-ministro sobre uma presumida cabala em "ano de eleições", levada a cabo pelos seus adversários políticos (só pode!), em torno do incidente do Freeport é ridícula, pouco prudente e politicamente imperfeita.

1. É ridícula, porque a alusão feita por Sócrates pronuncia uma emblemática desonestidade (instrumentalização) da parte da PJ e do Ministério Público, atoarda ou eco costumeiro da classe política nestas questões paroquiais. Tal maquiavélico intento de duas instituições basilares no estado de direito democrático, nunca justificado nem fundamentado, mede a honra de quem as profere e surpreende vindo de um primeiro-ministro de um país civilizado. E surpreende, de outro modo, a mansidão da resposta (!?) dos dirigentes que dirigem as instituições difamadas. O incorrigível estado do país explica-se muito pela pouca dignidade e dever de consciência que (todas) essas personagens manifestam.

2. É pouco prudente, porque o figurino do despacho do processo de licenciamento do Freeport (14/03/2002) revela uma atribulada engenharia administrativa, onde as dúvidas técnicas & políticas surgem naturalmente. O que os jornais profusamente nos dizem, instalam a perplexidade e consagram a possível existência de irregularidades. Trata-se, não de mera carpintaria politico-partidária, mas da simples consagração do direito à informação. Como tal, o reparo feito por Sócrates neste caso e a cegueira habitual dos apaniguados íntimos, é uma recreação pouco inteligente e original.

3. É politicamente imperfeita, porque se de facto ninguém tem culpa da sua família de origem, nada irresponsabiliza quem quer que seja até ao total apuramento da verdade, até mesmo (ou por isso mesmo) o principal governante de um país. Ora o que se espera de um governante não é que impugne putativos adversários (ditos) políticos nesta contenta, mas que reconheça a gravidade dos factos apontados e defenda a sua honra pessoal e política em sede própria, a que tem necessariamente direito. Dramatizar e concitar o favor do gentio nesta ocorrência é, como estratégia, uma refalsada argumentação de autoridade. Só alicia quem inverosimilmente consente.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009


Catálogo 75 da Livraria Bizantina de Carlos Bobone

Saiu o 75º Catálogo de Livros da Livraria Bizantina (Rua da Misericórdia, nº147, Lisboa), superiormente dirigida por Carlos Bobone. Com 501 peças, quase todas há muito esgotadas, de teor literário, colonial, mas principalmente histórico – com exemplares curiosos sobre a monarquia portuguesa ou de interesse para a história da I República, integralismo lusitano & seus "desvios" - , bem como apresenta alguns manuscritos (registe-se o curioso projecto de Alargamento do Caes do Esteiro d’Aldeia no Concelho d’Estarreja, de 15 Janeiro de 1898) e uma notável COLECÇÃO DE PRIMEIROS NÚMEROS DE JORNAIS DOS SÉCULOS XIX E XX (ver AQUI), sem dúvida uma cobiçada peça de colecção.

Consultar a Livraria – AQUI.

Foto: interior da Livraria Bizantina (espólio nosso).

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009


Blog: Gentes & Lugares - Toponímia

Manuel Carvalho, ancorado em terras de Aveiro (paixão nossa que o tempo libertou), oferece-nos um espaço vigorado de gentes & lugares, "porque sem gente não há lugares, mesmo que os haja". Satisfazendo os nossos desejos, afinal ventura dos que sorriem sempre, recorda em cada post homens & lugares, nomes inolvidáveis & pedras erguidas, venerando datas e páginas ilustres da nossa história. Nação gloriosa!

Tábua:JOSÉ ESTÊVÃO Coelho de Magalhães 1809-1862 (biografia) / JOSÉ ESTÊVÃO Coelho de Magalhães (bibliografia activa e passiva) / JAIME DE MAGALHÃES LIMA 1859-1936 (biografia) / ver tudo AQUI.

An American Moment

"Today I say to you that the challenges we face are real. They are serious and they are many. They will not be met easily or in a short span of time. But know this, America - they will be met. On this day, we gather because we have chosen hope over fear, unity of purpose over conflict and discord. On this day, we come to proclaim an end to the petty grievances and false promises, the recriminations and worn out dogmas, that for far too long have strangled our politics ...

Now, there are some who question the scale of our ambitions - who suggest that our system cannot tolerate too many big plans. Their memories are short. For they have forgotten what this country has already done; what free men and women can achieve when imagination is joined to common purpose, and necessity to courage ...

The question we ask today is not whether our government is too big or too small, but whether it works - whether it helps families find jobs at a decent wage, care they can afford, a retirement that is dignified ...

For we know that our patchwork heritage is a strength, not a weakness. We are a nation of Christians and Muslims, Jews and Hindus - and non-believers ...

America. In the face of our common dangers, in this winter of our hardship, let us remember these timeless words. With hope and virtue, let us brave once more the icy currents, and endure what storms may come. Let it be said by our children's children that when we were tested we refused to let this journey end, that we did not turn back nor did we falter; and with eyes fixed on the horizon and God's grace upon us, we carried forth that great gift of freedom and delivered it safely to future generations ..."

[notas do discurso de posse de Barack Obama]

Locais: Text of President Obama's inaugural address (Ledger-Enquirer) / Obama's Speech Annotated, Part I (The Atlantic) / Obama's Speech, Annotated, Part II (The Atlantic) / Editorial President Obama (N.Y.T.) / Rejecting Bush Era, Reclaiming Older Values (N.Y.T.) / The Best (and Worst) Lines in the Speech (Slate) / Blunt criticism of the past (Chicago Tribune) / Barack Obama's Speech: A Disappointing Hodgepodge (The New Republic) / Discurso de Obama: Novo Presidente pede uma "nova era de responsabilidade" (Público) / Is Europe Ready for a Barack Obama? (ABC) / The new president's first duty: Tell Americans the 'whole truth' (National Review) / Obama: We must change with the world (F.T.)

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009


Pérolas ou Dicas para o Bloguista Instruído

- "Hoje em dia todos os professores chegam ao topo no final da sua carreira. Isto é injusto e não existe em qualquer outra classe" [José Sócrates, Público, 22/10/2006]

- "... é prática comum do grupo, todos os administradores quadros da CGD, quando deixam de o ser, atingem o nível 18 em termos de graduação interna" [in Público]

- "O jornalismo ... foi uma actividade que sempre fascinou Armando Vara" [in DN]

- "Greve [dos docentes] contou com 41% de adesão, diz ministério" [TSF]

- "Greve às aulas assistidas é «puro boicote» à avaliação, diz Jorge Pedreira" [in Sol]

- "Governo desautoriza votação [sobre a avaliação dos professores] na Assembleia da República" [diz o inefável Augusto Santos Silva, 1ª pág. Público de amanhã]

- "Banca pede à Sonae para evitar recorrer ao crédito" [in JN]

- "Estou de acordo com o plano anti-crise do Governo" [António Mota, da excelsa Mota-Engil, onde labuta o gestor Jorge Coelho, in Jornal de Negócios]

Pérola do dia: "A Confap [do sr. Albino] tomará medidas para que serviços como o refeitório e a guarda das crianças continuem a funcionar em futuras greves de professores, nem que para isso tenha de recorrer ao Tribunal Constitucional" [in Público]

PERFIL DO IDIOTA

O dia d’hoje – dia de greve dos docentes – fez aparecer, em sibilina fúria, o perfeito idiota. Aquele que, do governante ao comum dos mortais, intervém à espera que a sorte lhe sorria nas bandas da governação. O idiota é um rapaz estimável. Como o lacaio a quem o seu senhor manda entregar uma lembrança. O nosso perfeito idiota tem na literatura um excelente lugar. O seu segredo, que é a mesmo da congregação onde se matriculou, está há muito estudado.

Eis, como exemplo, um preceito para avaliação do perfil do idiota, pelo mestre Ernesto Sampaio, de sábia descrição:

"O IDIOTA é geralmente competente, moralmente irrepreensível e socialmente necessário. Faz o que tem a fazer sem dúvidas ou hesitações, respeita as hierarquias, toma sempre o partido do bem e acredita religiosamente nas grandes ficções sociais.

A incapacidade de relacionar as coisas, as ideias e as sensações transforma-a ele em forca, e como lhe escapam as causas e os fins do que lhe mandaram fazer, fá-lo com prontidão e limpeza, sem introspecções inúteis. Do mesmo modo, como vê no destino o único regulador da vida, acha que se uns dão ordens e outros obedecem é porque todos cumprem misteriosas injunções da providência, as quais é não só inútil, mas criminoso sondar.

O IDIOTA só pode ser bom. Para o mal, precisa-se de imaginação, inteligência discriminativa, espírito científico. (...) O IDIOTA é um bom cidadão. Sem ele, a sociedade entraria em curto-circuito, incendiada entre os pólos do dever e da desobediência revolucionária. (...)

Embora para um IDIOTA seja uma desvantagem não saber que o é, normalmente ninguém lho diz: segundo Brecht, «tornar-se-ia vingativo como todos os idiotas». Aliás, o mesmo Brecht diz que ser idiota não é grave: «É assim que você poderá chegar aos 80 anos. Em matéria de negócios é mesmo uma vantagem. E então na política!» (...)

Para o IDIOTA, os sentimentos e as emoções são «uma boa», constituindo dados manipuláveis. Em si mesmo, não acha qualquer sentido ou valor, mas de qualquer modo são coisas que lhe podem trazer vantagens ou desvantagens: é preciso, portanto, avaliar-lhes as implicações e consequências. Ao lidar com sentimentos e emoções, os próprios e os alheios, o problema, para o idiota, consiste em controlá-los, guiá-los, desfrutá-los, e isso implica trabalho, cálculos complicados e a aprendizagem de técnicas nem sempre fáceis. (...)

O IDIOTA circula à volta do sucesso como a borboleta em redor da chama, agarrando-se como lapa ou mexilhão a quem o alcança. Espertalhão, agrada-lhe receber, mas dá o menos possível, e arranja sempre qualquer explicação ética para justificar este comportamento. Na realidade, a sua lógica, elementar como as suas poucas ideias e imagens, consiste apenas em receber sempre mais do que dá. (...)

Os IDIOTAS andam sempre juntos: consomem os mesmos produtos, frequentam os mesmos locais, lêem os mesmos livros e jornais, e têm uma habilidade notável para descobrir e evitar quem não é idiota. Graças a Deus! A política, porém, unifica o conjunto da sociedade sob o signo da idiotia: pessoas estimáveis, notáveis até nos diversos domínios do saber e da cultura, quando chegam a política tornam-se idiotas. Triunfam, quer-se dizer. Tornam-se, enfim, públicas".

Ernesto Sampaio, publicado no Diário de Lisboa, de 12/06/1987, e reeditado no livro "Ideias Lebres", Fenda, 1994, p. 133-36.

A todos uma boa janta!

GREVE

in ANTEROZÓIDE

COM OS PROFESSORES!

A miserável campanha de intimidação, movida pela equipa do Ministério da Educação contra os docentes e muito bem inspirada nas boticas partidárias de Homens perturbados e sem honra, não passará. Os professores são cidadãos sérios, corajosos e exemplares. A nobilíssima missão que profissionalmente desempenham e a travessia que fazem em prol da (saudade) democracia é incontornável. Por isso, nesta desordem educativa, têm o respeito do país de Homens livres. A defesa da honra, do bom-nome, do ensino de qualidade e da instrução pública, são exercícios honestos de cidadania que todos os dias assumem, seguros que estão da sua liberdade. A insubmissão (de todos eles) contra a prepotência e o obscurantismo representa um sentimento generoso de independência e emancipação. A greve de hoje assim o mostrará!



"Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Caminhando e cantando
E seguindo a canção...

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...

Os amores na mente
As flores no chão
A certeza na frente
A história na mão
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Aprendendo e ensinando
Uma nova lição...
"

[Geraldo Vandré - Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores]

BOM DIA!

Acualização [13,00 h]: "Numa ronda por escolas da Grande Lisboa, a Lusa encontrou várias escolas fechadas e, na maioria dos casos, a funcionar com menos professores do que o habitual ..." - in jornal Público online.

- "Greve: pais ameaçam recorrer aos tribunais". Mas A Adesão Não Foi Muito Baixa? [in blog Educar]

sábado, 17 de janeiro de 2009


In Memoriam Tereza Coelho (1959-2009)

Faleceu ontem (dia 17) Tereza Coelho, excelente tradutora, uma notável jornalista literária (no Expresso de muita memória, no diário Público – onde dirigiu o estimado suplemento "Leituras" -, no jornal Independente, na revista feminina Elle e na revista "Livros"), e uma admirável e inesquecível mulher.

A Figueira da Foz, cidade que adoptou como sua e onde tinha muitos amigos (como não lembrar os tempos do então Festival de Cinema, ou o seu casamento com Eduardo Prado Coelho), deve-lhe muito. Assim a cidade a saiba evocar, condignamente.

Ler a notícia no jornal Público, no jornal Figueirense e no blog Da Literatura.

Foto: in Mário Cabrita Gil (A Idade da Prata)

domingo, 11 de janeiro de 2009


Leilão de Livros, Manuscritos e Gravuras – 12, 13 e 14 de Janeiro

No próximo dia 12, 13 e 14 de Janeiro (15h) no Palácio do Correio Velho (Calçada do Combro, 38 A - 1º, Lisboa), vai à praça (1034) livros, manuscritos e gravuras, de algum interesse e valor.

Algumas referências: Álbum de recortes de caricaturas (sec. XIX), uma Alcobacense curiosa, livros sobre o Alentejo e o Algarve, 2 vols do Almanach de Lembranças Luso-Brasileiro, a estimada Luzitania Transformada de Fernão d’Alvarez, o estimado Trás-os-Montes de Francisco Manuel Alves (Abade de Baçal) a que se junta um tomo das suas Memórias Arqueológicas (t. IX), os Anais do Município de Tomar de Amorim Rosa, o Anuário Comercial de Portugal (1910), livros de Arqueologia e Arquitectura e Arte (invulgar conjunto), Missais Romanos, o Livro de Horas da Condessa de Bertiandos, lote de livros sobre a Ordem de Cristo, Monografias estimadas, 2 raros livros de Barahona da Fonseca, a Década Primeira de João de Barros (1628), um lote de bibliografia (especial nota para a esgotada Imprensa Periódica no Distrito de Bragança durante a 1ª República), biografias variadas, um curioso quinzenário Orgão dos Bombeiros Voluntários Portuguezes (O Bombeiro, 1889-92), a estimada História da Luzitania e da Ibéria de João Bonança, conjunto (parcial) da revista literária Caliban (Lourenço Marques, 1972) encerrada pela PIDE, o De Angola à Contra-Costa de H. Capello & R. Ivens, uma curta Camiliana, lote de livros de Direito, Filosofia, Folhetos Históricos (sec. XVIII e XIX), obras de História de Portugal, conjunto estimado de fotografias, a revista de caça Diana, várias peças de Equitação e Cavalaria, livros muito procurados de Henrique Galvão, um conjunto curioso de livros de Culinária, os Inventários Artísticos de Portugal, um conjunto (1922-24) jornais do Suplemento Cultural do D.N., vários lotes de Gravuras, Literatura portuguesa variada e de poesia, livros de Ferreira de Castro, Hernâni Cidade, Cinatti, Jean Cocteau (Le Coq et L’Arlequin, 1918, raro), Natália Correia, Sttau Monteiro, Vergílio Ferreira, O’Neill, diversos e importantes Manuscritos e Documentos.

Pode consultar o Catálogo online, AQUI.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Educação- Lídia Jorge
View SlideShare document or Upload your own. (tags: jorge lídia)

EDUCAÇÃO: ponto da situação por Lídia Jorge

Nestes tempos de furor autoritário e de cárcere Sócratista, em que tudo e todos estão reféns da charamela do novo Partido Popular (moderado), é grato ler alguém que ouse ir contra essa bravata do “"grande reformador", que os zeladores da ordem e da situação apodam ao "grande educador" Sócrates. Os docentes foram, durante o ano que passou, a única "tribo" a repudiar tais teorias postas a correr por gente ignorante e sem escrúpulos, alguns com copiosos interesses no sistema e no pensamento único. E a única classe profissional a exercer, em plenitude, o exercício de cidadania.

A discrição do intelectual nativo, neste assunto da resistência da classe docente contra o fim da Escola Pública e da Educação, foi total. Não se ouviu do repertório intelectual indígena, curiosamente sempre alvoroçado em abaixo-assinados & outras ilustradas sentenças, nenhuma posição sobre os atropelos do Ministério da Educação contra a classe mais ilustrada do país. E que sempre, com elevada solidariedade, esteve ao lado dos que lutam contra o medo, pela democracia contra o despotismo, pela liberdade contra a ignorância. O desprezo de toda essa corja de putativos intelectuais pelos cidadãos, passado o tempo da ditadura e agora muito bem instalados na vidinha, explica em parte as décadas de atraso cultural (social e económico) deste malfadado país.

Por isso o desagravo da escritora Lídia Jorge [Público, 9 de Janiero de 2008, p. 38] soou alto, nesta miséria caseira. Por isso, o texto que corajosamente ofereceu a este colégio interno onde habitamos, foi generoso e até, mesmo, benevolente. E por tudo isso, merece ser lido e reflectido. E arquivado.

Nota: clicar no Fullscreen para ler tudo.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009


And Now for Something Completely Different

Cada um ao nascer traz uma dose de amor
mas os empregos,
os salários
tudo isso, seca o solo do coração

Maiakovski

AZIA pela Blogosfera

Daniel Oliveira contraiu a doença de mestre-escola. Numa posta, que não é mais que um suplemento vigilante de exortação à pregação de um coio de jornalistas acofiados ao poder, pretende refutar os ditos de circunstância de José Pacheco Pereira sobre o jornalismo de clientela e o estado parodista da blogosfera. Sobre o exame desses pregadores caluniosos que pululam na imprensa e pela Blogosfera, onde apresentam esplêndidos compêndios reaccionários "pret-à-porter" e (decerto) com aprovação do senhor Sócrates & Cia, o vigilante Daniel Oliveira escreve um papel em branco.

O brevíssimo tratado de raiva anti-JPP é, desta maneira, um catecismo que em vez de dissecar as meditações pachecais dessa escolástica figura – desde a sua patologia (neo)liberal sobre o Estado à miséria da produção de exóticas teorias sobre a administração Bush, até ao imoral apoio ao business espectáculo do governo de Israel -, acompanha o labor da infâmia e a manipulação insidiosa de alguns jornaleiros e comentadores contra JPP, mas do mesmo modo contra os cidadãos (da esquerda ou da direita) que fazem da resistência e desobediência civil contra o autoritarismo, o insulto e a mentira um orgulho de cidadania e um trânsito democrático contra a alienação, e que histericamente tais espíritos jornaleiros combatem. De facto, o bloqueio ideológico que os Bettencourt Resende, Hermínio Monteiro, Fernando Madrinha, João Marcelino, Fernanda Câncio, José Leite Pereira, Sousa Tavares, Rui Ramos, Peres Mettelo, António Costa (D.E.), Santos Silva (e tantos mais corifeus sem ética, nem vergonha) exalam nos seus boletins paroquiais é para Daniel Oliveira totalmente indiferente, ou quanto muito rimadas e piedosas intenções apenas a suspirar.

Daniel Oliveira, como outros, não conseguindo dissimular a rusticidade de um activismo institucional comprometido (na blogosfera) e a obediência cega (quando não, submissão) às regras e à aporia da amizade, neste seu texto, desresponsabiliza os novos "democratas" (arrependidos!) que arribaram à blogosfera e cujo revisionismo militante é provocatório, senão mesmo fascizante. Compreende-se, assim, como o crítico Daniel Oliveira, intervenha bizarramente contra JPP, demonizando-o, deixando de lado alguns hóspedes que a blogosfera acolheu, absorvido que estava na defesa de causas fracturantes, e que, ingenuamente, lhe sussurravam serem de esquerda. A beata Câncio & seu grupelho, e alguns jovens maviosos que deram então serventia ao Blogue de Esquerda ou ao antigo Cinco Dias, estão por aí como exemplo. Tem, portanto, Daniel Oliveira muita análise política para se ocupar. Cocheiros do sr. Sócrates e rosas todo o ano são inestimáveis repastos que abundam por todo o lado. Assim queira o meu caro amigo Daniel surpreender os seus leitores e não sussurrar, apenas, a arqueologia do disparate.

ESTADO DO PAÍS em 2009

a noite cerrou as janelas
alastrou um império de improviso para os
cães sem nome sem dono e atirou o seu queixo de toneladas até
à mancha espalmada do rio

é a sua maneira de nos insultar
a tristonha envergadura da sua queixa
...
Cada um de nós, deve ser, não a lei, mas
o galho inopinado e ímpar
o plano imediato da evasão
alucinado e lúcido

Cada um de nós deve ser o momento
de recusar férias à ferida.

[José Sebag, "O Planeta Precário"]

Os papa-educação

Duas figuras da educação indígena são curiosas de seguir: a sra. Margarida Moreira (DREN) e o piedoso Jorge Pedreira. A primeira, infamantemente ofendida por José Sócrates (fez parte da equipa de Santos Silva, ministro da educação dos "30 anos perdidos") tem o vício do disparate, mas não virá daí mal ao mundo. Os funcionários partidários são imortais, passe a indigestão da sua utilidade. Existem para a falange e milagrosamente, depois de arruinarem tudo e todos, lá estarão prontos outra vez para novos atropelos à cidadania, em nome da nebulosa eleitoral dos interesses. O caso do sr. Pedreira é de outra índole. Governante sem boa fé, sem qualidade moral, enérgico de venalidades, agoniza entre a voz do dono e o emprego que precisa. A expiação do antigo e "perigoso" ex-sindicalista não explica (como também em Margarida Moreira) tudo. Mas não deixa de ser curioso o raminho de ex-sindicalistas (quase todos nunca trabalharam) que é incansável nas ameaças e no ataque a quem, livremente e com dedicação, trabalha. O sr. Pedreira ameaça, porque tem poder. Se estivesse no tempo do Estado Novo, tudo se esperaria de tão proeminente sujeito. Mas, felizmente, não está. Um dia (e que seja breve) sairá do lugar onde nunca devia ter estado. E depois, talvez, seja fulminado pela mesma "mortalha" com que brindou os docentes, os alunos e os cidadãos impolutos. Só que, nessa ocasião, ninguém se levantará em sua defesa. O epitáfio será cruel. Porque os deuses não dormem.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009


Um homem transtornado

O primeiro-ministro abriu o ano de 2009 indiciando um movimento de apoio caritativo a diversas instituições privadas e públicas, a bem da recessão e das próximas eleições. O que se viu foi que não basta o discurso recitado ad nauseam sobre um inenarrável O.E. e a ruidosa intervenção proposta no lado da procura. Tal raminho de medidas, a par do tricotar keynesiano (por ora, descoberto), não é relevante.

Sobre a primeira missiva a ideia feita é que nada sabe do que se passa no mundo, não autorizando o benemérito presidente do conselho a apelar histrionicamente para os calamitosos tempos d’hoje e para o porvir da luz dos amanhãs. A situação financeira ainda não foi totalmente desvelada, sendo que as receitas contra ela nos E.U.A. (e no mundo em geral) parecem improcedentes. Assunto que, como habitualmente, o grupo de representantes do economês indígena ignora, por parcimónia. Tenha-se em conta a crescente opinião sobre o nível expressivo que vai ter a recessão na Alemanha e na China (e portanto os efeitos na procura que daí resulta), as medidas aventureiras (como a suspeitosa e calamitosa medida na G.M., via GMAC, entre muitas outras) contra a crise (ainda) da colheita de George Bush, o regresso do obscuro romance da Lehman Brothers, o impacto da deflação que vem a caminho e as medidas irreais da política monetária que do lado de lá se tomam, para que se obtenha um "buraco negro" de difícil prognóstico.

Quanto à sua segunda missiva – as eleições – é possível que Sócrates tenha enternecido muita gente. A paróquia é o que é. Mas não deixa de se notar que a sua presença televisiva foi de um homem transtornado. Muito transtornado. E, como tal, perigoso. Que Portugal tenha, numa situação difícil como a de hoje, um sujeito destes à frente do país, é um fado enorme. Um problema maior.

ARQUIVO DE ERNEST HEMINGWAY

O Museu Ernest Hemingway (Finca Vigia, a 12,5 km de Havana) abriu o Arquivo do romancista (brevemente on line), onde se pode ter acesso a "fotografias, cartas e manuscritos, além do epílogo, nunca publicado, do romance "For Whom the Bell Tolls" [aqui]. Ao fim de de 47 anos o espólio, que estava "armazenado no sótão da casa onde viveu Hemingway" (durante 20 anos) pode ser consultado.

Como aqui se refere, "o material inclui mais de 2.000 documentos, que vão desde manuscritos de algumas de suas obras até cartas, passando por recibos de lojas, além de 3.500 fotos e 9.000 livros. Desses livros, 2.000 foram lidos por Hemingway porque ele fez anotações em suas margens".

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009


EFEMÉRIDES ALMANAQUE REPUBLICANO: PROPOSTAS PARA 2009

No ano em que avizinha o Centenário da República, o Almanaque Republicano propõe-se recordar e vasculhar nos baús da memória colectiva deste povo e avivar alguns momentos que têm progressivamente vindo a cair no esquecimento.

Quando há um século surgia a publicação do Manifesto Futurista de Marinetti, em Itália, e em Espanha se assistia ao fuzilamento de Francisco Ferrer, no nosso país, os republicanos, reunidos em Congresso em Setúbal, decidiram abandonar a luta pelo poder pela via eleitoral e enveredar pela via revolucionária. Entramos no ano da conspiração. A criação da comissão militar, essencialmente constituída por marinheiros, para preparar a revolta; a propaganda anticlerical, com grandes manifestações realizadas em Agosto e Dezembro; a intensificação da agitação operária e anarquista com greves, bombas e prisões; a realização do Congresso Nacional Operário; surgem novos escândalos na vida política portuguesa como o caso problema do açúcar na Madeira e a questão do Banco Predial; a instabilidade governativa era uma constante e o Partido Republicano assistia à morte de algumas figuras importantes como João Pais Pinto. Ainda nesse ano morre, António Augusto da Rocha Peixoto, antigo director da Biblioteca Publica do Porto e director da revista Portugália. Neste mesmo ano, nasceu também o ilustre escritor e activo membro do Partido Comunista, Joaquim Soeiro Pereira Gomes. Realiza-se também o Congresso Municipalista em Lisboa (...) [continua, ler AQUI]

Vídeo: Fotos do Blog (2006-08); Música: Mozart - Die Maurerfreude (Alegria dos Maçons) K471; Officina Almanaque Republicano, Janeiro 2009.

ler tudo no Almanaque Republicano.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009


The Worst Predictions About 2008

A Business Week apresentou as 10 piores previsões feitas para 2008 pelos sábios analistas em economês & outros teóricos do santo mercado. De fazer empalidecer o dr. Daniel Bessa, pestanejar a indulgente Teodora Cardoso e amuar o eng. Sócrates.

Algumas bem curiosas:

- AIG (AIG) “could have huge gains in the second quarter.” —Bijan Moazami, analyst, Friedman, Billings, Ramsey, May 9, 2008

- "I think this is a case where Freddie Mac (FRE) and Fannie Mae (FNM) are fundamentally sound. They’re not in danger of going under…I think they are in good shape going forward.” — Barney Frank (D-Mass.), House Financial Services Committee chairman, July 14, 2008

- "I'm not an economist but I do believe that we're growing." — President George W. Bush, in a July 15, 2008 press conference

- "Existing-Home Sales to Trend Up in 2008" —Headline of a National Association of Realtors press release, Dec. 9, 2007

- "I expect there will be some failures ... I don't anticipate any serious problems of that sort among the large internationally active banks that make up a very substantial part of our banking system." — Ben Bernanke, Federal Reserve chairman, Feb. 28, 2008

- "In today's regulatory environment, it's virtually impossible to violate rules." — Bernard Madoff, money manager, Oct. 20, 2007

Entretanto a Business Week já apresenta, em triunfo, a antevisão para 2009. Valentes!