sábado, 31 de janeiro de 2004


Centenário da REAL REPÚBLICA DO PRÁ-KYS-TÃO


[Coimbra, fundada em 1951]


"Da carunchosa linhagem dos Cabedos"

Viri Doctissimi

O debate mensal na Assembleia da República foi esclarecedor. O prócere dr. Barroso a matraquear promessas para o próximo ciclo eleitoral; o liliputiano Marques Mendes a fazer de ponto nessa vil comédia brejeira; a senhora do défice, Ferreira Leite, ar patriótico de orgulho por não ter perdido os 3 por cento do PEC, respeitavelmente meditabunda, pensando quiçá na próxima espoliação aos funcionário públicos; a rapaziada desmemoriada do PP em pânico e à beira da extrema-unção. Uma estucha, é claro.

Inimputável, diz Louçã sobre a política levada a cabo pela senhora ministra da Justiça. Absolutamente. Só resta saber se a senhora ministra, a quem alguém com piada disse que sabia de fiscalidade, é de facto ministra. Até hoje, temos dúvidas. Daí o assombro.

O berrador Pires de Lima, barão viril da extrema-direita com assento parlamentar, desata em impropérios vários contra o anti-colonialismo de Mário Soares, ao mesmo tempo que a sua bancada ameaça processar o deputado do BE, Francisco Louçã em tribunal por ter considerado ser a ministra (?) Celeste Cardona inimputável politicamente. Curiosamente tudo isto aconteceu no dia em que a TSF apresenta uma sondagem eleitoral (TSF/DN/Marktest). Coincidências?

Em entrevista a Carlos Vaz Marques (Pessoal ... e Transmissível), a escritora Agustina Bessa Luís confessa que "gostaria de fazer milagres". Que Deus seja louvado. É que depois de ter patrocinado a luminária da intelectualidade indígena o dr. Santana Lopes, qualquer milagre é absolutamente desnecessário.

Norman Mailer

n. em New Jersey, a 31 de Janeiro de 1923

"O senhor se define como um conservador de esquerda. O que é isso?
MAILER: Acredito que há coisas extraordinárias neste mundo que estão em vias de extinção e que temos de lutar para que sobrevivam. Por exemplo, a arquitetura antiga, como a de Edimburgo, ameaçada pela enorme feiúra das novas construções. Acredito que as sociedades humanas deveriam se basear numa cooperação que não estivesse centrada no dinheiro, mas na experiência concreta do homem. Meu conservadorismo de esquerda é a denúncia dos aspectos opressores e totalitários das novas tecnologias, é uma tentativa de conservar o que há de bom neste mundo. Não creio na utopia da ciência: "confie em nós e viverá 200 anos com as mesmas condições que tinha aos 50". É totalmente falso. Não podemos fazer nada contra a lei natural da energia.

Seu último livro fala da guerra do Iraque.
MAILER: Opus-me radicalmente a ela porque se disseram coisas inventadas. Não encontraram sequer uma arma de destruição em massa. Saddam é um monstro, mas não tinha vínculos com Bin Laden. Pelo contrário, eram rivais. As pessoas não importam para nossos líderes, o que fazem é matá-las às centenas. Para quê? Nada pode levar a democracia a um povo, esta é uma idéia equivocada. A democracia é um estado de graça que só é alcançada por povos com muitíssima gente conscientizada. As únicas coisas que levamos ao Iraque foram violência e morte.

O senhor conheceu pessoalmente presidentes americanos como John Kennedy e Ronald Reagan. O que pensa de Bush?
MAILER: Por trás da guerra do Iraque está o seu desejo de se apoderar do Oriente Médio e do mundo. É perigoso: segunda sua própria confissão, crê que Deus o livrou do alcoolismo para o levar até a Casa Branca. Isso dá medo.

[Entrevista de Norman Mailer, La Vanguardia]

sexta-feira, 30 de janeiro de 2004



Boris Spassky

n. em Leningrado a 30 de Janeiro de 1937

[Spassky - Nickolaevsky Kharkov, 1963]

. f4 Cfd5
. Tad1 ...




Catálogo nº 18 de Luís Burnay, Janeiro 2004

O livreiro-antiquário Luís Burnay (Calçada do Combro, 43-47, Lisboa) lançou a sua lista nº 18 (nova série) do mês de Janeiro com 552 obras, a preços muito acessíveis. Depois de um excelente leilão, Burnay aí está com o seu novíssimo catalogo.

Algumas referências: Almanach histórico e illustrado de Villa Viçosa para o anno de 1910, Évora, 1909 (c/ um listagem dos administradores da vila) / Almanach Liberal para 1876, 1º anno da sua publicação, Coimbra, 1875 (raro) / O Archivo da Torre do Tombo ..., por António Baião, 1905 / Leal Conselheiro, o qual fez Dom Duarte …, por Don Duarte Rei de Portugal, Pariz, 1854 (c/ introd. do Visconde de Santarém) / Da Vida e Morte dos Bichos (subsidio para o estudo da fauna de Angola e noas de caça), de Teodósio Cabral, Abel Pratas & Henrique Galvão, Lisboa, 5 vols / Arqueologia Árabe em Portugal, de Correia de Campos, Lisboa, 1965 / Taxas dos Ofícios Mecânicos da Cidade de Coimbra no ano de 1623, de J. M. Teixeira de Carvalho, Imp. Univ., 1923 / Dictionnaire des Operas (Dictionnaire Lyrique) ..., de Félix Clemént & Pierre Larousse, Paris / Manual Politico do Cidadão Portuguez (2ª ed.), por Trindade Coelho, 1908 / Soror Marianna a Freira Portugueza (2ª ed.), de Luciano Cordeiro, Lisboa, 1891 / Cultura da Granza, ou Ruiva dos Tintureiros ..., Lisboa, 1803 (opúsculo raro de botânica) / Descrição abreviada do Concelho de Cabeceiras de Basto principalmente da freguezia de S. Miguel de Refoyos sua capital por um Cabeceirense, Lisboa, 1874 (rara monografia) / D. Afonso Henriques e a Fundação da Nacionalidade Portuguesa, por Tomaz da Fonseca, Coimbra, 1949 / A Arte em Portugal, de José Augusto França (Séculos XIX e XX) / Manual do Navegante: regras e preceitos da lide do mar por Guilherme Ivens Ferraz, (da Biblioteca de Instrução Profissional de Bordalo Pinheiro) / Do Restauro dos Painéis de São Vicente de Fora, por António Manuel Gonçalves, Lisboa, 1960 / A Ermida Românica de Santa Catarina de Monsaraz, 1969 (junto c/ O Fesco dos Paços da Audiência de Monsaraz, 1966), Évora / O Nuno Gonçalves da Phaidon: erros, omissões e plágios, de Adriano Gusmão, 1956 (polémico) / Les Poesies d'Horace, avec la traduction du R.P. Sanadon de la Compagnie de Jesus, 1756, 2 vols / História dos Mosteiros, Conventos e Casas Religiosas de Lisboa ..., Lisboa, CML, 1950-1972, 2 vols / Theatro Cómico Portuguez, ou Collecção das Operas Portuguezas, que se representarão nas Casas dos Theatros Públicos do Bairro Alto ... por +++, 1787-1792, 4 vols (raro) / Inventario Artístico de Portugal (Distrito de Aveiro), por A. Nogueira Gonçalves, 1991 / O Templo das Siglas: a Igreja da Ermida do Paiva, por Aarão de Lacerda, 1919 (raro) / O Senhor dos Passos da Graça, de Gomes Leal, 1904 (polémica) / Marchas, Danças e Canções próprias para Grupos Vocais ou Instrumentos Populares (Lopes Graça, versos de Armindo Rodrigues, Carlos de Oliveira, Edmundo Bettencourt, JJ Cochofel, Joaquim Namorado, José Gomes Ferreira, José Ferreira Monte, Mário Dionísio),Seara Nova, 1946 / A Arte dos Jugos e Cangas do Douro Litoral, por Armando de Matos, Porto, 1942 (des. de Gouveia Portuense) / O Supremo Conselho do Grau 33 e o Grande Oriente Lusitano Unido, Lisboa, GOLU, 1914 / Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Constructors Portuguezes ou a serviço de Portugal, coord. de Sousa Viterbo, 1899-1922, 4 vols / O Culto do Chá, de Wenceslau de Moraes, Typ. do Kobe Herald, 1905 (peça de colecção)

quinta-feira, 29 de janeiro de 2004

PREGADORES INSTRUÍDOS



"O homem verdadeiramente sábio è aquele que não despreza coisa alguma"

De novo a questão da vida e da morte. Nunca daí saímos. Fecha-se a alma, clamam alguns. Fugir da morte, desembaraçar-nos dela, praticam outros. "Redescobrir a mágica estranheza, a singularidade das coisas evidentes" [Álvaro Siza] é o que é preciso.
 
Os sermões morais em torno da san(t)idade comportamental da populaça, proferidos por alguns intelectuais (intelectual=aquele que se desdobra, Camus dixit), sobre as manifestações de espanto e pesar na morte de um jogador de futebol são extraordinárias. Tais pregadores instruídos, do alto do seu catecismo chic, patenteiam uma nova liturgia de vida, receituário a imitar pela plebe inculta, que faria sorrir se nao estivesse encoberta pela costumeira alusão aos malefícios dos media, que curiosamente tão sabiamente utilizam e manipulam. O expediente constante ao flagelo dos media, vindo de quem vem, permite assim, com elegância, afastar qualquer debate ou controvérsia sobre esse estranho mundo dos intelectuais pregadores.
 
Porque, afinal, o que está em jogo é a eterna controvérsia sobre a vida e os seus interstícios, mal ou bem interiorizada ou vivida, e não uma qualquer "pornografia" mediática que todos nós estaríamos devotamente consumindo. Portanto, "saudade da vida", paixão ou espanto, prazer ou desprazer, saber e consciência, sentido que seja da vida ou da morte, permanece além de uma qualquer experiência conversável. Compreende-se que assim seja. Mas não nos comove. Na verdade, "para se achar que a vida pode ser bela e fácil, é necessário não a ter conhecido" [Camus]
Pornografia

Este é um governo de expedientes, manhas e truques, doença mental sempre em hora de telejornal. Aqui a vida é redonda. A arte é ser conformista. Celeste Cardona na TV anuncia: "Para que haja um crime fiscal é preciso que haja a apropriaçao de um património. É preciso que haja a intenção fraudulenta". Aconteceu-me fiscalidade diz um governamental. Evidentemente, diz a mioleira de Lobo Xavier. Quem age são os exportadores. Exportam. O Fisco não larga o Iva. Liberdade pornográfica, pois então. Quem diria! O Alberto João veio a Lisboa regularizar com Durão. Quanto o aluguer? Aberração: "o caminho em linha recta vai do querer ao ter, pelo poder" [António Pedro] Distraidamente os milhões para a investigação caiem. É raro florirem rosas em Janeiro, sorri Durão. O Tribunal de Contas está muito Alfredo e pouco Sousa. Preferimos o choque pornográfico, dizem. José Manuel de Mello muito seco pede Hispânia por favor. Ludgero Marques privatizações. A minha avó Leopoldina "apanhava comboios com um anzol". Sem preço.

"Basta
O público está fatigado
Mas não serei eu quem favorecerá esse desejo
Porque se o publico adormece
Não há feijão este ano
" [Breton]

ANOTAÇÕES


"This is Moleskinerie, a blog dedicated to the proposition that not all notebooks are created equal. (...) Moleskine is not my obsession, it’s an attitude. I use other journals also. This site is not here to pontificate. It just is." / an Eudæmonist › ciceronian / [Via Whiskey Bar] Davos Discovers the Blogs

"Hoje a sociologia entrou na ordem natural das coisas. Há sociólogos mais à esquerda, outros mais à direita, e provavelmente a média dos sociólogos situa-se mais à esquerda do que a média dos nossos economistas. Mas não deixa de ser sociologicamente significativo que entre os anúncios da secção "Relax" de uma grande quotidiano português apareça esta sugestiva proposta: "Inesquecível socióloga, 26 anos, exótica, elegante, corpo perfeito, convive distinto cavalheiro." A semiótica poderia deter-se nas conotações deste "distinto cavalheiro". Mas uma visão mais sociológica não poderá deixar de considerar como particularmente interessante esta "inesquecível socióloga". Será inesquecível enquanto socióloga? Será inesquecível apesar de ser socióloga? De qualquer forma, ser socióloga é manifestamente uma mais-valia e imaginamos como uma relação erótica poderá ser completada por uma animada conversa sobre a polémica entre Luhmann e Habermas, as críticas de Jeffrey Alexander a Bourdieu, o sentido da sociedade de risco de Beck ou a terceira via de Giddens." [Eduardo Prado Coelho, in Publico]

terça-feira, 27 de janeiro de 2004

WOLFGAMG AMADEUS MOZART [1756-1791]



n. em Salzburgo, a 27 de Janeiro de 1756

"Salve sagradas criaturas que se impõem através da noite!
Agradecimentos a vós, Osiris e Isis, sejam apresentados!
A força venceu, e como recompensa
Apresenta a eterna coroa à beleza e à sabedoria".

[Flauta Magica]


CATÁLOGO Nº 3 DA LIVRARIA D. PEDRO V


A Livraria D. Pedro V (Rua D. Pedro V, 16, Lisboa) lança o seu Catálogo 3 (nova série) com 286 peças raras umas, esgotadas todas, a preços interessantes. Julgo que ainda está à frente da D. Pedro V a Catarina, que aqui apresenta um cuidadoso conjunto de obras de estimação a ter em conta.

Algumas referências: Cartas de Amor de Sóror Mariana ao Cavaleiro de Chamilly, de Sóror Maria Alcoforado, Livr. J. Rodrigues, 1925 (ilustrações de Alberto de Souza, e prefácio de Gustavo Matos Sequeira) / Alquimias, por Al Berto, Sines, 2001 / Recolhimento do Arcanjo S. Miguel (Alguns Apontamentos para a Historia de Guimarães) As Beatas de Chapéu, 1923 / Portuguese Hebrew Grammars anda Grammarians, de Moses Bensabat Amzalak, 1928 / Chorographia Estatística do Districto de Coimbra, por Agostinho Rodrigues d'Andrade, Coimbra, 1896 / Judeus em Montemor-o-Novo, de António Alberto Banha de Andrade, 1977 / Contra a Obscuridade, de Eugénio de Andrade, 1992 / Os Poemas de Luís Buñuel, de J. F. Aranda (trad. de Mário Cesariny Vasconcelos), Arcádia, 1974 / Inventario de Lisboa, por Norberto de Araújo & Durval Pires Lima, 12 vols, 1944-56 / Homenagem a Camilo no seu Centenário, por António Baião (refere a suposta ascendência israelita de Camilo), 1925 / Cadernos de Literatura (nº 1 ao nº 25), Coimbra, 25 vols, 1978-86 / Biografias Figueirenses, por José de Sousa Cardoso, F. Foz, 1947 / Iconografia e Simbólica do Políptico de São Vicente de Fora, por José dos Santos Carvalho, Lx, 1965 / Pequenos Mundos Novas Civilizações, de Ferreira de Castro, 1938 / Á Volta do Mundo, de Ferreira de Castro, 1938 / Os Transportes Populares em Portugal. Carros e Barcos, por Luís Chaves, 1958 / Inscrições na Quinta do Viso, por José Coelho, 1928 / Cristo como os Pintores, Escultores e Poetas Portugueses o Viram, Sentiram e Entenderam, Estúdios Cor (texto de José Régio), 1952 / Aventuras Maravilhosas de João Sem Medo, por José Gomes Ferreira (publicada anteriormente sob o pseudónimo O Avô do Cachimbo, no jornal de Lisboa), 1963 / Ronda de Africa, por Henrique Galvão, 2 vols, 1942 / A Caça no Império Português, de Henrique Galvão et all, 2 vols, 1943-45 / Primeira Parte da Historia dos Religiosos da Companhia de Jesus, pelo Padre Sebastião Gonçalves, 3 vols, 1957-62 / Commigo, de Manuel Laranjeira, 1923 / Livro do Centanário de Eça de Queiroz, 1945 / Leitos e Camilhas Portuguesas (junto com Cadeiras Portuguesas), por J. F. Nascimento & Augusto Cardoso Pinto (reed.), 1998 / Olleboma Culinária, Lisboa, Empresa Diário de Noticias, 1928 (imp. livro de cozinha portuguesa) / Para uma Cultura Fascinante, de Ernesto Sampaio, 1959 / Os Primitivos Portugueses, de Reynaldo dos Santos (3ª ed.), 1958 / Loiça Brasonada, por José de Campos Souza, 1962 / Marcas de Contastes de Ourives Portugueses, de Manuel G. Vidal & Fernando Moitinho de Almeida, 2 vols, 1974

segunda-feira, 26 de janeiro de 2004

FLORES PARA MIKI FEHÉR



Sabemos da bondade da vida. Quantas vezes se julga que não a sabemos merecer. No entanto o lugar que ocupamos "é o único temível porque nos prende". Hoje os deuses esqueceram-se de Miklós Fehér. Ou foram os homens? A tristeza embala-nos os olhos, enquanto o que a TV mostra, nos mata aos poucochinhos. Um sorriso nos lábios, o coração a ceder, inclinação e morte. É demasiadamente perturbante para ser verdade. Magoa-nos. Torna-nos inúteis. É noite e hoje aqui não está ninguém. Até sempre Miki.

domingo, 25 de janeiro de 2004

VIRGINIA WOOLF [1882-1941]



n. em Londres, a 25 de Janeiro de 1882

"Discutamos, pois, com a maior brevidade possível, o tipo de educação necessário. Dado que a história e a biografia - as únicas provas ao dispôr de estranhos - provam, aparentemente, que a antiga educação das antigas faculdades não provocam particular respeito pela liberdade, nem particular ódio pela guerra, é evidente que deverá reconstruir a sua faculdade em moldes diversos. Está ainda no começo e é pobre; deixe-a, por conseguinte, tirar vantagem dessas qualidades e tomar como base a pobreza e a juventude. Deve, portanto, ser obviamente uma faculdade experimental, uma faculdade temerária. Deixe que se construa com estruturas próprias. Não deve ser construída em pedra talhada e com vitrais, mas em qualquer material barato e de combustão fácil que não crie nem perpetue tradições. Não faça capelas. Não instaure museus e bibliotecas, com livros de encadernações luxuosas e edições metidas em vitrinas. Vale para que todos os quadros e livros sejam novos e estejam sempre a mudar. Deixe que cada geração a decore com as suas próprias mãos e processos baratos. O trabalho dos vivos não é dispendioso; oferecem-no muitas vezes, apenas a troco de deixarem que o produza. (...)

Os professores deveriam ser escolhidos entre os «bon vivants» e os bons pensadores". [Virginia Woolf , in Os Três Guinéus, Veja, 1978]

Locais: Virginia Woolf / Virginia Woolf (1882-1941) / Virginia Woolf (biografia) / Virginia Woolf forum, links / Virginia Woolf's Texts / The International Virginia Woolf Society / Virginia Woolf's Psychiatric History / Virginia Woolf Her Life and Works / Virginia Woolf and Modernism / Virginia Woolf (Um Tecto Todo Seu) / Virginia Woolf: a androginia como desconstrução / Virginia Woolf Seminar [1-9 Junho 2004]

sábado, 24 de janeiro de 2004

BAIRRO LIVRE - JACQUES PRÉVERT





















[Bairro Livre]

Puz o boné na gaiola
saí com o pássaro na cabeça
E então
já não se faz continência
perguntou o comandante
Não
já não se faz continência
respondeu o pássaro
Ah bem
desculpe julguei que se fazia
disse o comandante
Não há de quê toda a gente pode enganar-se
Disse o pássaro

[Jacques Prévert, Bairro Livre, trad. Jorge de Sena]

SOLIDARIEDADE COM A FUNÇÃO PÚBLICA



"O Homem é um secular malvado, que, por perversão ou estupidez, construiu uma civilização de canibais, cem vezes mais malvada do que ele" [Gomes Leal]

A requintada hipocrisia com que alguns mencionam a Função Pública, ontem em greve por melhores condições de vida e qualidade de trabalho face a uma administração e gestão ruinosa, inoperante e incompetente que anos a fio a classe politica amamentou, pelos ditos assombrosos proferidos, na maior das soberbas e com entoações do mais profundo desprezo pela dignidade de quem trabalha, desvela bem os sinais dos tempos.

Dum lado os acólitos do neo-liberalismo balofo e de sacristia, para quem toda a perfeição reside na gestão privada, enquanto lá vão piscando os olhos aos amigos, entretidos a espoliar o Bem Público, fugindo aos impostos, praticando a corrupção moderna, com a eficácia e a produtividade conhecida. Outros, os ressaibiados que por fastio, acomodação servil e falta de qualificações técnico-profissionais foram atirados para a selva do mercado de trabalho, tão de agrado dos novos liberais, dobrados que lhes foram a espinha vertical, desatam em impropérios vários, quase sempre bem maledicentes e espumosos de servilismo e arrogância. Por fim aqueles que em papeletas avençadas, os opinativos serventuários dos seus donos bem amados, clamam com o dedo no ar contra a alimentação do monstro, bem sustentado que foi pelo cavaquismo nos tempos áureos do oásis e depois continuado em alegro folgazar pelos que lhe seguiram, burilam teorias orçamentais que fariam corar o Botas de Santa Comba.

A desorientação é evidente e total. Aliás é vê-los a dissertar sobre o vencimento dos assessores ministeriais (hi! Marques Mendes) e outros cérebros partidários, o pagamento da antiquíssima dívida da República ao poupado Jardim madeirense, o aumento e descontrolo das dívidas das autarquias locais a bem dos colegas de carteira, a qualidade técnica e profissional dos gestores públicos, ou das políticas de saúde e educação, para se entender de que se fala quando se fala de modo obstinado e boçal sobre as revindicações dos trabalhadores da Função Pública. Estamos disso crentes. [foto: Henri Cartier-Bresson, Bolsa de Londres, 1955

sexta-feira, 23 de janeiro de 2004

O JUDEU NO POLÍPTICO DE SÃO VICENTE


A Rua da Judiaria faz alusão aos Painéis do Museu das Janelas Verdes ou Políptico de São Vicente, identificando o homem gordo com um livro aberto, no Painel dito da Relíquia, como um judeu, e logo o famoso Isaac Abravanel.

Pode ser que sim, mas a longa controvérsia em torno dos "mistérios dos painéis" desde a publicação do ensaio inicial de Joaquim de Vasconcelos em 1895 não permite, com toda a segurança, afirmá-lo.

Aliás tudo à volta do políptico de S. Vicente é absolutamente extraordinário. E a paixão que o debate suscita, com alguma violência diga-se e tragédia mesmo (exemplo disso foi o suicídio de Henrique Loureiro), sugere que se seja prudente nalgumas das "certezas" proferidas. Quer no que toca a execução dos Painéis para a Sé de Lisboa, às diferentes interpretações e significados esgrimidos (Tese Vicentina, Fernandina, esotérica, etc), quer ao reconhecimento das diferentes figuras aí representadas, o que conduz a dizer que se está ainda longe da sua inteira compreensão. Paradoxalmente, ou talvez não, os historiadores remetem-se a um prudente silêncio interpretativo.

De facto, a questão não é pacífica e requer um cabedal de conhecimentos, desde o domínio da cultura da época e a leituras e saberes iconográficos, mitológicos, cabalísticos mesmo, que não estão ao alcance de qualquer um. Como exemplo da dificuldade existente, refira-se a arrumação primitiva das tábuas, o patrocinador do trabalho, ao debate sobre o menino do gorro (Painel do Infante), à suposta confusão entre o Infante D. Henrique (que ainda hoje é representado nos livros de historia como aquele homem do chapéu grande, que se vê no Painel do Infante) pela figura de D. Duarte, etc.

Como exemplo da controvérsia, diga-se que ao suposto judeu que a tese oficializada defendia há ainda poucos anos, o Dr. Belard da Fonseca há muito a resolveu a partir da leitura do texto que o homem gordo mostra, e de pesquisas feitas, e que diz tratar-se do borgonhês Olivier de la Marche. O texto decifrado pode ser lido na obra Os Mistérios dos Painéis - O Cardeal D. Jaime de Portugal, de Belard da Fonseca, que depois o traduziu. A cruz referida na Rua das Judiaria seria a Cruz de Santo André, e a cor da loba e do barrete usado, verde escura, era a libré dos "pannetiers" da casa de Bergonha. Inútil explicar quem era Olivier de La Marche. Apenas se pretende referir que não é fácil ter certezas nesta questão. Ficaria assim posta de parte tratar-se da figura de Abravanel, alquimista, sábio, bibliófilo e conselheiro de D. Afonso V, astrólogo ["A Era Messiânica manifestar-se-á quando Saturno e Júpiter estiverem conjuntos no signo Peixes (particularmente influente no que respeita a Israel por ser signo água ...)", in Dicionário do Milénio Lusíada, de Manuel Gandra, referindo-se a Isaac Abravanel]. Curiosamente D. Afonso V era um interessado por alquimia, tendo ao que alguns dizem escrito um livro (julgo que só circula policopiado), denominado "Tratado Alquímico". Para uma consulta bibliográfica sobre a questão dos Painéis, aqui se deixa algumas referências:

Obras a consultar: Joaquim de Vasconcelos, Tábuas da Pintura Portuguesa do Século XV, in Comercio do Porto, 27/28 Junho de 1895 / José de Figueiredo, O Pintor Nuno Gonçalves, Lisboa, 1910 / Alfredo Leal, Os Painéis do Infante e a Obra do Sr. José de Figueiredo, Lisboa, 1917 / José Saraiva, Os Painéis do Infante Santo, Leiria, 1925 / Affonso Dornelas, Os Painéis do Mosteiro de S. Vicente, Elementos para a sua Identificação, II vols, 1931 / Albino Lapa, História dos Painéis de Nuno Gonçalves, 1935 / Artur da Motta Alves, Os Painéis de S. Vicente num Códice da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, Lisboa, 1936 / Georges Kaftal, Essai Iconographique sur Les Paneaux Atribués à Nuno Gonçalves, in Boletim dos Museus Nacionais, vol II, fas. 6, 1942 / Garcez Teixeira, O Significado dos Painéis de S. Vicente, Museu, vol. IV, 1945 / João Couto, Nuno Gonçalves, O Políptico de S. Vicente, Col. Museu, 1954 / Reynaldo dos Santos, Nuno Gonçalves, London, 1955 / Adriano de Gusmão, O Nuno Gonçalves da Phaidon – Erros, Omissões e Plágios, Eur. Amer., 1956 / Adriano de Gusmão, Nuno Gonçalves, Colecção saber, 1957 / António Belard da Fonseca, O Judeu, o seu Livro e a Crítica, 1958 / Vitorino Magalhães Godinho, in Revista de História, nº 37, São Paulo, 1959 / Armando Vieira Santos, Os Painéis de São Vicente de Fora, 1959 / António Belard da Fonseca, O Mistério dos Painéis as Personagens e a Armaria, 1959 / António Belard da Fonseca, O Mistério dos Painéis, IV vols, 1959-1967 / António Belard da Fonseca, Dom Henrique? Dom Duarte? Dom Pedro?, Lisboa, 1960 / António Manuel Gonçalves, Do Restauro dos Painéis de São Vicente de Fora, Museu, 1960 / Jorge de Sena, Os Painéis ditos de 'Nuno Gonçalves', in Revista Ocidente, nº 305/306, 1963 / José dos Santos Carvalho, Iconografia e Simbólica do Políptico de São Vicente de Fora, 1965 / Charles Sterling, Les panneaux de Saint Vicent e leurs Enigmes, in Revue d’Art, nº 159, 1968 / Jaime Cortesão, "A Historia dos Painéis de S. Vicente", in Historia dos Descobrimentos Portugueses, Circulo de Leitores, 1979 / José Luís Conceição Silva, Os Painéis do Museu das Janelas Verdes, Guimarães, 1981 / Jorge Segurado, Painéis de S. Vicente e Infante Santo, Ed. Noticias, 1984 / Paula Freitas & M. Jesus Gonçalves, Painéis de S. Vicente de Fora uma questão inútil?, 1987 / Dagoberto L. Mark, O Retábulo de S. Vicente da Sé de Lisboa e os Documentos, Caminho, 1988 / Theresa Schedel de Castello Branco, Os Painéis de S. Vicente de Fora - As Chaves do Mistério, 1994

quinta-feira, 22 de janeiro de 2004

AUGUST STRINDBERG [1849-1912]



n. em Estocolmo, a 22 de Janeiro de 1849

"Sinto-me melhor porque li Strindberg. E não o li por ler, antes porque desejava aninhar-me contra o seu peito. Agarra em mim com o braço esquerdo, como se eu fosse uma criança, e ali fico feito homem sentado numa estátua. Dez vezes senti o perigo de cair mas à décima primeira instalei-me solidamente. À minha frente segurança e uma vasta perspectiva ... Enorme Strindberg, essa raiva, essas paginas conquistadas a murro ..." [F. Kafka, in August Strindberg, Inferno, Edições &etc, 1978]

"... Só completamente só, janto no quarto e como tão pouco que o empregado solícito fica penalizado. Há uma semana que não dou palavra e, por falta de exercício, o som da minha voz começa a sumir-se. Não tenho tostão. Preciso de cigarros e selos. Num esforço supremo concentro a minha vontade. Quero fazer ouro pela via seca e pelo fogo. Dinheiro há-de arranjar-se, as muflas, os cadinhos, as brasas, o fole, as pinças (...)

O inferno? Fui educado no mais profundo desprezo pelo inferno. Ensinaram-me que não passava de fantasia a rejeitar para a lista dos preconceitos. A verdade, porém, é que não posso negar a novidade que agora encontro na interpretação das penas ditas eternas. Já nos encontramos no inferno. A terra é o inferno, prisão construída por uma inteligência superior, de forma tal que não podemos dar um passo sem ferir a felicidade alheia e os outros não podem ser felizes sem nos fazer sofrer..." [August Strindberg, ibidem]

Locais: August Strindberg / August Strindberg (1849 - 1912) / August Strindberg (Life and work) / (Johan) August Strindberg (1849-1912) / Strindbergs unofficial Homepage / August Strindberg Interviews Himself / Strindberg the Fertile (1963) / O Catecismo Radical de Strindberg / A Ciência Política e o teatro Intimista de A. Strindberg

À VOLTA DOS BLOGS & CIA



* João Oliveira dá missiva no seu blog sobre a produção da comunidade bloguística da zona de Aveiro * Sous les pavés, la plage - o regresso em versão blog de alguns dos fazedores do saudoso projecto Zona Non. De novo Coimbra e os seus encantamentos. Bem-vindos Rui Bebiano, Tiago Barbosa Ribeiro, Tó Lopes e Carlos Osório * Fernando Pinto Amaral, Nuno Júdice, Mário de Carvalho, Hélia Correia, Francisco José Viegas, Mia Couto, os rostos da escrita postados pela Silvana da Costa no Cometas * Regresso do Outro Eu, cada vez mais prendado e de merecida estimação. Transmissível ... sempre! * O Princípio da Atracção de Teresa Direitinho, ou o amor à luz da Ciência como nos foi indicado por um amigo. A ler, evidentemente. * Para leedores caprichosos, eis que saiu o número de Janeiro 2004 da Revista de Cultura Agulha: Ciência e surrealismo de Estela Guedes; Heidegger e Artaud: o percurso da angústia, por Wilson Coelho; Picasso versus Duchamp e a crise da arte atual, por Alberto Beutenmuller; Poesia Completa, de Cecília Meireles: a edição do centenário, por Antonio Carlos Secchin; Saramago e Drummond: o verdadeiro senhor dos arquivos, por Maurício Matos; Surrealismo e marxismo? por Claudio Willer; desenhos de Júlio Resende.

Nota: O Rio já corre. O venerável escriba do blog sem mancha e patriarca do Correio da Manhã, jornal para intelectuais debutantes ou espaço lúdico fogoso e subtil para seguir o bem e afugentar o mal, esta de volta. Com ditos sentenciosos, espirituais & morais, deu à estampa uma prudentíssima posta, bem esgalhada por sinal, que perdura entre um relato de futebol a João Marcelino e uma vigorosa discursata Bushiana, varrendo sem empacho as postumeiras dissertações do terrível Sousa Tavares. Na verdade "pretium laborum non vile". Evidentemente.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2004

GEORGE ORWELL [1903-1950]



Morre a 21 de Janeiro de 1950

"A essência da guerra é a destruição, não necessariamente de vidas humanas, mas do produto do trabalho humano. A guerra prefigura a forma ideal de despedaçar, de lançar na estratosfera ou de afundar nos abismos marítimos produtos que, de outro modo, poderiam servir para dar às massas um conforto excessivo, e por conseguinte, a longo prazo, torná-las extremamente lúcidas. Mesmo que o armamento não chegue a ser de facto destruído, o seu fabrico, ainda assim, ocupa, na prática, forças de trabalho sem nada produzir que possa ser consumido.Se todos tivessem igual acesso ao lazer e à segurança, a grande maioria dos seres humanos, que normalmente vivem embrutecidos pela pobreza, instruir-se-iam e aprenderiam a pensar pela sua própria cabeça; a partir daí, cedo ou tarde concluiriam que a minoria privilegiada não desempenhava qualquer função, e acabariam com ela".

[George Orwell, 1984]

VÍTOR CONSTÂNCIO: UM FUNCIONÁRIO ZELOSO


A entrevista dada pelo Governador do Banco de Portugal, Vítor Constâncio, à RR e abundantemente divulgada pelos media é exemplar. As suas previsões optimistas sobre a economia portuguesa, atiradas do alto do Banco de Portugal sobre as nossas cabeças malabrutas, fazem a delícia dos analistas económicos, sobretudo daqueles que frequentam a gamela do aparelho de estado ou correm às sua migalhas, mas não são perceptíveis a partir das magras bolsas das famílias portuguesas e da miséria da sua situação económica e financeira, nem sequer do ponto de vista da ciência económica pode tal ser entendido.

Afinal, desconhece-se os fundamentos macroeconómicos com que se baseia o insigne economista, agora impulsionado como altar iluminante pela governação, para tais inauditas previsões e demais bênções à política orçamental.

Compreende-se o esmero de Vítor Constâncio. Funcionário zeloso e irrepreensível do Banco Central Europeu, a politica fundamentalista dos seus patrões não pode ser posta em causa. O controle da inflação como única variável explicativa dessa abencerragem do pacto de estabilidade não o incomoda nada. Nem os efeitos que tal máxima de estabilidade comporta na frágil economia portuguesa, sequer o atrapalham. Fica, sim, extasiado em discursos à volta da teoria dos ciclos económicos, esquecendo o que sobre eles foi dito por Robert Lucas, numa vaidade irritada e irritante à boa maneira de Mr. Jekyll & Mr. Hide. Dizem que é socialista. É possível que sim, não sabemos. Porém, pode crer que o seu nome ficará, independentemente do lugar que ocupa e da sua função, irremediavelmente ligado a um dos ciclos mais nefastos da economia portuguesa. Para bem ou para o mal.

CATÁLOGO Nº 80 DO LIVREIRO ALFARRABISTA MARTINHO


Saiu o Catálogo 80 do Livreiro Alfarrabista Martinho [Outeirinho do Mirante, 5, Lisboa] com livros esgotados, alguns raros e a preços convidativos.

Algumas referências: Álbum de Pensamentos, Máximas, etc, por Francisco Pimentel Carvalho, 1901 / Auxiliar do Ferroviário, por Jorge F. Teixeira, Lisboa, 1929 / Coimbra e António Nobre Homenagem ao Poeta, Coimbra, 1940 / Documentos para a História da Universidade de Coimbra (1750-1772), Coimbra, 1959 / Fel, de José Duro, 1898 / Elogio Histórico de Anselmo José Braamcamp, Porto, 1887 / A Memoria das Palavras ou o Gosto de Falar de Mim, por José Gomes Ferreira, Lisboa, 1966 / O Mundo dos Outros-Histórias e Vagabundagens, por José Gomes Ferreira, Lisboa, 1969 / Aldeia Nova, por Manuel da Fonseca, Ed. Forja, 1975 / Inventario da Criação dos Expostos do Arquivo Histórico da Santa Casa da Misericórdia, Lisboa, 1998 / Memorias Extraordinárias do major Calafaia, Páginas Desconhecidas, por Reinaldo Ferreira (Repórter X), Lisboa, 1945 / Os Lusíadas de Luís de Camões, Edição Comemorativa do IV Centenário da Publicação, 1972 / A Confissão de Lúcio, por Mário Sá-Carneiro, Edição do Autor, 1914 (raro) / As Portas que Abril Abriu, de José Carlos Ary dos Santos / Tarrafal Testemunhos – Trabalho Colectivo de Sobreviventes do Tarrafal, Editorial Caminho, 1978 / O Senhor Ventura, de Miguel Torga, Coimbra, 1943 / Traços de União - Temas Portugueses e Brasileiros, por Miguel Torga, 1955 / Relance da Alma Japonesa, de Wenceslau de Moraes, 1925

segunda-feira, 19 de janeiro de 2004

EDGAR ALLAN POE [1809-1849]



n. em Boston a 19 de Janeiro de 1809

"'Rancores literários, vertigens do infinito, cuidados familiares, insultos da miséria - diz Baudelaire - tudo Poe sepultava na negrura da embriaguez; bebia não como quem é guloso, mas como quem é bárbaro'

Em Nova Iorque, exactamente na mesma manhã que a revista «Whig» publicava O Corvo, ao mesmo tempo que o nome de Poe passava a andar nas bocas de toda a gente, sendo o poema mais que disputado, ele deambulava pela Broadway a bater às portas e a estrebuchar. Uma tal quantidade de contradições bastaria para não ser preciso ir mais à frente falando de humor: umas vezes ele nasce do choque entre as suas faculdades lógicas fora do normal, a alta estatura intelectual e o brumoso espírito do vinho (O Anjo Bizarro); outras vezes vê-se tenebrosamente nascer nas inconsequências e contradições da condição humana pressentidas em alguns estados mórbidos (O Demónio da Perversidade)" [Edgar Allan Poe, in Antologia do Humor Negro, de André Breton, Fernando Ribeiro de Mello/ Afrodite, 1973]

Locais: Edgar Allan Poe / Index to the Edgar A. Poe Biography / The Edgar Allan Poe Society of Baltimore / E. A. Poe / Allan Poe (Biografia) / Allan Poe Website / The Works of Edgar Allan Poe / Os Espectros de Edgar Allan Poe / O Corvo (trad. Fernando Pessoa) / Edgar Allan Poe (Obras)

IN MEMORIAM DE ARY DOS SANTOS [1937-1984]





"Nós amamos a carne das palavras
sua humana e pastosa consistência
seu prepúcio sonoro sua erecta presença.
Com elas violentamos
O cerne do silêncio
"

[José Carlos Ary dos Santos, in A Luxúria, 1968]

ASSOCIAÇÕES DE COIMBRA (XIX)



* Loja Pátria e Caridade (1852) - O Conimbricense refere que "depois de estabelecida a Sociedade de Instrução dos Operários, lutava esta por falta de meios para sustentar as aulas nocturnas". Assim, entenderam alguns dos fundadores da Sociedade, criar uma Loja Maçónica com o fim de conseguir meios para tal fim. Nos primeiros dias de Outubro de 1852, chega a Coimbra o académico Francisco das Neves Castanheira (Ir. Fuas Roupinho) com a necessária autorização para a fundação da Loja. Após uma reunião inicial numa casa da Rua do Poço, reuniram-se numa casa da Rua dos Grilos, pegada com o Jardim do Colégio de Santa Rita, e onde habitava o académico José Affonso Coelho, a Loja Pátria e Caridade. Dado a adesão verificada teve-se que mudar as instalações para o Colégio da Trindade. Pertenciam à Loja, na qual era Ven. Fillpipe de Quental, Francisco das Neves Castanheira, Manoel José da Fonseca (Ir. Robespierre), José Affonso Botelho, Henrique de Castro, Carlos Pacheco Bettencourt (Ir. Lafayette), José Bernardes Galinha, Augusto Pinto Tavares, Manoel Ignacio do Canto Ramos, António José da Silva Poiares, Joaquim Rodrigues de Andrade (Ir. Annibal), José Joaquim Ferreira, João de Brito Furtado de Mendonça, Amaro Affonso de Moura, Padre João Manoel Cardoso e Nápoles (Ir. Bailly), Joaquim Martins de Carvalho (Ir. Lamartine), Padre Luiz Caetano Lobo, etc. Deixou de se reunir depois de Junho de 1853. [in, Conimbricense, 1905]

* Associação Agrícola dos Campos de Coimbra (1853) [ibidem]

* Sociedade dos Operários do Theatro da Graça (1853) [ibidem]

* Choça Kossut (1853) - O Conimbricense refere que, de novo sob os auspícios do Padre António de Jesus da Costa, foi de novo organizado a Carbonária na cidade de Coimbra. Assim, em 1853 funcionava uma Choça com o título Kossut, de que foi eleito presidente Abílio Roque de Sá Barreto. Mas foi breve a sua existência e não teve seguimento. [ibidem]

domingo, 18 de janeiro de 2004

RUBÉN DARÍO [1867-1916]



n. a 18 de Janeiro de 1867 [Nicarágua]

"Todo lo renovó Darío: la materia, el vocabulario, la métrica, la magia peculiar de ciertas palabras, la sensibilidad del poeta y de sus lectores. Su labor no ha cesado ni cesará. Quienes alguna vez lo combatimos comprendemos hoy que lo continuamos. Lo podemos llamar libertador." [Jorge Luis Borges]

"El lugar de Darío es central, inclusive si se cree, como yo creo, que es el menos actual de los grandes modernistas. No es una influencia viva sino un término de referencia: un punto de partida o de llegada, un límite que hay que alcanzar o traspasar. Ser o no ser como él: de ambas maneras Darío está presente en el espíritu de los poetas contemporáneos. Es el fundador". [Octavio Paz]

Locais: Biografia / Rubén Darío (1867-1916) / Bibliografía / Dariana / Poemas / Museu Archivo Ruben Dário / Rubén Darío en la Biblioteca Nacional de Chile

"Dichoso el árbol, que es apenas sensitivo,
y más la piedra dura porque esa ya no siente,
pues no hay dolor más grande que el dolor de ser vivo,
ni mayor pesadumbre que la vida consciente.

Ser y no saber nada, y ser sin rumbo cierto,
y el temor de haber sido y un futuro terror...
Y el espanto seguro de estar mañana muerto,
y sufrir por la vida y por la sombra y por

lo que no conocemos y apenas sospechamos,
y la carne que tienta con sus frescos racimos,
y la tumba que aguarda con sus fúnebres ramos,
y no saber adónde vamos,
ni de dónde venimos!..."

(Rubén Darío, Lo Fatal]

LOUIS-CLAUDE DE SAINT-MARTIN [1743-1803]



n. a 18 de Janeiro de 1743

"Não temos deveres senão um - respeitar a integridade da personalidade humana, a nossa como a alheia. Isto quer dizer trez coisas: (1) para os fins fundamentaes da nossa vida, dispensar todo o auxilio alheio; (2) para os fins quotidianos da nossa vida, estabelecer uma exacta reciprocidade com os outros; (3) para as circunstancias da vida que são extranhas a uma cousa e outra, subordinar-nos à regra do ambiente, visto que ella nos não attinge (...) Estas trez grandes regras da vida superior, resumiu-as Saint Martin, servindo-se de um aspecto da formula dos Rosa Cruz, na phrase Liberdade, Egualdade, Fraternidade - independência dos outros (Liberdade) na vida superior e intima; reciprocidade com os outros (Egualdade) na vida normal que serve de base material a essa vida superior; conformação com os outros (F) nos phenomenos exteriores e insignificantes da vida [Fernando Pessoa 54-76 (dt), in Fernando Pessoa, Rosea Cruz, dir. Pedro Teixeira da Mota, Edições Manuel Lencastre, 1989]

Locais: Biografia / Louis Claude de Saint-Martin / Louis-Claude de Saint-Martin (1743-1803) / Saint-Martin / Ecce Homo / O Filósofo Desconhecido / Louis-Claude de Saint-Martin and the Supérieurs Inconnus / Le Livre Rouge

CATÁLOGO Nº 205 DA LIVRARIA ACADÉMICA


Saiu esta semana o Catálogo 205 da Livraria Académica, de Nuno Canavez (Porto), podendo ser consultado na sua homepage. De consulta obrigatória, enquanto outros catálogos em breve estarão disponíveis, entre os quais o correspondente ao leilão da segunda parte da Livraria de Luiz Forjaz Trigueiros, a cargo de José Manuel Rodrigues.

Algumas referências: Dia do Mar, de Sophia M. Breyner Andresen, 1947 / O Castelo de Monsanto, por Guilhermino Augusto de Barros, 1879 (II vols) / MANUSCRITO alusivo ao teatro, escrito num álbum e datado de Lisboa (24/01/1950) de 28x20 cm, de Raul de Carvalho / Compendio Histórico do Estado da Universidade de Coimbra, no Tempo da Invasão dos Denominados Jesuítas ..., Lisboa, 1771 / Aquela Voz, de Alexandre da Conceição (Poema manuscrito, datado de Coimbra, 23 de Nov. 1881, 35x27 cm. O autor, natural de Ílhavo, foi fundador da Revista A Revolução (1877) e polemizou com Camilo tomando partido pela escola realista) / Os Descobrimentos Portugueses, de Jaime Cortesão, Arcádia, II vols / Carta Manuscrita de Liberto Cruz (c/ 2 pags A4, datada de Rennes 1969 e dirigida ao escritor Serafim Ferreira) / Estatutos da Universidade de Coimbra, Lisboa, 1772, III vols / Longe, por José Gomes Ferreira, Lisboa, 1921 (2º livro do autor) / A Caça no Império Português, por Henrique Galvão et all, Ed. Primeiro de Janeiro, 1943 (II vols) / Gazeta Literária, Editor e Director Mário do Amaral (nº 1 Set. 1952 a nº 76 Dez. 1961) / Portugal Antigo e Moderno, por Pinho Leal, 1873, 12 vols / Mappa Genealogico, Histórico, Chronologico, Diplomático e Litterario do Reino de Portugal e Seus Domínios Antigos e Actuaes (s/d, sec. XIX, 1,10x75 cm) / Memorias de Litteratura Portugueza, publicadas pela Academia Real das Sciencias de Lisboa, 1792-1856, 8 vols / Carta Manuscrita de António Luís Moita a Serafim Ferreira, de 11 de Nov. 1970 (s/ a homenagem a Irene Lisboa) / Mundo Ilustrado, Revista semanal, dir. Eduardo Pimenta e Marques Abreu (nº 1, 7 Abril 1912 a nº 26, 29 de Set. 1912) / Ordenaçoens do Senhor Rey D. Manuel,Coimbra, 1797, 5 vols / In Memoriam de José Régio, 1970 / Anno Histórico Diário Portuguez, Noticia Abreviada de Pessoas Grandes e Cousas Notáveis de Portugal ..., por Francisco de S. Maria, 1744, 3 vols / Dispersão de Mário de Sá-Carneiro, Coimbra, 1939 / Evolução do Culto de Dona Isabel de Aragão ..., por A. G. Ribeiro de Vasconcelos, 1915

sexta-feira, 16 de janeiro de 2004

SER O QUE NÃO É



Na sequência do que Luís Carmelo refere em "Tragédia de um Esquecimento", a propósito da alusão da Rua da Judiaria sobre os "350 anos "sobre a chegada dos primeiros emigrantes judeus à colónia holandesa de Nova Amsterdão", é possível a partir do pensamento de Miguel Real (que cita), na sua obra "Portugal Ser e Representação" (Difel, 1998), ter em apreço aquilo que Miguel Real denomina como "tentativa de encontrar uma forma corporis do povo português", afinal uma demanda da característica dominante do português, e que configuraria um "ser o que não é" ou "estar onde não está", e que pode, de algum modo, levemente contribuir para as interrogações sugeridas no belíssimo texto de Luís Carmelo.

Assim, a partir de diferentes contributos - de Teixeira de Pascoaes a Eduardo Lourenço; de Agostinho da Silva a A. José Saraiva, ou com referências a autores como Fernando Pessoa, Álvaro Ribeiro, Antero, Dalila Pereira da Costa, António Vieira, Marcello Duarte Mathias, António Telmo, Pinharanda Gomes, etc - o autor de Portugal Ser e Representação refere os seguintes "traços":

- "habita-nos ... uma funda religiosidade, expressão actual de setecentos anos de domínio quase absoluto de códigos religiosos de comportamento, âncora histórica de uma cosmovisão bíblica que inundou a mentalidade cultural portuguesa até ao século XVIII. (...) O excesso desta visão religiosa portuguesa, ou talvez, a sua condensação numa ideologia, originou o messianismo providencialista português, a que nenhum grande autor nacional foi imune, pela positiva ou negativa ..." (pag. 181- 183)

- existência de uma "característica profundamente emotiva, apaixonada, sentimental, do comportamento dos portugueses em detrimento de uma visão racionalista, calculista, programada, técnica e cientifica da vida". Como consequência daí resultante: "ausência de um corpo coeso de obras cientificas e filosóficas; ausência de um espírito técnico e tecnológico de envergadura; predominância de uma mentalidade lírico-emocional que tem atravessado toda a nossa literatura" (pag. 184)

- "estar onde não se está" (...) Esta característica tem permitido ao português uma errância mental e física, ou, talvez melhor, uma plurivalência entre o que de facto é as mascaras ou as imagens por que se disfarça ora um jubilo se si, ora numa humilhação rendida, isto é, tem permitido ao português ser o que não é: religioso, mas herético; ortodoxo, mas heterodoxo (toda a filosofia portuguesa religiosa desde o sec. XIX); emigrante, mas não colonizador (miscegenização); aventureiro, mas radicado (...); pobre, mas generoso (comunitarismo); culturalmente atrasado, mas crente que possui um destino vanguardista (messianismo)" (pag. 185-186)

Concorde-se ou não com o autor, a obra é demasiado estimulante para passar despercebida, por isso aqui fica a sugestão da sua leitura.

VITTORIO ALFIERI [1749-1803]



n. a 16 de Janeiro de 1749

"... [Vittorio Alfieri] andou vagueando pela Europa, irrequieto, insatisfeito, dedicado à paixão do jogo e dos cavalos, e às mulheres, adquirindo ao mesmo tempo a experiência dos homens de das coisas: conheceu o continente desde a Rússia a Portugal, até que a leitura ouvida, em Lisboa, duma canção eloquente (a Alfa fortuna) do seiscentista Guidi, pelo amigo Tomaso di Caluso, lhe deu a consciência do seu destino de poeta" [Giuseppe Carlo Rossi, Breve História da Literatura Italiana, Cosmos, 115-116, dir. de Bento Jesus Caraça, 1946]

"[A Merope de Maffei teve como tradutor português Cândido Lusitano, que antepôs à versão (de 1751; conserva-se inédita em Évora) um longo prefácio, em que chama "talvez a melhor tragédia que tenha aparecido em teatro", e "fonte do verdadeiro bom gosto da poesia dramática". Há notícia de duas traduções brasileiras que também ficaram inéditas. Na tragédia de Maffei inspirou-se Garrett para a sua Mérope, como está narrado no prefácio desta útima; e tem relações com ela a Sofonisba espanhola de Zorrilla ..." [ibidem, pag. 193]

"... Foi português o primeiro amigo de Alfieri, confidente das suas ânsias amorosas e seu incitador ao estudo: D. José da Cunha, ministro em Haia. A obra alfieriana foi muito lida e traduzida em português. Familiarizou-se muito com ela, e dela se valeu para incitar os seus compatriotas às ideias da liberdade, o revalizador do teatro nacional, e editor de Gil Vicente, o então homiziado político J. V. Barreto Feio, que traduziu Orestes e os dois tratados literário-políticos fundamentais Del principe e delle lettere e Della tirannide... [ibidem]

Locais: Vittorio Alfieri / Vittorio Alfieri (1749-1803) / Vittorio Alfieri / Biografia / Vittorio Alfieri (biografia) / Vittorio Alfieri (Biblioteca) / La Polémica Antidogmatica dell'Alfieri / Progetto Vittorio Alfieri / Vittorio Alfieri da Asti-Conte di Cortemilia

quinta-feira, 15 de janeiro de 2004

AS MENSAGENS DO PRESIDENTE



"O futuro é a única coisa que podemos mudar" [Robert Heinlein]

Nestes dias em que se assiste a uma incapacidade governativa total, embrenhados que estão, profundamente, na crise da crise que tanto procriaram, numa cultura politica a cair de sono onde a sucessão de fenómenos é o elixir para a sempre eterna sociedade de espectáculo, face à magnitude do caos económico que os fundamentalistas neo-liberais detonaram, as mensagens do Presidente da República são de uma perplexidade inquietante.

Os vários discursos de Jorge Sampaio desabam sistematicamente em arruaças político-partidárias por parte daqueles que administram o tédio, e longe de mobilizarem pedagogicamente a classe politica e os cidadãos para o exercício de combate à apatia e à indiferença da gestão política, social e cultural a que estamos condenados, remetem, numa ingenuidade encantadora, para um adormecimento angustiante, num quotidiano sem futuro nem desejo. Isto porque, as mensagens do Presidente são, invariavelmente, deixadas ao abandono entre os inenarráveis discursos parlamentares, que em simulacros vários debatem tudo menos os enunciados e as propostas presidenciais, perante a maior crise económico-social jamais vista.

A desarmonia é evidente. Hoje, nem se dignaram comentar as preocupações e as propostas feitas pelo Chefe de Estado. Foram execráveis. Eis, pois, a mais perfeita alucinação do poder. E, portanto, a questão começa a ser uma outra, a saber: até quando será possível a Jorge Sampaio manter esta estratégia de excessiva brandura face à governação caótica e irresponsável que tudo contamina? De outro modo, seria interessante que a maioria governamental e os seus acólitos fundamentalistas entendessem o dizer de Adorno: "ninguém tem direito, por orgulho elitista, de se opor à massa de que é apenas um momento". Que a aventura do poder não dura sempre. Podem crer!

LIVROS USADOS



"... Para onde foram os livros usados, os que tinham na capa esse visgo publicitário, as brochuras encardidas, as encadernações de pobre, os folhetos, as revistas do tempo de Rodrigues Alves? Tudo isso também é gente, na cidade das letras, e, como gente, ninho de surpresas: no mar de obras condenadas ao esquecimento, pesca-se às vezes o livrinho raro, não digo raro de todo, pois o farol do mercador arguto o escondeu atrás do balcão, e destina-o a Plínio Doyle, ao Mindlin paulista ou à Library of Congress, que não dorme no ponto ... mas, pelo menos, o relativamente raro, sobretudo aquele volumeco imprevisto, que não andávamos catando, e que nos pede para tirá-lo dali, pois está ligado a circunstâncias de nossa vida: operações de resgate, a que procedemos com alguma ternura. Vem para a minha estante, Marcelo Gama, amigo velho, ou antes, volta para ela, de onde não devias ter saído; sumiste porque naqueles tempos me faltou dinheiro para levar a namorada ao cinema, e tive de sacrificar-te, ou foi um pilantra que te pediu emprestado e não te devolveu? Perdão, Marcelo, mas por 5 cruzeiros terei de novo tua companhia ..."

[Drummond de Andrade, Sebo, in O Poder Ultrajovem]

ASSOCIAÇÕES DE COIMBRA (XVIII)


* Conselho dos 5 (1851) - O Conimbricense refere que foi formado por cinco estudantes, que tinham uma "espécie de governo de Coimbra", tendo a seu cargo a concessão de "diversas mercês civis e eclesiásticas". A sede era no Largo de Sansão (Praça 8 de Maio), em casa do sr. Francisco Martins da Rocha [in, Conimbricense, 1905]

* Sociedade de Instrucção dos Operários (1851) – Realizou-se a 4 de Outubro de 1851 a primeira reunião, sendo “nomeada uma mesa provisória assim composta: Presidente, Joaquim Martins de Carvalho; secretários, Carlos Ramiro Coutinho e Filippe de Quental; tesoureiro, Domingos Sebastião Sanches". [ibidem]

* Sociedade Gymnastica (1852) [ibidem]

* Sociedade para o Melhoramento dos Banhos do Luso (1852) [ibidem]

quarta-feira, 14 de janeiro de 2004

LEWIS CARROLL [1832-1898]






















Morre a 14 de Janeiro de 1898


Locais: Lewis Carroll / Lewis Carroll / The Lewis Carroll E-text Collection / Works by Lewis Carroll / Alice's Adventures in Wonderland


"... Ao passar por um jardim vi um Mocho e uma Pantera
A repartirem uma empada.
À Pantera coube a carne, a massa e a geleia
E ao Mocho o prato e a colher.
Quando a empada acabou
A Pantera rosnou
E ainda ficou
Com o garfo e a faca
E o festim acabou ..."

[In Aventuras de Alice no País das Maravilhas, trad. Ernesto Sampaio]

THE CURE



The Cure - Join The Dots (1978-2001)

4 CD's espaçados no tempo, de 1978 a 2001, novas versões, remixes vários, homenagem aos The Doors, Jimi Hendrix, 76 paginas sobre a banda e, claro, Robert Smith, em raros trechos musicais, revisitações excelentes, a não perder, passe os sinais dos tempos ... enquanto lá para o Verão se espera o novissimo albúm com nova colheita. Somos sentimentais, evidentemente. Pois!

Locais: Seventy-one track rarities collection / The Cure: Join The Dots: B-Sides and Rarities, 1978-2001 (The Fiction Years)

terça-feira, 13 de janeiro de 2004

VOX POPULI



[Dos Jornais] Causou impacto nos meios intelectuais do Correio da Manhã, novíssima Maria para taxistas e mulheres-a-dias, a antevisão do processo Casa Pia (Casa Pia, Últimos Episódios) pelo articulista Alberto Gonçalves. Consta que: um conhecido homem de leis aliviou-se em plena rua, com um sorriso nos lábios; um grupo de políticos, reunidos em local oculto, fulminou o autor com impropérios vários e ditos grosseiros; um liberal Eborense lembrou à edilidade que seja dado o nome de Avenida do Alberto-a-Dias, a uma artéria da cidade, substituindo a Rua Berlin; um popular activista Bolsista confessa que realizou avultados investimentos em acções CM; em reunião de comentaristas & Cia, foi debatido a excessiva verbosidade e a vulgaridade do texto, enquanto se ouvia um Audaces Fortuna Juvat proveniente da plateia popular, considerando-se que é caso para dizer, "não apalpes em casa de ferreiro, nem peças em botica bom mercado". Ó tempora, ó mores ... oh tempo das amoras!

[Novo Guia das Ruas de Portugal] Acaba de sair um precioso Guia (Edições Papelaria Laranja), onde se regista o local de todas as artérias das cidades portuguesas, com inclusão das alterações ultimamente feitas em vários arcos, arruamentos, azinhagas, bairros, calçadas, casais, estradas, jardins, largos, miradouros, paróquias, parques, praças, pracetas, ruas, residenciais, rotundas, sítios, travessas e vilas. Os autores agradecem penhorados ao major Valentim Loureiro as sugestões e contribuições apresentadas. Como curiosidade, registe-se as seguintes novidades: Travessa do Luís Delgado; Praça Bush; Azinhaga José Manuel Fernandes; Quinta Celeste Cardona; Residencial Tavares Moreira; Arco Ferreira Leite; Chalé Portas; Miradouro Marques Mendes; Circunvalação José Luís Arnaut; Escadinhas Bagão Félix; Mercado Dias Loureiro; Posto Morais Sarmento; Paróquia Telmo Correia; Rotunda Miguel Beleza; Vila Durão Barroso; Pátio Rebelo de Sousa; Cais Santana Lopes;... Bem Hajam!

JAMES JOYCE [1882-1941]



Morre a 13 de Janeiro de 1941

"Ele quis encontrar no mundo real a fraca imagem que sua alma, indefinidamente, contemplava. Ele não sabia onde ou como procurá-la. Mas uma premonição lhe disse que esta imagem iria encontrá-lo, independente do que fizesse. Os dois iriam se encontrar tranquilamente, como já se conhecessem, como já tivessem se encontrado antes, talvez em um dos portões ou em algum lugar secreto. Os dois estariam sozinhos, cercados pela escuridão e pelo silêncio. E em um momento de suprema ternura, ele mudaria. Se desbotaria em algo impalpável diante de seus olhos e, num breve momento, ele se transformaria. Fraqueza, timidez e inexperiência tombariam diante dele naquele momento trágico."

[J. J., in Retrato de um Artista Quando Jovem]

"(In) Gibraltar as a girl where I was a Flower of the mountain
yes when I put the rose in my hair like the Andalusian girls used
or shall I wear a red yes
and how he kissed me under the Moorish wall
and I thought, well as well, him as another
and then I asked him with my eyes to ask again yes
and then he asked me, would I yes to say yes, my mountain flower
and first I put my arms around him, yes
and drew him down to me so he could feel my breasts all perfumed, yes
and his heart was going like mad and yes I said, yes I will, Yes." [J. J., in Ulysses]

segunda-feira, 12 de janeiro de 2004

RUBEM BRAGA [1913-1990]



n. Cachoeiro do Itapemirim (Espírito Santo), a 12 de Janeiro de 1913

"Braga é sempre bom, e quando não tem assunto então é ótimo. Disseram um dia do português Latino Coelho que era um estilo à procura de um assunto. Braga é o estilista cuja melhor performance ocorre sempre por escassez de assunto. Aí começa ele com o puxa-puxa, em que espreme na crônica as gotas de certa inefável poesia que é só dele. Será este o segredo de Braga: pôr nas suas crônicas o melhor da poesia que Deus lhe deu? Os outros cronistas põem também poesia nas suas crônicas, mas é o refugo, poesia barata, vulgarmente sentimental, que tanto pode estar ali como nos versos de... Bem, cala-te, boca! A boa poesia eles guardam para os seus poemas. Braga, poeta sem oficina montada e que faz poema uma vez na vida e outra na morte, descarrega os seus bálsamos e os seus venenos na crônica diária ..." [Manuel Bandeira]

Locais: Biobibliografia / Rubem Braga / Rubem Braga (1913-1990) / Textos na Folha de S. Paulo / Crónicas de Rubem Braga / Escritos Vários / Poesia / Ai de ti, Copacabana / Diário de um subversivo

sábado, 10 de janeiro de 2004

THE UNNATURAL AND THE STRANGE











"The unnatural and the strange
Have a perfume of their own –
That of human flesh, of change
Made corruption without moan;
The unnatural and the strange
Have a perfume of their own ..."

[Alexander Search (aliás F. P.), The Unnatural and The Strange, 1906]

ROMANCES POLICIAIS



"Um dos poucos divertimentos intelectuais que ainda restam ao que ainda resta de intelectual na humanidade é a leitura de romances policiais. Entre o número áureo e reduzido das horas felizes que a vida deixa que eu passe, conto por do melhor ano aquelas em que a leitura de Conan Doyle ou de Arthur Morrison me pega na consciência ao colo.
Um volume de um destes autores, um cigarro de 45 ao pacote, a ideia de uma chávena de café - trindade cujo ser-uma é o conjugar a felicidade para mim - resume-se nisto a minha felicidade. Seria pouco para muitos, a verdade é que não pode aspirar a muito mais uma criatura com sentimentos intelectuais e estéticos no meio europeu actual"

[Fernando Pessoa, in Páginas Íntimas e de Auto-Interpretação]

sexta-feira, 9 de janeiro de 2004

PROCESSO CASA PIA: A NOVA CABALA


"Uma gaiola ia à procura de um pássaro" [Kafka]

Stau Monteiro escreveu uma vez que "o espectador é por definição o homem que não sabe jogar". Nada mais exacto. Porém, hoje, no processo da Casa Pia, parece subsistir excessivos jogadores à volta da "mesa", e muito poucos espectadores.

A novíssima jogada conhecida, de admirável retórica diga-se, é de José Pacheco Pereira. O seu artigo publicado n'O Publico, curiosamente intitulado, "Anatomia de uma fuga do processo Casa Pia" mais não é que uma argumentação puramente de retórica politica ... contra a politização do processo, que configuraria motivações diversionistas e de ocultação dos crimes praticados. Em nenhum momento da análise desta nova cabala é questionado as razões técnico-jurídicas que evidenciam um constante mal estar nos registos processuais do caso, nem o papel desempenhado pelo Procurador Geral, Souto de Moura, na sua condução, defesa e praticabilidade. Apenas se faz a anatomia da cabala politica em curso, nova urdidura desviacionista, utilizando o discurso meramente político-partidário.

Afinal, o que nos confessa Pacheco Pereira é a impossibilidade de poder debater um caso concreto - Processo Casa Pia - a partir de enunciados técnico-jurídicos, da sua critica interna conceptual, a qual dado a sua especificidade, o cidadão não dominaria. Daí que o branqueamento das (não)orientações tomadas por Souto de Moura, em todo este, caso seja total. E que os jornalistas, por efeito boomerang, se arrisquem a serem tidos por perigosos delinquentes, no que resulta a sua necessária domesticação, nem que seja via reformulação da lei sobre liberdade de imprensa, como um deputado do CDS/PP no Parlamento assumiu. Ora, não é possível, aliás como muito bem Vital Moreira considera, que o papel desempenhado neste caso, e desde o seu início, por Souto de Moura seja menosprezado. Quem tal pensar está a aprontar o funeral da própria Justiça e a médio prazo a cooperar no descrédito das instituições democráticas. E sabe-se onde isso conduz. Ou não?

JOÃO CABRAL DE MELO NETO [1920-1999]















n. no Recife a 9 de Janeiro de 1920

"O esquadro disfarça o eclipse
que os homens não querem ver.
Não há música aparentemente
nos violinos fechados.
Apenas os recortes dos jornais diários
acenam para mim como o juízo final."

[Homenagem a Picasso, in Pedra do Sono]

Locais: João Cabral Melo Neto / Biografia Especial / Bio-bibliografia / idem / Obras / Ambiente Cultural e Primeiras Poesias / Morte Vida Severina / Poemas / Poesia / 6 Poemas

quinta-feira, 8 de janeiro de 2004

FERNANDO PESSOA



" ... Ao homem vulgar, que queira entrar as portas do Occulto, diremos só uma cousa: não tentes! O occulto é que nos procura, não nos a elle: pois, desde a Queda, não há livre-arbitrio. Não somos nós que olhamos para a Materia: ella é que olha para nós. Collocando-se na passividade chamada mediunica podes julgar que atinges outros mundos; não fazes senão aprofundar a Illusão, que, como é contínua com o mundo, é para nós verdadeira ..."

[F.Pessoa, 53B-72 (m), in Rósea Cruz, por Teixeira da Mota, Ed. Manuel Lancastre, 1989]

PAUL VERLAINE [1844-1896]


















Morre em Paris, a 8 de Janeiro de 1896

"Sur votre jeune sein laissez rouler ma tête
Toute sonore encor de vos derniers baisers ;
Laissez-la s'apaiser de la bonne tempête,
Et que je dorme un peu puisque vous reposez
"

Locais: Paul Verlaine / Notas Biográficas / Biographie / Paul Verlaine / Biografia / Biobibliografia / Paul Verlaine (1844 - 1896) / Obras / Poemas / Carta a Pierre Dauze / Les poèmes Saturniens / Les Fêtes Galantes / Song texts / Poèmes de Paul Verlaine

"Sono escuro, enorme,
A cobrir-me a vida:
Dorme, esperança, dorme.
Tão apetecida!

Não vejo ninguém,
Já perco a memoria
Do mal e do bem ...
Ai que triste historia!

No fundo da vala,
O berço que sou
Alguém mo embala:
Caluda, calou!"

[Paul Verlaine, "Un Grand Sommeil Noir", trad. Jorge de Sena]