domingo, 25 de novembro de 2007


Letra de Forma

"... Letra de Forma será uma página de crítica e opinião, prosseguindo no espaço digital aquela que foi a minha actividade na imprensa ao longo de muito anos. Como tal, e de acordo com a defesa que sempre fiz de que a crítica deve ser também uma actividade profissionalizada, este espaço, diferentemente da generalidade dos blogs, é também ele feito numa base profissional. De algum modo, aliás, retomam-se assim questões que tem vindo a suscitar importantes controvérsias sobre as relações dos espaços críticos na imprensa e nos blogs, e sobre se eventualmente estes estão a contribuír para o definhamento de tais espaços no meio imprenso. O anacronismo do título, Letra de Forma, é também uma resposta pessoal: aqui se escreverá tal como na imprensa, interessando menos, mesmo muito pouco, algumas das interacções características da blogosfera ..."

[Augusto M. Seabra, in Uma página de crítica - ler mais aqui]

O final deste infausto ano, que não deixa saudades tão merdoso que foi, ensaia subtis venturas futuras. A chegada de Augusto M. Seabra à blogosfera – sempre muito afoita por lindismos políticos mansos com o poder – é uma boa notícia. Uma óptima notícia.

Leilão - Photographs, Rare & Photography Books and Advertising Art

Novo leilão, já devidamente anunciado pelos jornais [ver Público de 23/11/07] e que tem entusiasmado os amadores de fotografias e bibliófilos, da Leiloeira Potássio4 [Rua dos Navegantes, 16] no dia 6 de Dezembro próximo, a cargo de Luís Trindade.

Um conjunto de peças de colecção, valiosas e de enorme raridade, desde uma curiosa foto do Paço das Escolas da Universidade de Coimbra (1870), uma fotografia de Sarah Bernhardt com dedicatória a Silva Pinto, um conjunto valioso de fotos de Fernando Pessoa e familiares, a tão conhecida foto do poeta F. Pessoa acompanhado pelo jornalista Augusto Ferreira Gomes descendo o Chiado, o manuscrito (definitivo) de Indícios de Oiro de Mário de Sá-Carneiro, livros de recortes que pertenciam a Mário de Sá-Carneiro, os dois primeiros exemplares da revista inglesa Blast [1914] em que participaram T.S.Eliot e Erza Pound, um livro hermético do sec. XVI [De Secretis Libri XVII Ex varilis Authoribus collecti ..., de Johann Jacob Wecker, 1582] que estava na posse de Fernando Pessoa, vários e curioso cartazes editados pelo Estado Novo, fotografias de Sebastião Salgado. O Catálogo pode ser consultado on line.

A não perder.

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Esta Noite ... estivemos (quase) assim!

"Antes do começo
Antes do nenúfar da origem ...
" [Ernesto Sampaio]



[descoberta feita por entre as "coléras da noite" e a "sombra dos olhos", via A.S.F.]

Ysabella ... Gracias

Boletim de Novembro da Livraria Moreira da Costa

Saiu o Boletim de Novembro da Livraria Moreira da Costa (Rua de Avis, 30, Porto). Peças raras, estimadas e curiosas de/sobre Camilo, Revistas Literárias, Monografias, História, Literatura, etc. Pode ser consultado on line.

Algumas referências: Diccionario Exegético que Declara a Genuína, e própria significação dos vocábulos da LINGUA PORTUGUEZA, adoptados unicamente pelos Sabios da Naçaõ ..., por Francisco Luiz Ameno, 1781 / O Aristarco Portuguez. Revista Annual de Crítica Litteraria. Coimbra, Impr. Univ. 1868 / Homenagem a Camilo no seu Centenário, de António Baião, 1925 / O Século e o Clero, de João Bonança, 1872 / Camillo Homenageado. O Escriptor da Graça de da Belleza, Famalicão, 1920 / O Mosteiro de S. Marcos, de J. M. Teixeira de Carvalho, 1922 / O Romance d'um Homem Rico, de C. C. Branco, 1861 / Cidade Nova. Rev. Coimbra, I série, nº1 (Set. 1949) à VI série, nº1, (1959) / Os Ratos da Inquisição, de António Serrão de Castro, 1883 / Iniciação à Bibliofilia, por João José Alves Dias, 1994 / Camilo e as Caturrices dos Puristas, de Eduardo José Pinheiro Domingues [João Curioso], Rio de Janeiro, 1924 / Camillo Castello Branco e Silva Pinto, ..., Lisboa, 1918 / A Astronomia Moderna e a Questão das Parallaxes Sideraes, por Henrique de Barros Gomes, 1872 / L'Illsustration Horticole. Journal special des Serres et des Jardins, ..., 1855-1869, XIII vols / Journal des Jornaux de La Comune, ..., 19 Mars au 24 Mai 1871, Paris, Garnier Frères, 1872, II vols / Dolos, Homens & Bestas, de Joaquim Madureira [Braz Burity], Porto, 1931 / Essai sur la Tactique de L'Infanterie, ..., por Gabriel Pictet, Geneve, 1761, II vols / Codigo Pharmaceutico Lusitano ou Tratado de Pahrmaconomia, ..., por Agostinho Albano da Silveira Pinto, Coimbra, Impr. Univ., 1841 / O Professor Maximiano Lemos, por Alberto Saavedra, Porto, 1923 / O Pensamento de Salazar, Ed. SNI, 1944-1966, XXX fasc. / D. Miguel I, obra anónima [António Ribeiro Saraiva] c. pref. José Agostinho Macedo, Lisboa, 1829 / Iniciação. Cadernos de Informação Cultural, de Agostinho da Silva, 1940-43, XI fasc.

sexta-feira, 16 de novembro de 2007


O trabalho

"- Como está a sair o trabalho?

- Uma merda!, diz o escritor-que-detesta-escrever com a náusea de quem está positivamente farto da amante.

Mas não está.
"

[Alexandre O'Neill, Achegas para a compreensão do caso de o-escritor-que-detesta-escrever, in "Uma Coisa em Forma de Assim", Presença, 1985]

quinta-feira, 15 de novembro de 2007


In-Libris – Livros de Novembro 2007

Mais livros disponíveis este mês na In-Libris (Porto).

Apresenta obras estimados de literatura, monografias portuguesas, culinária, gastronomia e tabaco, revistas, apresentando curiosas peças de Al Berto, Alexandre O’Neill, Aquilino Ribeiro, Camões, Cruzeiro Seixas, Dante Alighieri, João Cabral de Melo Neto, Jorge de Sena, Júlio Dantas, Leite de Vasconcelos, Luiz Pacheco, Ovídio, Rebello da Silva, Trindade Coelho, Vergílio Ferreira, Vicente Aleixandre, etc.

A consultar on line.

A comissão política reunida

"A democracia seria ideal se não tivesse sovaco; tudo! tudo, menos tal cheiro de suor honrado" [Paula Ney]

Conforme rezam alguns escribas mais afoitos, parece que hoje reuniu a Comissão Política Nacional dos amigos do sr. Sócrates. Os bravos e alegres folgazões que adornam tal comissão de festas andavam muito folgados: há três meses que não aliviavam o espírito socialista do sr. Presidente do Conselho de Ministros.

Os nativos andavam, por isso, pesarosos. Com muita razão. Nestes dias passados não se ouviu mais o riso do dr. José Lello – puro, cintilante e vicioso – o que dá sempre matéria para qualquer croniqueta proveitosa. Não voltámos a conhecer o génio venatório do sr. Vitalino Canas (até agora) e nem mesmo brotou (salvo ... seja!) qualquer invulgar suspiro da dr. Edite Estrela, evidentemente para enobrecer os indígenas filiados na agremiação. Enfim, três santos meses em que não se ouviu tartamudear nenhum "bem-haja! sr. Presidente do Conselho de Ministros".

Adivinhou-se, portanto, neste encontro festivo, a ocasião (assim consta, pelo gorjeio de Vitalino Canas) para cintilar a tremenda luz operária do sindicalista João Proença. Até mesmo se pode antever o ecoar da voz possante de Marcos Perestrello, coisa que terá encantado, decerto, os infaustos comissionistas; do mesmo modo, amanhã saberemos o efeito do ardente eco político dessa inolvidável figura que é Miranda Calha. Ou humedeceremos com a presuntiva lição oratória do ex-estudante Alberto Martins, agora a banhos no seio socrático, que não se negará à empolgada assistência.

Entretanto nas soçobradas Concelhias, sem o arrimo de outrora e convulsas de terror socrático, alguém apontará a impostura daquilo tudo. Mesmo que o dr. Vítor Ramalho se afadigue em juras públicas socializantes, sente-se e ouve-se por todo o lado vitupérios sem fim. O vernáculo regressa em força, pois o hálito da rosa anda fétido. E ninguém correu a avisar o dr. Jorge Coelho. Não há direito. Ingratos!

quarta-feira, 14 de novembro de 2007


1º Boletim Bibliográfico da Livraria Antiquária do Calhariz

Saiu o 1º Boletim Bibliográfico da Livraria Antiquária do Calhariz, de José Manuel Rodrigues (Largo do Calhariz, 14, Lisboa). Peças estimadas e raras (muitas referentes ao Brasil) de História, Genealogia, Poesia, Romance, Ensaio, Monografias, um conjunto de curiosos Alvarás brasileiros do sec. XIX, revistas literárias & muito mais.

Algumas referências: Engomadeira, de J. Almada Negreiros, 1917 / Poezias de Pedro de Andrade Caminha, Lisboa, 1791 / Árvore. Folhas de Poesia, 1951-53, V vols / Adereços Endereços, de J. Carlos Ary dos Santos, 1965 / Estado Actual das Pescas em Portugal, Lisboa, IN, 1891 / O Capitalismo Moderno e as suas origens em Portugal, por Bento Carqueja, 1908 / Os Jardins ou a Arte de Aformesear as Paisagens, trad do poema de Mr. Delille por Barbosa Bocage [ed. Impr. Régia do Brasil], 1812 / Motivos de Beleza, de António Botto, 1923 / História de D. Pedro II, por Pedro Calmon, Rio de Janeiro, 1975, V vols / Os Caminheiros e Outros Contos, de J. Cardoso Pires, 1949 / Obras invulgares e raras de C. C. Branco [A Filha do Arcediago1854; Archivo Bibliographico, nº1, Jan 1895 ao nº14, Fev 1896, XIV numrs; Esboços e Apreciações Litterarias, 1865 / O Caleche, por C. C. Branco (raro), etc.] / Revista de Ex-Libris Portuguezes, dir. Castro e Solla, 1916-1927, VI vols / Alguns Mitos Maiores, de M.C. Vasconcelos, 1958 / Conversa de Rotina, de Rui Cinatti, 1973 / O Criacionismo, por Leonardo Coimbra, 1912 / Colecção de Opúsculos relativos à Historia das Navegações ..., Lisboa, Acad. Real Sciencias, 1944 e 1955 / Contraponto. Cadernos de Critica e Arte (nº1 de 2 numrs), 1950 / Critério. Revista mensal de cultura, 1975-76, VIII numrs / Tanto, de Saul Dias, 1932 / Fel, por José Duro, 1898 / O Manuscrito na garrafa, de Daniel Filipe, 1960 / Graal, rev dir. Couto Viana, 1956-57, IV numrs / Apresentação do Rosto, de Herberto Helder, Ulisseia, 1968 / Pecado, de Pedro Homem de Mello, 1942 / Alma Errante, de Eliezer kamenezky, 1932 / Erro Próprio, de A. Maria Lisboa, 1962 / Exercício sobre o sonho e a vigília de Alfred Jerry, de A. Maria Lisboa. s.d. / Litoral, rev mensal cultura, dir. Carlos Queiroz, 1944-1945, VI vols / Variedades sobre objectos relativos às Artes, Commercio e Manufacturas, por José Accursio das neves, 1814-17 / Revista Oceanos, nº1 ao nº 49 / Obras várias de Luiz Pacheco / Apenas uma Narrativa, de António Pedro, 1942 / Historia de Portugal nos sec. XVII e XVIII, por Rebello da Silva, 1860-71, V vols

sábado, 10 de novembro de 2007


Norman Mailer [1923-2007]

"Estamos todos gozando sem fruição, um gozo sem prazer, quantitativo. Antes, tínhamos passado e futuro; agora, tudo é um enorme presente" [N. Mailer]

Nascido em New Jersey nos tempos idos de 1923, Norman Mailer, ao longo da sua vida de controvérsia, de rebeldia e, ao mesmo tempo, de curiosa boémia, fez de tudo um pouco, enchendo de assombro os desarvorados indígenas americanos (e não só).

Este auto-intitulado "conservador de esquerda", engenheiro industrial, jornalista ou contador de estórias (no que dá no mesmo), tropa nada embaraçado no II G. M., estudante da Sorbonne, comentador político (do american way of life) sem pasmo mas de riso civilizacional (coisa que entretanto desapareceu na bruma do politicamente correcto), chauvinista militante e femeeiro encartado, novelista ácido, biógrafo de altos astrais, violento no trato e no corte-e-costura cavalheiresco ["Once more, words fail Norman", disse uma vez Gore Vidal, depois de ser agredido por Mailer, que lhe tinha chamado isso mesmo ... "violento"], ensaísta e romancista, bebedor sempre virtuoso, teatrólogo e escriba de roteiros fílmicos, morreu hoje, com 84 anos. Intensos, eloquentes, brutais. Como deve ser.

Até sempre Mailer!

sexta-feira, 9 de novembro de 2007


Leilão de Livros e Manuscritos – dias 12,13 e 14 Novembro

Vai a leilão um conjunto de Livros e Manuscritos valiosos e muito estimados nos dias 12, 13 e 14 de Novembro (sempre pelas 21 horas) - no Amazónia Lisboa Hotel (ao Jardim das Amoreiras), em Lisboa -, organizado pelo livreiro & leiloeiro Pedro Azevedo.

O magnífico e luxuoso Catálogo publicado por Pedro Azevedo para o leilão revela um conjunto assinalável de peças raras de Bibliografia, Folhetos vários, História, Genealogia, Literatura, Revistas e Periódicos, bem como um lote de importantes Manuscritos. E, como sempre, os lotes vêm descritos no Catálogo com notas biobibliográficas preciosas, que fazem a felicidade do amador de livros.

Um leilão notável e a não perder.

quinta-feira, 8 de novembro de 2007


Almanaque Republicano - Primeiro Aniversário

"Alma! Eis o que nos falta. Porque uma nação não é uma tenda, nem um orçamento uma bíblia". [Guerra Junqueiro]

Faz hoje um ano que lançámos o Almanaque Republicano. Exemplar único da Alma Republicana, na blogosfera indígena. Pouso de genuína "ascendência portucalensis". Lugar dum tempo de antiquíssima saudade, e que em boa hora retomámos em merecida ventura. Eis, passado um ano, o canto, a gesta e a demanda admirável de uma "geração sonhadora, generosa e messiânica", como aqui dissemos.

(…)

Na nossa incursão à Alma Republicana surge, por isso, um abraço humílimo, restaurado, ao antiquíssimo cantar do "espírito lusitano" que a tradição fez sorrir. Os "nossos antigos" [Antero] não morreram, mas ainda não estão. Por isso continuamos em "velada d'armas". O Édito dessa anunciação ainda é o rasto do nosso versejar. Ainda é o alento que rompe sombras, "pois não há sono no mundo" [F. Pessoa].

E por isso temos tenção de continuar. Entretanto um abraço.

in Almanaque Republicano

quinta-feira, 1 de novembro de 2007


Anúncio completamente grátis

V. Excia anda irritadiço com a sua situação financeira e os situacionistas da União Nacional, sente arrepios de frio socrático correndo na espinha quando depara na TV com a bestial figura de Jorge Coelho e vocifera em espirituosa abundância na leitura das ordenanças da Sra. Ministra da Instrução? V. Excia sente-se advertido, por amor da Europa e pela pia caridade do sr. José Miguel Júdice, com as prevaricações por si feitas ao Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Ministros e teme pelo seu mísero lugar e dos seus, tanto como se comove com um discurso do sr. Alberto Costa? V. Excia sente um frémito de medo a invadir-lhe o escritório e a casa, pressentindo o roçar do espectro do agente do SNI, o dr. Augusto Santos "Chávez", que sobre as janelas misteriosamente voa? V. Excia, agora apático, titubeante e um pouco madraço, faz tenção de deambular em liberdade e sem tristes lembranças pela sua própria casa, sem ser incomodado pelos espias da governança e o horror de ouvir a voz e o suspiro do sr. M. Sousa Tavares?

... então não hesite. Contra olhares errantes, fugidios, insidiosos ou contra a propaganda do governo ou do DN, em sua casa ou na da vizinha, eis que chegou: "Stores Confortâble". Os únicos que dão felicidade a V. Excia e ao país. Compre já!

Temos andado ... assim!

... a cavalgar o mundo, perdidos nas distâncias e nas almas. Parecemos lobos em deserto puro. Mas não muito! Fugimos à nova noite negra política que se instalou definitivamente entre nós. Não temos nada a dizer, não temos nada a contar. Não adormecemos ainda mas também não vemos o sol. Estamos cansados de estar cansados. De nós, todo "o destino é insuportável". A canalha já pouco nos importa e as manobras de todos vós não deixam de ser um raminho de dia de defuntos. Podem ser assunto civilizador mas o relógio da vida está parado. Sempre, e continuadamente, parado. Quisemos descansar de tanto palavreado inútil, de tanta propaganda pífia, de tanta soberba. Por isso só nos ocorre esse lugar-comum quanto exacto: temos a vida e os governantes que merecemos.

Mas estamos de volta. Para o que der e vier.

Bom dia!